Publicidade

Peugeot E-208 GT 156 cv. Ir mais longe

Texto: Carlos Moura
Data: 30 de Junho, 2024

O Peugeot E-208 recebeu uma nova atualização que compreende uma imagem revista e uma nova linha motriz que permite ir mais longe em condições reais, graças a um motor elétrico mais potente de 156 cv e uma nova bateria de 51 kWh, a qual oferece uma autonomia bastante superior com um consumo de energia bastante reduzido.

A versão elétrica do campeão de vendas de segmento B da Peugeot, o popular 208, recebeu uma atualização, que não só abrangeu o capítulo estético, mas também a linha motriz, com um aumento de potência e autonomia.

Mantendo as mesmas dimensões compactas do seu antecessor, com um comprimento de 4,06 metros, largura de 1,75 metros e altura de 1,43 metros, o novo Peugeot E-208 é facilmente identificável exteriormente pela adoção da assinatura visual das três garras luminosas, ao que se junta um pára-choques redesenhado, uma grelha atualizada com o novo logotipo da marca. 

A versão mais equipada GT apresenta retrovisores exteriores e rebordos das cavas em preto brilhante, assim como jantes de 17” com corte diamantado em dois tons e inserções.

Na traseira, a insígnia “Peugeot” estende-se em toda a largura da tampa da bagageira. O emblema “E” em dois tons de azul e branco é um elemento que permite distinguir a versão elétrica do 208 face às congéneres de combustão. A portinhola da tomada de carregamento tem a mesma localização do depósito de combustível, isto é, atrás do vidro traseiro no lado do condutor. 

Interior

Sem diferenças significativas para as versões com motor térmico, o posto de condução do Peugeot E-208 é dominado pelo novo painel de instrumentos digital de 10”, que conta com um novo design e ecrã 3D, de série, no nível de equipamento GT. O condutor pode personalizar a cor do ecrã, a disposição e a apresentação das informações. O acesso aos diferentes menús, ao sistema multimedia (áudio, telefone), ao controlo do volume e voz é efetuado através de comandos no volante multifunções. 

Ao centro do painel de bordo encontra-se um ecrã de 10”, que passou a ser de série nos três níveis de equipamento do Peugeot E-208. Este interface assegura o acesso ao sistema de informação e comunicação Peugeot i-Connect Advanced, que é fácil de personalizar, com widgets ou atalhos como nos smartphones.

Por baixo do ecrã tátil podem ser encontradas teclas do tipo piano que têm a missão de assegurar um mais rápido acesso às principais funções, designadamente a climatização, abertura de portas, intermitentes.

Caraterística específica da Peugeot é a filosofia i-Cockpit, com o seu volante compacto e achatado, que muitos adoram pela agilidade e precisão, enquanto outros detestam por ser pouco prático nas manobras. O volante integra o novo emblema da Peugeot no seu centro e nas versões GT está presente o respetivo novo logotipo na parte inferior do aro. 

Habitabilidade

Como o Peugeot E-208 utiliza a arquitetura multienergias da Stellantis não se livra de um túnel central de dimensões consideráveis para o pouco espaço disponível para as pernas dos passageiros dos lugares traseiros. Isso significa que, apesar de anunciar cinco lugares, dificilmente se se conseguem sentar atrás mais de duas pessoas com conforto.

Os materiais utilizados no painel de bordo são de qualidade variável, desde os mais macios na parte superior até aos mais rijos nas portas. Em toda a largura do painel de bordo existe um friso a imitar carbono e junto ao seletor dos modos de condução e às teclas de acesso rápido, o revestimento é em plástico brilhante.

Compartimentos para arrumações não faltam a bordo, incluindo as bolsas nas portas, vários recetáculos e um género de prateleira na parte inferior da consola central. Por cima encontra-se um compartimento escondido que se abre com um toque e permite carregar um smartphone por indução.

A capacidade da bagageira também está longe de ser brilhante não só porque oferece uma capacidade de apenas 265 litros, mas também porque é funda. Por outro lado, o rebatimento dos assentos traseiros permite ampliar o volume útil para os 1160 litros.

Mecânica

A principal novidade do novo Peugeot E-208 consistiu na introdução nova motorização elétrica de 115 kW (156 cv) que se encontra associada a uma nova bateria com apenas mais 1 kWh (51 kWh), mas maior densidade energética. 

A marca anuncia uma autonomia combinada, bastante otimista, de 410 quilómetros em ciclo WLTP e de 566 quilómetros em ciclo urbano. A velocidade máxima está limitada a 150 km/h, a aceleração dos 0 aos 100 km/h é de 8,2 segundos e o consumo combinado é de 14,0 kWh/100 km.

