Mobieco

Publicidade

Toyota Proace City Verso BEV L2. Competente MPV elétrico de sete lugares

Texto: Carlos Moura
Data: 23 de Dezembro, 2022

A Toyota está presente no segmento dos MPV elétricos compactos, que constituem uma alternativa face ao desaparecimento dos monovolumes tradicionais com o Proace City Verso EV. Sem grandes requintes ou sofisticação assume-se sobretudo como uma proposta competente e eficiente para quem necessita de uma viatura elétrica versátil, com capacidade para acomodar até sete ocupantes.

Com bastante atraso em relação ao previsto inicialmente, a Toyota ampliou a oferta da gama Proace City com a introdução de versões exclusivamente elétricas. As variantes de passageiros, denominadas Verso, inserem-se no segmento dos MPV compactos, que têm vindo a ganhar protagonismo face ao desaparecimento dos monovolumes tradicionais.

O Proace City Verso BEV dirige-se aos utilizadores que necessitam de uma viatura versátil, modular e com uma elevada habitabilidade, assumindo-se como alternativa face às station-wagons ou SUV de maiores dimensões. Como verdadeiro veículo multi-usos está disponível em dois comprimentos de carroçaria que oferecem uma lotação para cinco ou sete ocupantes. 

À semelhança dos congéneres do grupo Stellantis – Citroën ë-Berlingo Multispace, Peugeot ë-Rifter e Opel Combo-e Life – o Toyota Proace City Verso vem equipado com uma linha motriz que inclui um motor elétrico de 100 kW (136 cv), alimentado por uma bateria de iões de lítio com 50 kWh, a qual assegura uma autonomia de até 280 quilómetros entre carregamentos. 

Versão longa de sete lugares

A versão de chassis longo, que corresponde à unidade ensaiada, apresenta um comprimento exterior de 4,75 metros e uma ampla distância entre-eixos de 2,98 metros que permite acomodar os ocupantes em três filas de bancos individuais, numa configuração 2+3+2.

O acesso aos lugares traseiros é assegurado por duas portas laterais deslizantes, mas de comando manual. O compartimento dos passageiros é amplo e espaçoso, quer em altura, quer em largura. 

Os dois assentos da terceira fila estão assentes em calhas e possibilitam uma regulação longitudinal, até 13 centímetros, permitindo privilegiar a habitabilidade ou a capacidade da bagageira, em função das necessidades. A acessibilidade a estes lugares não será a mais fácil, obrigando a alguma ginástica e a rebater os bancos exteriores da segunda fila.

O acesso à bagageira é efetuado através de um grande e pesado portão basculante, com abertura manual, mas também está disponível um engenhoso e útil sistema de abertura no óculo traseiro, que permite colocar ou retirar objetos de pequena dimensão em espaços mais apertados sem necessidade de abrir o portão. 

Com todos os bancos em posição normal, a capacidade da bagageira é de 322 litros, podendo ser ampliada até aos 850 litros na configuração de cinco lugares, isto é, rebatendo ou removendo os assentos da última fila, ou mesmo aos 1050 litros com o rebatimento dos bancos da segunda e terceira filas.

Amplo espaço a bordo

Passando ao habitáculo, este não esconde a origem do Proace City Verso de veículo comercial. O painel de bordo é dominado por plásticos escuros e rijos, já que se privilegiou a robustez e a durabilidade.Trabalhado na horizontal é indiscutivelmente funcional, garantindo o acesso direto aos comandos do travão de estacionamento elétrico e do ar condicionado, que são físicos

A parte superior da consola central integra um ecrã tátil de oito polegadas que permite aceder ao sistema audio, às definições do veículo e à ligação por Bluetooth ao smartphone, existindo ainda compatibilidade com Android Auto e Apple CarPlay. A ligação também pode ser feita através de uma entrada USB no ecrã tátil, mas só existe uma. O sistema de navegação não é de série, pelo que o utilizador terá de utilizar o seu dispositivo móvel.  

Espaços para arrumações incluem porta-copos, uma prateleira superior por cima do pára-brisas, bolsas nas portas e um compartimento no meio da consola central.

Na parte inferior da consola central podem ser encontrados os comandos do travão de estacionamento elétrico, assim como programas de condução e dos dois modos de travagem regenerativa: D, que proporciona um comportamento semelhante a um veículo com motor térmico; B (Brake) assegura um elevado nível de regeneração sempre que se levanta o pé do acelerador. 

Além disso, o condutor também pode selecionar três modos de condução – Normal, Eco e Power – que são ativados através do seletor associado ao comando específico ë-Toggle.

Linha motriz conhecida

À semelhança dos modelos da Stellantis com os quais partilha a plataforma, o Toyota Proace City Verso vem equipado com uma linha motriz constituída por um motor elétrico de 100 kW (136 cv), uma caixa de velocidades com uma relação e uma bateria com uma capacidade de 50 kWh.

O motor elétrico faz acionar as rodas dianteiras em função do modo de condução ativado na consola central. O modo Normal foi concebido para garantir o melhor compromisso entre economia e prestações dinâmicas, disponibilizando uma potência de 80 kW e um binário de 210 Nm. 

