Publicidade

Lewis Hamilton impressionado com Mercedes-AMG PureSpeed

Texto: Carlos Moura
Data: 24 de Maio, 2024

O piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton foi um dos convidados da apresentação do novo Mercedes-AMG PureSpeed, um roadster baseado no SL e com uma produção limitada a 250 unidades. Será que uma delas irá fazer parte da coleção do ainda piloto da equipa de Fórmula 1 Mercedes-AMG Petronas? 

A Mercedes-AMG revelou o primeiro carro da família Mythos, o PureSpeed, é o ainda piloto da equipa de Fórmula 1 da marca Estugarda, Lewis Hamilton, assim como o seu colega George Russell, foram convidados especiais da apresentação, que decorreu à margem do Grande Prémio de Fórmula 1 do Mónaco.

A escolha do Principiado do Mónaco para a revelação deste roadster baseado no SL e com elementos inspirados na Fórmula 1, como o arco de proteção do tipo halo, esteve diretamente relacionada com o fato de algumas das pessoas mais ricas do mundo terem residência oficial naquele pequeno território.

O roadster de dois lugares vai ser produzido numa pequena escala a partir do próximo ano e só serão construídas 250 unidades. Cada uma delas terá como destino alguns dos mais obsessivos colecionadores de carros da Mercedes-Benz. O preço continua a ser uma surpresa, já que ainda não foi divulgado.

A equipa de design da Mythos transformou o Mercedes-AMG SL de quatro portas num speedster de dois lugares, substituindo o convencional pilar A pelo sistema Halo, um derivado direto da Fórmula 1 que tem sido utilizado em todos os monolugares desta categoria desde 2018 para proteger a cabeça do piloto em caso de acidente.

Halo substitui pilar A

À semelhança da Fórmula 1, o sistema de proteção no Mercedes‑AMG PureSpeed consiste num suporte que é ligado à carroçaria do veículo. Este componente aerodinamicamente otimizado serve para proteger os ocupantes, tal como na Formula 1. Estão incluídos dois capacetes especialmente concebidos e fabricados para este carro.

Assim, o campo de visão como na Formula 1 torna-se uma realidade para duas pessoas. Nem o tejadilho, o para-brisas, nem as janelas laterais os separam do ambiente que os rodeia. O interior acrescenta outros destaques, com o seu conceito único de cor e equipamento, bem como o relógio customizado desenhado pelo IWC Schaffhausen no painel de instrumentos. 

O sistema de proteção Halo não é a única alteração estética. A secção dianteira muito baixa apresenta um pronunciado “nariz de tubarão”, sendo o design muito semelhante ao Mercedes-AMG One, com uma entrada de ar inferior larga com a inscrição AMG e uma estrela Mercedes escura e cromada no nariz suave. 

A isto junta-se o capot desportivo, aerodinamamente otimizado, com uma saída de ar adicional. Pequenos defletores transparentes na dianteira e nas laterais direcionam o ar para o cockpit. 

O trabalho de precisão da equipa de design também pode ser observado nos painéis laterais com rebordos aerodinâmicos. Os ombros musculados acima das rodas traseiras de grande largura unem-se com a elegante tampa da bagageira e com a saia traseira que realça a largura.

Homenagem a Stirling Moss

Muitos outros detalhes de design também prestam homenagem ao desporto automóvel. Os dois pilares atrás dos bancos fazem lembrar modelos de competição lendários como o 300 SLR, no qual Stirling Moss e Denis Jenkinson venceram a Mille Miglia de 1955 em Itália – com uma velocidade média recorde de uns incríveis 157 km/h em estradas públicas.

A pintura – num gradiente de cores desde o vermelho Le Mans ao cinzento grafite com um padrão AMG preto – faz alusão ao esquema de cores do modelo Mercedes vencedor da corrida Targa Florio de 1924, na Sicília. 

Aquele modelo tinha pintura da carroçaria em vermelho, o que era tipicamente reservado aos veículos italianos. Naquela altura, os veículos de corrida alemães eram tradicionalmente pintados de branco. A pintura vermelha destinava-se a dissuadir os adeptos locais de impedirem o progresso do veículo na corrida.

LEIA TAMBÉM
Morreu Stirling Moss. Mas as lendas não morrem!

A estratégia funcionou. Após 6:32:37,4 horas e uma distância de corrida de 432 quilómetros, o veículo vencedor da corrida, o Mercedes de dois litros com o número 10 cruzou a meta em primeiro lugar com Christian Werner ao volante. 

O número 10 também pode ser encontrado nas asas dianteiras do Concept Mercedes‑AMG PureSpeed e refere-se a essa vitória na Targa Florio há 100 anos.