Confirmados 15 Ferrari novos até 2022… e algumas surpresas

Texto: Nuno Fatela
Data: 18 Setembro, 2018

A esperada clarificação da estratégia do Cavallino Rampante por parte do novo CEO, Louis Camilleri, foi hoje feita, com a marca a confirmar que vão ser lançados 15 Ferrari até 2022, que vai mesmo surgir um SUV de nome “PuroSangue” e que os híbridos vão representar mais de metade da gama da marca dentro de quatro anos.

Como ontem revelado, a esperada clarificação da estratégia e afirmação da ambição do novo CEO da Ferrari, Louis Camilleri, foi hoje feita na reunião com os investidores da companhia. Ficaram assim a ser conhecidas as intenções e o rumo delineado pelo sucessor de Sergio Marchionne, que em junho faleceu, num plano até 2022 que apresenta algumas novidades. Embora já fosse esperada, a confirmação da chegada do SUV foi uma das maiores novidades. Mas as informações mais surpreendentes são as que anunciam quão extensa será a hibridização da gama do Cavallino Rampante. Apesar das muitas alterações que vão surgir, Camilleri afirmou que este é um plano “ambicioso mas realizável”.

Duplicar os lucros, para dois mil milhões de euros, é a primeira meta para 2022
Um dos volantes desta estratégia é o aumento da margem operacional por carro produzido. A intenção é que passe de 30% para 38%
Nos próximos quatro anos vão surgir 15 novos Ferrari
A gama ficará dividida em quatro pilares: Desportivos; GT, Séries Especiais; e os hiperdesportivos 'Icona'
O muito polémico SUV Ferrari deve surgir perto de 2022, integrado na gama GT, e contar com uma motorização híbrida
Uma das metas passa, aliás, por conseguir que 60% da gama seja híbrida no final do plano
Uma das novidades será um V6 Turbo com apoio de um sistema híbrido
Será lançado um novo modelo híbrido para a família dos Desportivos, que é definido como "um verdadeiro supercarro para a gama regular".
O sucessor do LaFerrari também já deve surgir. Embora não exista confirmação oficial, já estará a ser desenvolvida a evolução da tecnologia utilizada no superdesportivo híbrido
Fora dos planos da marca está., tudo indica, um renascido Ferrari Dino com preços mais acessíveis.

Em termos financeiros, a meta é apenas uma: duplicar os lucros. Ou seja, dos atuais valores, já bem altos e situados em mil milhões de euros, a intenção é chegar em 2022 aos dois mil milhões de dólares. Um dos segredos para isso é aumentar a margem operacional dos atuais 30% para um lucro de 38% em cada unidade comercializada. Outro dos segredos passará por um vasto calendário de lançamentos, com a chegada ao mercado de 15 Ferrari nos próximos quatro anos.

A oferta da marca estará centrada em quatro grandes pilares: os Desportivos; os GT, as Séries Especiais; e os Hiperdesportivos designados como ‘Icona’. Neste último campo há que referir que, embora não tenha sido confirmado o sucessor direto do LaFerrari, foram deixadas indicações que a evolução motorização deste bólide híbrido de altas performances já está a ser desenvolvida. Falando sobre o muito aguardado SUV, que vai integrar a gama GT e terá uma motorização híbrida, deve chegar ao mercado perto de 2022. O nome que está a ser avançado para este modelo é “PuroSangue”.

 

A gama de desportivos, que atualmente conta com os 488 Pista, 488 Spider e 812 Superfast, vai ganhar um novo membro. Até ao momento as informações são escassas, tudo apontando para um modelo com motor em posição central que é designado como “um verdadeiro supercarro na gama regular”. Para tal ele vai, como todos os modelos desta família Ferrari em 2022, passar a recorrer a tecnologia híbrida. Fora de hipóteses parece estar o muito desejado ‘Ferrari mais acessível’, pois não deve avançar o projeto para o relançamento do Dino.

Entre as motorizações, uma das notícias para os mais ‘tradicionais’ fãs da Ferrari é que vão continuar a existir blocos V12 atmosféricos. No entanto, no outro extremo da oferta passará a existir um bloco de seis cilindros em V com turbo e apoio de um sistema híbrido. E nos planos da Ferrari consta a intenção de que 60% dos seus automóveis tenham tecnologia híbrida dentro de quatro anos. Além destas duas motorizações, não podemos deixar de recordar (embora não tenhamos qualquer referência ao futuro deste propulsor), que a Ferrari tem o bloco escolhido como Motor Internacional do Ano entre 2016 e 2018, o V8 3,9L Turbo.

 

Fonte: Autocar e mais fontes

*Artigo atualizado pelas 17.13h, com as informações sobre o nome do SUV Ferrari

Partilhar