Geely Volvo Logos header

Volvo e Geely ponderam fusão. Mas mantendo as respetivas identidades

Texto: Redação
Data: 11 Fevereiro, 2020

Depois da compra da marca sueca, pelo gigante chinês, Volvo e Geely preparam agora uma nova fase na sua união. Mais concretamente, a fusão numa única empresa… com identidades distintas. Confuso? Nós, também!

Segundo anunciou, em comunicado o Chairman da Geely Holding Group, Li Shufu, o objetivo deste passo é a constituição de uma só empresa, que seja capaz de ser mais competitiva no mercado global. Nomeadamente, através do aceleramento das “sinergias financeiras e técnicas” entre Volvo Cars e Geely Automobiles Holdings.

Com a fusão, as duas empresas prevêem ainda duplicar capacidade de “produção, conhecimentos e recursos”, o que contribuirá para que “a futura empresa venha a tornar-se líder nos esforços de transformação da indústria automóvel”.

Juntas, mas com entidades distintas

No entanto, Volvo e Geely salientam, igualmente, a importância de “preservar a identidade distinta”, não apenas das respectiva marcas, mas também de outras etiquetas, como a Lynk&Co, que tal como a Lotus, a Proton e a LEVO, faz parte do catálogo do gigante chinês, ou ainda da Polestar, detida em partes iguais pela marca sueca e pela Geely.

Hakan Samuelsson, CEO da Volvo, foi o homem escolhido para desenhar o acordo de fusão entre a Geely, que já proprietária da marca sueca, e a Volvo
Hakan Samuelsson, CEO da Volvo, foi o homem escolhido para desenhar o acordo de fusão entre a Geely, que já proprietária da marca sueca, e a Volvo

Para já ainda na fase de arranque, Volvo e Geely anunciaram igualmente ter constituído um grupo de trabalho, liderado pelo CEO da marca sueca, Hakan Samuelsson, o qual ficará encarregue de conceber a apresentar uma proposta de fusão, às administrações de ambas as companhias. Obrigatoriamente, até ao final do presente ano.

O passo natural?

Embora esta decisão possa surpreender, a realidade é que as duas companhias já vivem, hoje em dia, numa espécie de semi-fusão, partilhando, desde logo, muita tecnologia – a começar pelas plataformas CMA e SPA.

LEIA TAMBÉM
Dono da chinesa Geely torna-se maior acionista da Daimler

Entretanto, em marcha está ainda a fusão dos departamentos de motores, e que, segundo afirmou já um porta-voz, permitirá desviar fundos para “investimento no desenvolvimento de áreas como a eletrificação, a conectividade e  a condução autónoma”.

Com a concretização da fusão, Volvo e Geely beneficiarão igualmente de uma maior capacidade de desenvolvimento técnico e de produção instalada, mercê da subordinação das fábricas de ambas as marcas, sob uma mesma entidade.

Ao mesmo tempo, não só a Volvo poderá ganhar um mais fácil acesso ao mercado chinês, como a Geely consegue uma porta de entrada mais fácil, para as suas marcas, na Europa.