Publicidade

Primeiro na renovação total da gama. Alfa Romeo GTV vai renascer como EV

Texto: Francisco Cruz
Data: 21 de Junho, 2021

Depois do anúncio do homem-forte do Grupo Stellantis, o português Carlos Tavares, de que a Alfa Romeo tem 10 anos para voltar aos seus tempos de glória, eis que surgem notícias de que, este renascimento, está já a ser preparado. Mais precisamente, sob a liderança de um renascido GTV, agora na forma de EV porta-estandarte, a anunciar uma renovação completa de gama, da marca de Arese.

A notícia é avançada pela britânica Autocar, que cita fontes internas da marca italiana, segundo as quais o fabricante de Arese estará a preparar uma grande reformulação da sua gama, como parte dos esforços de renascimento do emblema.

Primeiro passo nesta recuperação, o regresso do GTV, embora, agora, com um posicionamento mais estatutário, como coupé de quatro portas topo de gama, acrescido da novidade extra que contar com propulsão 100% elétrica. E que, acredita a Alfa Romeo, poderá posicionar-se como um rival do BMW i4, embora também esteja previsto com motores de combustão.

Alfa Romeo GTV
Alfa Romeo GTV

De resto e embora, pelo menos para já, não existam quaisquer confirmações oficiais, a revista britânica recorda as palavras do novo CEO da Alfa Romeo e ex-responsável máximo da Peugeot, Jean-Philippe Imparato. Que, ainda em janeiro deste ano, revelava que, “embora não exista qualquer anúncio a fazer, nesta altura, devo confessar que estou muito interessado no futuro GTV”.

LEIA TAMBÉM
Prazo fixado. Alfa Romeo vai ter 10 anos para voltar aos tempos de glória

Recorde-se que a sigla GTV, sinónimo de ‘Gran Turismo Veloce’, tem sido utilizada, ao longo dos anos, em vários modelos da Alfa Romeo. O último dos quais, um coupé de duas portas e configuração 2+2, comercializado entre 1995 e 2005.

O primeiro passo

No entanto, a revitalização da Alfa Romeo não deverá limitar-se ao regresso do GTV, mas trará, igualmente e ainda segundo a Autocar, vários outros modelos. A grande maioria, baseados em plataformas totalmente novas, a desenvolver pelo Grupo Stellantis, e com sistemas de propulsão eletrificados. Tudo, é claro, segundo uma perspectiva de economia de escala e um maior lucro.

Entre os novos modelos a lançar, está, desde logo, o novo SUV compacto Tonale, que, embora entretanto adiado para 2022, chegará ao mercado como um dos poucos modelos – senão menos o único -, a fazerem parte da futura gama da Alfa Romeo, com base numa plataforma da entretanto já extinta FCA: a Small-Wide Platform.

O Alfa Romeo Tonale Concept

Enquanto o momento do lançamento não chega, os engenheiros estarão a trabalhar na melhoria do desempenho do sistema híbrido plug-in, que será disponibilizado no modelo, de  forma a que o Alfa Romeo Tonale possa substituir, com sucesso, o Giuletta. Modelo cuja produção, aliás, já terminou.

A caminho está, igualmente, um outro SUV, ainda mais pequeno que o Tonale e apontado ao segmento B, para já, conhecido, internamente, como Brennero. Crossover que passará a representar a entrada de gama na marca de Arese e será produzido, lado-a-lado com o conhecido Fiat 500X e Jeep Renegade, na fábrica da Stellantis na Polónia, já a partir de 2023.

Este novo modelo será baseado na plataforma CMP da PSA, hoje em dia designada de STLA Small, e que já serve de base a modelos como o Citroën C4, o Peugeot 2008 ou o Opel Mokka. Solução que tem ainda a vantagem de poder adoptar, tanto motores de combustão, como sistemas de propulsão elétricos.

O Peugeot 2008 é um dos modelos que já utiliza a plataforma STLA Small

De resto, o Brennero deverá ser, também, o primeiro modelo 100% elétrico da Alfa Romeo, graças à opção por um motor elétrico que deverá anunciar uma potência a rondar os 136 cv, enviada apenas e só para as rodas da frente, além de apoiado por uma bateria de 45 kWh, a garantir autonomias na ordem dos 322 km.

Em francês nos entendemos?…

No entanto, importa referir que a influência francesa, em termos de plataformas e modelos, não se fica pela STLA Small e pelo Brennero, mas, pelo contrário, abarcará, igualmente, propostas de maiores dimensões, como é o caso dos sucessores da berlina Giulia e do SUV Stelvio. Cuja chegada ao mercado está prevista, respectivamente, para 2023 e 2024.

Atualmente concebidos com base na já muito elogiada arquitectura Giorgio, estes novos modelos passarão a recorrer a outra solução desenvolvida pela PSA – a STLA Large. Plataforma francesa que, ao contrário da Giorgio, foi criada já a pensar na eletrificação e que permitirá, assim, à Alfa Romeo, passar a oferecer, também, versões PHEV e 100% elétricas.

O Maserati Levante é um dos modelos que vai trocar a plataforma Giorgio pela nova STLA Large

Ainda assim, a Autocar também refere que a STLA Large a utilizar pela marca de Arese, será uma solução ligeiramente diferente da utilizada nos restantes modelos com a mesma base. Sendo que, os engenheiros italianos, estarão já a trabalhar no sentido de adaptar vários componentes utilizados na Giorgio, como é o caso da direcção e da suspensão, à plataforma francesa, a qual passará, a partir daí, a ser utilizada também pela Maserati, na próxima geração do Ghibli e do SUV Levante.

Entretanto, o desenvolvimento de um sistema de propulsão 100% elétrico, totalmente novo, está já a ser desenvolvido, segundo refere a mesma publicação, em colaboração com o especialista japonês de motores elétricos Nidec e com a empresa francesa de células e produção de baterias, Saft.

Spider e Mito também em hipótese

A finalizar, a publicação britânica também refere que o GTV não é o único antigo modelo da Alfa Romeo a estar a ser equacionado o seu regresso, pelos responsáveis da Stellantis. Pelo contrário, também propostas como o Spider, a variante descapotável do GTV, ou o pequeno MiTo.

Lembra-se do Alfa Romeo MiTo?…

Recorde-se que o Spider manteve-se em produção entre 2006 e 2010, ao passo que o MiTo foi descontinuado em 2018. Este último, sendo, ainda hoje, visto, como uma solução importante para cativar novos e jovens condutores, para a marca.

No entanto e conforme Imparato também terá reconhecido à Autocar, “deixem-me colocar a Alfa Romeo num certo patamar de performance financeira e, então, falaremos”.

Também nós ficamos à espera…