Mobieco

Publicidade

Para outubro . Polestar 3 anuncia-se com 600 km de autonomia

Texto: Francisco Cruz
Data: 10 de Junho, 2022

A marca sueca de performance elétrica Polestar acaba de confirmar, de forma oficial, a estreia mundial daquele que será o seu terceiro modelo, o Polestar 3, para o próximo mês de outubro de 2022. SUV 100% elétrico que promete chegar ao mercado com uma autonomia “superior a 600 km”.

Destacando a importância do modelo, por competir num dos “segmentos mais lucrativos e de maior crescimento na indústria automóvel, sobretudo nos Estados Unidos”, a Polestar revela, ainda, que o seu SUV contará, embora apenas lá mais para a frente, com tecnologia de condução autónoma em autoestrada.

Na base desta tecnologia estará um sensor LiDAR da Luminar, assim como a computação NVIDIA centralizada, acrescenta o fabricante.

Relativamente às motorizações, a marca sueca avança que o Polestar 3 estará equipado com uma configuração de motor duplo, acompanhado de um pack de baterias “grande”, tendo como meta uma “autonomia superior a 600 km (WLTP)”.

«O Polestar 3 é o SUV para a era elétrica. A nossa identidade de design evolui com este veículo elétrico de luxo e gama alta, com um caráter forte, distinto e marcante», refere o CEO da Polestar, Thomas Ingenlath. Acrescentando que, «com este carro, recuperamos a natureza desportiva do SUV, mantendo-nos fiéis às nossas raízes de elevadas prestações.»

LEIA TAMBÉM
Polestar 2 BST Edition. De protótipo do Festival de Goodwood à produção

Entretanto e enquanto o momento não chega, a Polestar acaba de lançar não somente um novo filme, como também uma primeira imagem não camuflada deste SUV. Cujo período de encomendas deverá começar no próprio dia da estreia, ainda que a produção só arranque no início de 2023, tanto nos EUA como na China. 

Recordar, ainda, que a marca sueca de veículos elétricos tem previsto lançar um modelo novo todos os anos, ao longo dos próximos três anos, a começar com o Polestar 3. Sendo que, a acompanhar este aumento de gama, o fabricante pretende, igualmente, chegar ao final de 2030, com uma presença em, pelo menos, 30 mercados globais.