O modo Eco privilegia a otimização da autonomia, limitando a 60 kW e o binário a 180 Nm, diminuindo o desempenho do aquecimento e do ar condicionado. Por seu lado, o modo Sport dá acesso a todas as aptidões do sistema de tração elétrico, designadamente a potência máxima de 100 kW e o binário de 260 Nm.

LEIA TAMBÉM
Para 2022. Kia revoluciona Niro com a mesma oferta de motores

A bateria de iões de lítio de 50 kWh oferece uma autonomia, em ciclo WLTP, de até 280 quilómetros. Para recuperar a capacidade, estão disponíveis três opções diferentes: tomada doméstica de 220V, demorando a operação até 15 horas; wallbox de 3,7 kW a 22 kW, sendo necessárias 7h30m; wallbox de 7,4 kW com ligação monofásica ou cinco horas numa wallbox de 11 kW com ligação trifásica; a terceira opção consiste num posto público até 100 kW, sendo possível recuperar até 80% da capacidade em 30 minutos. 

A tomada de carregamento está localizada no painel traseiro, no lado do condutor, localização essa que obriga a fazer manobras para carregamento em postos rápidos. 

Ao volante 

Graças às possibilidades de regulação do banco e do volante, ajustável em altura e profundidade, o utilizador não tem dificuldades em encontrar a melhor posição de condução, a qual é relativamente elevada, assegurando uma boa visibilidade da estrada e das condições de circulação.

Para iniciar a marcha é necessário ligar a chave no canhão tradicional da ignição, esperar que informação “Ready” no painel de instrumentos analógico e libertar o travão de estacionamento elétrico. 

Em termos dinâmicos, o Toyota Proace City EV oferece o comportamento típico dos veículos elétricos, com arranques suaves e uma aceleração convincente. No papel, o valor da aceleração dos 0 aos 100 km/h de 11,2 segundos é modesto devido a um peso em vazio superior a 1,9 toneladas, mas na prática não parece, designadamente nos arranques, graças à disponibilidade instantânea dos 300 Nm de binário. 

A suspensão absorve com alguma eficácia as irregularidades do piso, enquanto a colocação da bateria entre os eixos permite baixar o centro de gravidade e garantir um comportamento mais previsível na abordagem das curvas. 

A bateria proporciona uma autonomia próxima dos 280 quilómetros anunciados, o que também se deve à relativa eficiência do sistema de regeneração de energia. Mesmo que o valor não recupere por aí além mesmo nas descidas mais pronunciadas, o sistema consegue otimizar o consumo de energia. 

Durante o ensaio, o computador de bordo registou uma média de 16,9 kWh/100 km, valor abaixo dos 17,5 kWh/100 km anunciados pela marca. Isto significa um custo de 6,42 euros em carregamento na rede pública a um preço médio do kWh de 0,38 € (segundo dados da UVE – Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos) ou de 3,38 euros em carregamento doméstico a um preço médio de 0,20€.

Por comparação, a versão diesel Proace City Verso L2 de sete lugares ensaiada anteriormente registou um consumo médio de 6,2 l/100 km, o que, para um preço médio do litro de gasóleo de 1,71 euros se traduz num custo de 10,60 euros.

Veredito

O Proace City Verso BEV é proposto no mercado nacional no nível de equipamento Exclusive, com um preço a partir de 45.600 euros. A dotação de série não será a mais completa, mas inclui jantes de liga leve de 16”, ecrã multimedia de 8” e integração de smartphone, cruise-control, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, sensor de luminosidade, travão de estacionamento elétrico, espelhos retrovisores elétricos e aquecidos, sistema de pré-colisão e reconhecimento de sinais de trânsito.

As famílias que necessitam de um veículo compacto elétrico de passageiros com um maior número de lugares e uma elevada versatilidade têm neste modelo uma proposta que se adequa às suas necessidades. O preço é relativamente elevado, mas está alinhado pelos principais concorrentes. A autonomia de 280 quilómetros é suficiente para a maioria das deslocações pendulares e se for necessário fazer uma viagem maior há sempre a possibilidade de um carregamento rápido e esperar que o posto esteja…livre.   

Toyota Proace City Verso BEV L2 50 kWh Exclusive

Preço 45.600 euros

Motor Elétrico
Bateria/Capacidade Iões de lítio 50 kWh
Potência 100 kW (136 cv)
Binário 300 Nm
Transmissão Auto, 1 vel.
Peso   1925 kg
Comp./Larg./Alt. 4,75/1,85/1,88 m
Dist. entre eixos 2,98 m
Mala 322 l – 1050 l
Desempenho 11,2 s 0-100 km/h; 135 km/h Vel. Max.
Consumo 17,5 (16,9*) kW/H
Autonomia 280 km
Emissões CO2 0 g/km
Tempo de carga 32 min (80% – 100 kW DC) a 30h30 (2,3 kW AC)

* Medições TURBO

GOSTÁMOS

– Consumo energia
– Óculo traseiro
– Acessibilidade

NÃO GOSTÁMOS

– Preço
– Localização tomada carregamento
– Equipamento