Publicidade

Eletrificado e com versão Alpine. Renault desvenda o novo SUV Austral

Texto: Francisco Cruz
Data: 13 de Março, 2022

Depois dos teasers, a Renault acaba de apresentar o seu mais recente SUV eletrificado, o Austral. Proposta que vem substituir o conhecido Kadjar e que, a par de uma estreante versão Esprit Alpine, exibe ainda um novo motor híbrido E-Tech, além de várias tecnologias avançadas. A faltar, fica apenas a data de chegada… e preços.

Assente na mais recente plataforma CMF-CD da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, o Renault Austral anuncia-se como um SUV de linhas modernas e forte carácter, as quais não escondem a mesma fonte de inspiração onde, por exemplo, o novo Mégane E-Tech foi beber.

Senhor de uma dianteira marcante e corpo esculpido, o novo SUV da Renault exibe, ainda, uma elevada altura ao solo (170 mm), apoiado em grandes rodas de até 20 polegadas. As quais, em conjunto com as protecções inferiores em redor da carroçaria, as embaladeiras contrastantes e uma linha de cintura elevada, contribuem para acentuar, neste Austral, a postura de verdadeiro SUV.

O novo Renault Austral vem substituir o já conhecido Kadjar, embora com maiores ambições
O novo Renault Austral vem substituir o já conhecido Kadjar, embora com maiores ambições

Passando ao habitáculo, um design que a Renault destaca como “reinventado”, acompanhado de revestimentos “sofisticados e sensuais” que procuram combinar com o chamado design ‘sensual-tech’ do exterior. Com a primeira nota de destaque a ir para o posto de condução high-tech, do qual sobressai o grande ecrã OpenR estreado no Megane E-Tech. Também aqui e em conjunto com o sistema de som, a promover a recepção visual e sonora de boas vindas que Austral começa por proporcionar ao condutor.

LEIA TAMBÉM
Esperado na Primavera. Renault desvenda mais aspectos e imagens do Austral

Exibindo um ecrã em ‘L’ invertido, do qual faz parte um painel de instrumentos 100% digital e o ecrã táctil central que é parte do sistema de multimédia, além de acabamentos que procuram alinhar com os dos tablets e smartphones topo de gama (além de um vidro ‘Gorilla-Glass’ aluminossilicato, o brilho do ecrã adapta-se à luz envolvente), ao ecrã OpenR junta-se, depois, um volante de forma ligeiramente quadrada, assim como uma consola central alta e larga, a que a marca do losango deu o nome de “Grande Conforto” – sinónimo não apenas de um aturado acabamento trabalhado, como também da divisão subtil que cria entre condutor e passageiro da frente, construindo uma espécie de casulo individual. E, isto, ao mesmo tempo que todos os botões e interruptores – botão da caixa de velocidades automática, inclusive – foram relegados para a zona do volante e do ecrã OpenR.

O generoso ecrã OpenR é um dos elementos de destaque no interior do Renault Austral agora desvendado
O generoso ecrã OpenR é um dos elementos de destaque no interior do SUV Renault Austral agora desvendado

Num habitáculo onde a Renault promete, igualmente, não faltar “qualidade, praticalidade, e habitabilidade”, destaque, ainda, para iluminação interior em LED a que a Renault deu o nome de ‘Living Lights’, devido à capacidade de se adaptar, entre outros factores, à luz exterior. Fazendo transições suaves de cor (existem 48 cores diferentes) a cada 30 minutos, além de poder ser personalizada a gosto, através do já conhecido sistema de configuração Multi-Sense, acessível através de um botão no volante.

A estreante versão Esprit Alpine

Estreia absoluta, inclusive, na gama Renault, é a nova versão topo de gama Esprit Alpine, a qual procura incutir no Austral um certo ADN desportivo que faz parte da marca de Dieppe. Dotando, desde logo, o novo SUV da Renault, de uma estética exterior mais assertiva, assente não apenas numa nova cor Gris Schiste Satin especialmente desenvolvida para esta versão e acompanhada de acabamentos em Diamond Black, Deep Gloss Black e Satin Black, como também de jantes de 20 polegadas ‘Daytona’ com a marca Alpine, grelha frontal horizontal e lâmina aerodinâmica em cinzento acetinado, além de logótipos e nome do modelo na cor Ice Black escovado.

O novo Austral anuncia um posto de condução high-tech... e as imagens comprovam-no
O novo Austral anuncia um posto de condução high-tech… e as imagens comprovam-no

Passando ao interior, estofos em Alcantara com tecido de sarja tipo fibra de carbono e costura dupla em Azul Alpine, logótipo Alpine bordado nos encostos de cabeça e uma discreta bandeira azul-branca-vermelha nas costuras laterais, além da mesma Alcantara, com costuras azuis, nos painéis interiores das portas e tablier.

