Publicidade

Ford Bronco Outer Banks V6 2.7 EcoBoost. A tradição ainda é o que era

Texto: Carlos Moura / Fotografia: Gonçalo Martins
Data: 13 de Julho, 2024

O Ford Bronco original tinha a alcunha de G.O.A.T., isto é, “Goes Over Any Type of Terrain” e a nova geração deste SUV norte-americano vem provar que a tradição ainda o que era, quase não existindo obstáculos intransponíveis em fora de estrada. Em alcatrão também não deixa ninguém envergonhado, embora esse não seja o seu habitat natural.

O Ford Bronco atual é mais um exemplo de reinvenção de um todo-o-terreno icónico, à semelhança do que a Land Rover fez com o Defender. Nascido originalmente em 1966 tornou-se numa das referências das viaturas de fora de estrada para os norte-americanos, graças às suas aptidões dinâmicas que lhe permitiam chegar a praticamente todo o lado, daí a alcunha G.O.A.T. ((Goes Over Any Type of Terrain). 

Após uma carreira comercial de 31 anos, a Ford deixou de produzir este modelo em 1996, mas deixou muitas saudades junto dos seu entusiastas e de tal forma no início desta década a marca norte-americana decidiu voltar a lançar uma nova geração do Bronco, a qual procurava combinar a robustez de uma pick-up da Série F com o espírito de um Mustang. 

A nova geração do Ford Bronco começou a ser produzida no início de 2021, com o objetivo declarado de concorrer diretamente com o Jeep Wrangler. A comercialização arrancou nos Estados Unidos, e após algumas incertezas devido às emissões, estendeu-se igualmente à Europa, embora, neste último caso, apenas na carroçaria de cinco portas e níveis de equipamento Outer Banks, correspondente à unidade ensaiada, e Badlands.

Presença imponente

No que se refere à imagem exterior, a discrição não será propriamente um dos termos mais exatos para caraterizar o Ford Bronco, já que a sua presença imponente e musculada não deixa ninguém indiferente à sua passagem. 

Difícil de passar despercebida é a sua secção frontal, dominada a toda a largura pela grelha típica deste modelo, assim como os faróis redondos, agora já com tecnologia LED, e o logótipo, conferindo um visual único. 

Num segmento em que muitos SUV ultrapassaram a barreira dos cinco metros, o Bronco é quase um veículo de dimensões médias, atendendo ao comprimento exterior de 4,8 metros, largura de 1,9 metros e altura de 1,85 metros.

Os painéis da carroçaria de linhas quadradas foram projetados para facilitar a visibilidade exterior das extremidades e o posicionamento em situações de fora de estrada mais exigentes. 

O Bronco é um descapotável em potência. Os quatro painéis do tejadilho são moldados em fibra e estão presos por alavancas fáceis de manusear. As portas também podem ser removidas, operação essa que, segundo a Ford, não demora mais do que oito minutos, com recurso a uma única ferramenta. Esta possibilidade é apenas legal em fora de estrada. Por este motivo, os comandos dos vidros estão localizados na consola entre os bancos dianteiros, solução que obriga a alguma habituação.

Interior robusto

O caráter de “puro e duro” do Bronco estende-se ao seu habitáculo, embora a qualidade dos materiais esteja claramente abaixo do que é possível encontrar nos seus concorrentes do outro lado do Atlântico e dos 119 mil euros pedidos por este modelo.

A posição de condução é elevada, como é habitual nos todo-o-terreno, garantindo uma excelente visibilidade ao ambiente envolvente. Para apoiar as manobras de estacionamento, o condutor conta com uma câmara traseira e em fora de estrada uma dianteira, ativada por um botão na consola central ou pelo de tração integral (4H). Ambas com visão 360º.

Encontrar a melhor posição atrás do volante também não é difícil de encontrar graças às possibilidades de regulação elétrica do assento em dez posições, sendo de oito no lugar do passageiro.

O design do painel de bordo inspira-se no da primeira geração do Bronco, não tendo sido esquecidas pegas integradas quer nos lados quer na consola central para proporcionar conforto ao passageiro em todas as situações. A consola central conta com uma base de carregamento sem fios para manter o telemóvel no lugar mesmo em ângulos extremos de inclinação. As superfícies do painel de bordo são laváveis e os interruptores físicos no habitáculo estão selados com silicone.

A contemporaneidade é proporcionada por um painel de instrumentos de 8”, parcialmente em TFT, emparelhado com um ecrã vertical tátil de 12” na consola central, com acesso ao sistema de informação e comunicação SYNC 4 da Ford, com controlo de voz, Apple CarPlay, Android Auto e Navegação Conectada. O botão de ignição está localizado junto ao volante. O travão de estacionamento é elétrico, mas está mais escondido junto aos comandos das luzes.

