Mobieco

Publicidade

Sabe porque é que os EV são mais caros que os carros com motores de combustão?

Texto: Redação
Data: 4 de Janeiro, 2023

Embora tecnicamente mais simples, os veículos elétricos (EV) continuam sendo mais caros de produzir e para o consumidor, que os carros com motor de combustão. No entanto, será que o leitor consegue perceber porquê? O Financial Times decidiu fazer as contas e ajuda a explicar as razões, euro a euro.

Embora a pedido do diário económico Financial Times,  estudo foi, na verdade, levado a cabo por uma empresa externa, a consultora Oliver Wyman. A qual, graças à forma detalhada como aprofundou o tema, praticamente não deixa dúvidas sobre os custos de fabrico de um Veículo Elétrico (EV), face ao investimento que exige a produção de um automóvel com motor de combustão.

Segundo a consultora, produzir um veículo com motor de combustão implica, além da mão de obra utilizada na montagem, um investimento no chassis, arquitecturas elétrica e electrónica, carroçaria, interior, cadeia cinemática, transmissão, motor e respectivos componentes acessórios, como, por exemplo, a bomba de óleo.

LEIA TAMBÉM
Veículos Elétricos. Chinesa CATL está a desenvolver baterias sem níquel ou cobalto

Já no que se refere aos veículos elétricos, os componentes são basicamente os mesmos, até à transmissão. Isto, porque, considera o estudo, o motor ou motores elétricos não têm o mesmo peso nos custos, de um motor de combustão, sendo que, os elétricos, também não possuem muitos dos componentes que funcionam em conjunto com o motor térmico. Ao invés disso, têm, sim, baterias.

Falando de valores…

Passando aos valores, a consultora toma como exemplo um automóvel compacto do segmento C, com motor de combustão. O qual, segundo as contas feitas pela Oliver Wyman, deverá custar cerca de 13 900€ a ser produzido.

Deste valor, 1 600 euros é empregue na montagem, 1 200 euros são aplicados no chassis, 1 700 euros na carroçaria exterior, 1 800 euros nas arquitecturas elétrica e electrónica, 2 700 euros no interior do veículo, 2.000 euros na cadeia cinemática e transmissão, e 3 000 euros no motor e componentes auxiliares.

O custo de fabricar carros com motor de combustão continua a ser mais baixo que produzir um EV

Somando todos estes números, chegamos aos 14.000 euros. O que, diga-se, deixa a ideia de que a Oliver Wyman terá decidido arredondar números face ao valor inicial estimado. Embora o mesmo tenha acontecido com os montantes relativos aos EV, como fica demonstrado já a seguir…

Precisamente no caso destes últimos, a consultora afirma ter apurado um valor mais baixo para a montagem (1 500 euros) e cadeia cinemática/transmissão (700 euros). Igualando, depois, no que se refere ao interior (2 700 euros), para, em seguida, apurar valores mais altos relativamente ao chassis (1 300 euros), carroçaria (2 100 euros) e arquitecturas elétrica e electrónica (2 000 euros).

Já no que se refere ao motor elétrico, um custo de 2 000 euros, ao passo que as baterias, orçam em 8 000 euros. Sendo também as principais responsáveis pelo custo final de produção de 20 200 euros. Ou seja, cerca de 45% mais caro, do que custa fabricar um automóvel com motor de combustão.

LEIA TAMBÉM
VW ID.3 apresenta-se aos portugueses no Encontro Nacional de Veículos Elétricos

Conhecendo estes números, consegue perceber-se a razão por que fabricantes como a Tesla, centram os seus esforços na tentativa de encontrar novas formas de fabricar os seus automóveis. Seja através da tentativa de fazer descer os custos com o fabrico da carroçaria, como a marca norte-americana tem vindo a tentar fazer com o Model Y, seja diminuindo os custos com a montagem, através da automação. Seja, ainda, reduzindo a compra, a outras empresas, das estruturas elétrica e electrónica.

Diferença esbater-se-á… mas não o suficiente

Finalmente e embora seja opinião geral de que a descida do custo das baterias será o factor principal para tornar os EV’s mais competitivos, a Oliver Wyman contrapõe, afirmando que as coisas poderão não ser bem assim.

Pelo contrário, a consultora defende, mesmo, que, em 2030, ano em que o custo do kWh nas baterias já deverá terá descido qualquer coisa como 15% face ao preço atual, os veículos elétricos continuarão a ser cerca de 9% mais caros de produzir.

As baterias são, efectivamente, um dos componentes que mais encarecem os custos de produção de um EV, face a carros semelhantes, com motor de combustão. Mas não só…

Aliás e ainda de acordo com a empresa, até mesmo os automóveis com motores térmicos serão, por essa altura, mais caros de produzir, rondando os 14 600 euros. Ou seja, mais cinco por cento do que custam atualmente.

Quanto aos elétricos, deverão ter, em 2030, um custo de produção por carro de 16 000 euros. Valor que representa um aumento de 9,58 por cento, cerca de 1 400 euros, face ao custo de fabrico de um automóvel com motor de combustão.

Olhando apenas para os números, a conclusão de que o agravamento dos custos de produção, nos veículos elétricos, advém, principalmente, do conjunto cadeia cinemática + motor elétrico + pack de baterias, que de acordo com os valores apurados pela consultora atinge os 6 700 euros, ao passo que, nos veículos com motores de combustão, motor e sistemas acessórios não vão além dos 5 200 euros. Ou seja, menos 1.500 euros que para um EV.

LEIA TAMBÉM
Veículos elétricos usados. Vale a pena a sua aquisição?

Afinal, a culpa não é (só) das baterias

De resto e caso os números da consultora Oliver Wyman estejam corretos, fica, também, a certeza de que, as justificações que levam a que um Veículo Elétrico seja mais caro de produzir, não residem apenas e só, e ao contrário do que parece ser a opinião geral, nos custos relativos às baterias.

Pelo contrário, também têm muito a ver com os componentes mais tradicionais e que fazem parte de qualquer automóvel. Cujo encargo, pelos vistos, também tem ainda muito para descer, de forma a tornar o VE competitivo, face ao veículo com motor de combustão….