De série, o E-208 está dotado com um carregador de bordo de 7,4 kW, que permite recuperar a carga total da bateria em 4h40m. Além disso também oferece a possibilidade de carga rápida até 100 kW, necessitando de menos de 30 minutos para repor de 20% a 80% da carga. Existe uma terceira possibilidade que é o carregamento a partir de uma tomada reforçada de 3,2 kW, mas, aí, já tem de se esperar 10h30m por uma carga completa.

Em função das condições de utilização, o Peugeot E-208 oferece com três modos de condução disponíveis – Normal, Eco e Sport – que podem ser selecionados por um comando localizado entre os bancos dianteiros. 

A primeira opção foi concebida para maximizar o conforto e será a mais adequada para o dia-a-dia. O modo Eco privilegia a otimização da autonomia, enquanto o Sport dá acesso a todo o potencial do sistema de tração elétrico e conta com uma afinação que vai permitir aumentar as sensações de dinamismo ao volante. Por outro lado, obriga a ligar mais vezes o cabo ao ponto de carregamento elétrico.

A partir do seletor de condução também é possível aceder a dois modos de regeneração energia da desaceleração e da travagem. O modo D (Drive) garante uma recuperação semelhante à de um veículo com motorização térmica, enquanto o modo B (Brake) assegura um maior nível de regeneração sempre que se levanta o pé do acelerador e revelou alguma eficiência, sobretudo nas descidas mais pronunciadas, permitindo ganhar alguns quilómetros de autonomia. Nem todos os seus concorrentes podem gabar-se do mesmo! 

Ao volante

Em termos dinâmicos, o Peugeot E-208 demonstrou uma elevada agilidade em estradas sinuosas, beneficiando do peso da bateria para baixar o centro de gravidade, mas, por outro lado, começa a ressentir-se rapidamente do peso da mesma. O arranque é vigoroso, como em todos os elétricos, mas depois a aceleração dos 0 aos 100 km/h não vai além dos 8,2 segundos, ficando aquém dos valores anunciados por alguns concorrentes.

Não obstante, o Peugeot E-208 oferece um comportamento bastante previsível, contando com uma direção bastante precisa, proporcionando uma agilidade bastante elevada, mesmo nas curvas mais apertadas. Em situações limite, a frente apresenta tendência para alargar a trajetória. A velocidade máxima está limitada a 150 km/h.

LEIA TAMBÉM
Mais potência e autonomia. Peugeot e-208 anuncia evolução tecnológica para 2023

A suspensão também se revelou eficiente em bons pisos, mas em ambiente urbano apresenta alguma sensibilidade em superfícies mais degradadas devido aos amortecedores duros e secos.

Para apoiar a condução, o Peugeot E-208 conta com vários sistemas de assistência, como reconhecimento de sinais de trânsito, manutenção na faixa de rodagem com corretor de trajetória bastante intrusivo, cruise control, travagem automática de emergência, entre outros.

Veredito

Proposto a partir de 40 360 euros no nível de equipamento mais completo GT, o Peugeot E-208 oferece uma dotação de série bastante completa, não faltando o ar condicionado automático, painel de instrumentos digital 3D, consola elevada com apoio de braço e travão de estacionamento elétrico, carregador embarcado de 7,4 kW, câmara traseira 360º, acesso e ligação mãos-livres, carregador de smartphone por indução (15 W).

A versão elétrica do campeão de vendas de segmento B da Peugeot mantém-se fiel às suas origens e procura manter-se na dianteira da mobilidade urbana com emissões zero. Para quem conduz maioritariamente em cidade e não dá muito uso aos bancos traseiros consiste bastante interessante, já que oferece uma autonomia mais do que suficiente para a maioria das utilizações e com baixos custos de utilização.

Se for necessário fazer uma ou outra viagem, a autonomia permite deslocações maiores, poucos carregamentos intermédios. Caso seja necessário será possível utilizar um posto rápido de 100 kW e seguir viagem daí a meia hora com até 80% da bateria carregada. Em muitos casos, também não deverá ser necessário mais. 

Peugeot E-208 GT 115 kW (156 cv)

Preço 40 360 €

Motor Elétrico (1)
Potência 115 kW (156 CV)
Binário 280 NM
Transmissão Auto, 1 vel
Tração Dianteira
Comp./Larg./Alt. 4,06/1,/1,75/1,43 M
Dist. entre eixos 2,54 M
Peso 1558 kg
Bagageira 265 – 1160 l
Acel 0-100 km/h 8,2 s
Vel Max 150 km/h
Consumo WLTP 14,0 (1751*)kWl/100 km
Emissões 0 g/km
Capacidade bateria 51 kWh
Autonomia elétrica 410 km (316 km*)
Tempo de carga 6h00m (11 KW) 30 mintos até 80%
IUC 0,00€

* Medições Turbo

GOSTÁMOS

– Preço
– Familiaridade
– Manobrabilidade

NÃO GOSTÁMOS

– Habitabilidade traseira
– Bagageira
– Suspensão cidade