Os comandos do sistema de som B&O com dez colunas e subwoofer e do ar condicionado duplo são físicos e estão localizados na parte inferior da consola central.

Puro e duro

Em termos de princípio de construção, o Bronco é um todo-o-terreno à moda antiga, com chassis de travessas e longarinas, suspensão dianteira independente e eixo traseiro rígido.  

As aptidões em fora de estrada são garantidas por uma altura ao solo de 23,7 centímetros e pelos ângulos específicos de ataque (38,1º), saída (21,9º), saída (31,4º), enquanto capacidade de passagem a vau é de 80 centímetros.

A passagem de tração traseira para integral e desta para redutoras é efetuada através de botões no comando giratório G.O.A.T. localizado entre os bancos dianteiros, o qual também permite selecionar os modos de condução. Aos tradicionais Normal, Eco e Sport juntam-se os modos Areia e Escorregadio.

Um botão no centro ativa a função Trail Control e Trail One Pedal Drive. A primeira permite definir uma velocidade entre 2 km/h e 31 km/h. Se não selecionada qualquer velocidade entra em funcionamento o modo de condução com um pedal que imobiliza o veículo sempre que se levanta o pé do acelerador.

Habitat natural

Por baixo do capot encontra-se um motor V6 a gasolina com 2694 cc que desenvolve uma potência de 334 cv às 5200 rpm e um binário de 563 Nm às 3100 rpm, estando acoplado a uma caixa automática de dez velocidades. 

O motor é rápido a responder às solicitações do acelerador e não obstante um peso em vazio de quase 2,3 toneladas consegue acelerar dos 0 aos 100 km/h em 6,7 segundos e alcançar uma velocidade máxima de 161 km/h. A caixa automática é suficientemente suave, mas em estrada pode parecer que são relações de transmissão a mais, estando constantemente a engrenar velocidades e a reduzir.

Para apoiar a condução, a dotação de série inclui vários sistemas de assistência como o alerta de ângulo morto, controlo automático de velocidade adaptativo, assistência de emergência, travagem pós-colisão, entre outros.

Contudo, o habitat natural do Bronco é mesmo o fora de estrada havendo poucos obstáculos que impeçam a sua passagem, contando com um sistema tração integral inteligente. O bloqueio do diferencial traseiro também é de série. A suspensão dianteira possui triângulos independentes com molas de longo curso para reduzir o peso não suspenso e oferece uma qualidade de condução superior com contacto consistente das rodas com o piso.  

LEIA TAMBÉM
Ford Bronco. A lenda está de regresso

Será de referir que o condutor não se apercebe quando a circulação é feita “à vela” porque a operação de ligar e desligar os cilindros é efetuada de forma imperceptível e só dará conta quando surge uma indicação no painel de instrumentos. Ao mesmo tempo que aproveita a energia gerada na travagem, para recarregar a bateria de iões de lítio de 48V onde guarda a energia.

Veredicto

O Ford Bronco é decididamente um dos últimos SUV à moda antiga com chassis de travessas e longarinas, eixo rígido, sistema tração integral que permite vencer quase todos os obstáculos permitidos pela física. 

O equipamento de série é bastante completo e o seu aspeto mete respeito. Por outro lado, a qualidade dos materiais utilizados no habitáculo não estão ao nível dos 119 mil euros pedidos pela unidade ensaiada, Outer Banks – e que já inclui opcionais como a pintura metalizada “Carbonized Grey”, kit barras de tejadilho e tenda traseira. 

Ford Bronco Outer Banks V6 2.7 EcoBoost 335 cv

Preço 116 902 euros (119 364 euros versão ensaiada)

Motor Gasolina V6, 2694 cc
Potência 334 cv às 5250 rpm
Binário 563 Nm às 3100 rpm
Transmissão Auto, 10 vel
Tração Integral
Peso 2289 kg
Comp./Larg./Alt. 4,81/1,93/1,85 m
Dist. entre eixos 2,95 m
Bagageira 471 – 1780 l
Desempenho 6,7 s 0-100 km/h;
Vel. Máx. 214 km/h
Consumo 13,4 (12,8*) l/100 km
Emissões 324 g/km

* Medições Turbo

GOSTÁMOS

– Capacidade TT
– Suspensão
– Funcionalidade

NÃO GOSTÁMOS

– Ruído
– Qualidade materiais
– Comandos vidros