A terminar a decoração, volante em pele Nappa com costuras tricolores, cintos de segurança com elementos azuis, pedais de alumínio e inscrições ‘Alpine’ na soleira das portas.

Entre o equipamento, a garantia de soluções como o volante aquecido, bancos dianteiros reguláveis eletricamente e função de massagem lombar para o condutor. Sem esquecer as tecnologias de apoio à condução como o Active Driver Assist, um sistema regulador de velocidade inteligente, proactivo e adaptativo.

Com acabamentos de elevada qualidade, o Austral promete, igualmente, uma habitabilidade capaz de albergar até cinco ocupantes
Com acabamentos de elevada qualidade, o Austral promete, igualmente, uma habitabilidade capaz de albergar até cinco ocupantes

Com motorizações eletrificadas

Já no domínio técnico, o anúncio de que o Austral estará disponível em duas versões de chassis: com eixo de torsão flexível no caso das versões com apenas duas rodas direccionais e eixo multibraços com 4Control Advanced na versão de quatro rodas direccionais. Com as diferenças a verem-se, desde logo, na relação de direcção, que cai dos 14,7:1 das versões de duas rodas direccionais, para menos de 13:1 nos modelos com 4Control Advanced, assim como no raio de viragem, que desce dos 11,5 metros no primeiro caso, para 10,1 m no segundo; basicamente, uma capacidade de inversão de marcha comparável à de um citadino.

Depois e a juntar uma elevada rigidez de torsão da carroçaria, assim como a um peso que na versão de base com motor Mild Hybrid 12V não chega aos 1.400 kg, um conjunto de motores dos quais fazem parte a última geração de bloco E-Tech Hybrid, um novíssimo Mild Hybrid Advanced de 130 cv e 48V, e um Mild Hybrid de 140 cv e 160 cv, com sistema de 12V.

Combinando um motor de combustão (tricilíndrico 1.2 Turbo), dois motores elétricos (um motor de tração “e-motor” de 50 kW e 205 Nm e um gerador/motor de arranque de alta tensão HSG utilizado para ligar o motor de combustão, trocar de velocidades e carregar a bateria), uma bateria central de 1,7 kWh/400V, e uma caixa de velocidades inteligente multimodo de dentes direitos e 7 velocidades, o estreante motor E-Tech híbrido, com potências de 160 e 200 cv, anuncia, para já, uma aceleração 80-120 km/h em 5,9 segundos (200 cv), ou 6,8s no caso da versão de 160 cv. Enquanto, nos consumos e emissões, a promessa passa por médias a partir de 4,6 l/100 km, com 105 g/km de CO2.

O novo SUV da Renault, o Austral, será disponibilizado com duas versões de chassis e quatro motorizações... eletrificadas
O novo SUV da Renault, o Austral, será disponibilizado com duas versões de chassis e quatro motorizações… eletrificadas

Quanto ao novíssimo Mild Hybrid Advanced de 130 cv, que a Renault destaca como a melhor alternativa aos Diesel, recorre ao mesmo 1.2 Turbo a gasolina, para, em conjunto com uma bateria de iões de lítio de 48V e motor de arranque/gerador, anunciar o melhor nível de eficiência de combustível e emissões de CO2 do segmento, ou seja, a partir de 5,3 l/100 km e 123 g/km. Estando, inclusivamente, pronto para responder às alterações que o regulamento Euro 7 promete trazer.

Finalmente e como última opção, o já conhecido quatro cilindros 1.3 Turbo a gasolina com tecnologia Mild Hybrid desenvolvido em conjunto com a Daimler e já disponível em vários modelos Renault, que, neste Austral e graças também ao acréscimo de um motor de arranque/gerador e uma bateria de iões de lítio de 12V, surge com duas potências distintas – 140 e 160 cv. Variando, igualmente, no tipo de transmissão: automática X-Tronic para a versão mais potente, caixa manual para o bloco com 140 cv.

Oferecendo um binário máximo de 270 Nm, logo a partir das 1.600 rpm, a promessa, ainda, de médias nos consumos de 6,2 l/100 km e nas emissões de CO2 de 136 g/km, já para a versão mais potente de 160 cv. Tudo isto, sublinhe-se, valores ainda à espera de homologação final.

Ainda sem preços

Apesar de oficialmente apresentado, a Renault optou por não divulgar, ainda, quer a data de chegada ao mercado deste Austral, como também os preços. Embora e neste caso, a estrutura de preços do atual Kadjar possa funcionar como uma espécie de referência… para valores que serão sempre mais elevados, naturalmente.