Publicidade

Chega em 2022. Citroën apresenta topo de gama três-em-um C5 X

Texto: Francisco Cruz
Data: 12 de Abril, 2021

A Citroën apresentou, esta manhã de segunda-feira, a sua futura proposta topo de gama, misto de berlina com remanescências de carrinha e crossover, espécie de três-em-um a que a marca decidiu dar o nome de C5 X. E para o qual promete, desde já, motorizações a gasolina e PHEV, a par de um lançamento no mercado, na primeira metade de 2022.

Apontado, segundo a própria Citroën, ao segmento D, das grandes berlinas estradistas, ainda que não deixando de querer agradar também aos adeptos das carrinhas e dos crossovers, o novo C5 X inspira-se no concept CXperience, que o fabricante deu a conhecer no Mondial de l’Automobile de 2016, em Paris.

De resto e sobre as linhas deste C5 X, a marca francesa define-as como a expressão de um conceito único, que começa na nova assinatura luminosa da marca, em forma de ‘V’, a antever um capot longo, linhas fluídas e aerodinâmicas, cintura elevada, guarda-lamas traseiros rebaixados e um portão traseiro a prometer toda a praticidade das soluções aplicadas nas carrinhas. Sendo que, a juntar a estes predicados, elementos mais comuns em crossovers e SUV, como é o caso de uma postura sobreelevada e fundamentada numa distância ao solo maior do que numa berlina tradicional, rodas com 720 mm de diâmetro com jantes de 19″, além de uma posição de condução mais elevada.

Um lounge de conforto e habitabilidade

Aliás e passando ao interior, o novo topo de gama da marca francesa socorre-se de dimensões exteriores que passam pelos 4,805 m de comprimento, 1,865 m de largura e 1,485 m de altura, e, principalmente, por uma distância entre eixos de 2,785 m, para prometer aquilo que o fabricante descreve como “um verdadeiro lounge“. No qual, graças à estreia da suspensão activa Citroën Advanced Comfort, com os seus três níveis de atuação, e aos Batentes Hidráulicos Progressivos, outra tecnologia patenteada pela marca do double chevron, um nível de conforto e serenidade a bordo, verdadeiramente superior.

LEIA TAMBÉM
Espécie de sucessor do C6. Citroën mostra novo topo de gama na 2.ª feira

Aliás e a contribuir, igualmente, para aquilo que o fabricante descreve como “viajar a bordo de um tapete voador”, não somente uma habitabilidade qualificada de”inigualável, em particular, na segunda fila”, mas também os bancos  Advanced Confort. Aos quais e no caso específico do condutor, se juntam tecnologias de ponta, como é o caso de um Head Up Display mais abrangente e imersivo, ou, ainda, de um leque de equipamentos de assistência à condução que reduzem a carga mental do condutor.

É o caso, por exemplo, do Highway Driver Assist, que combina o regulador de velocidade adaptativo com a função Stop & Go e o assistente de manutenção na faixa de rodagem, para que o condutor já não precise de gerir a velocidade ou a trajectória, ou, ainda, do novo interface de comunicação e entretenimento através do ecrã tátil de alta definição com 12’’, reconhecimento de voz natural, e personalizável com widgets, tal como acontece num tablet.

Igualmente em prol do confronto de todos os ocupantes, uma superfície vidrada a 360 graus, da qual fazem também parte os vidros de custódia, já para não falar no grande tejadilho panorâmico em vidro. Aspectos a somar a uma bagageira com 545 litros, mas que também pode chegar aos 1.640 litros, mediante o rebatimento das costas dos bancos traseiros, além de contando com a funcionalidade acrescida oferecida por uma chapeleira de enrolar, que sobe com o portão traseiro. E que, diga-se, contribui para aproximar, a berlina francesa, nos predicados, das carrinhas.

Motores a gasolina e PHEV

Passando às motorizações, a promessa, desde já, de motores a gasolina e híbridos plug-in (PHEV), com natural destaque para este último, solução a anunciar 225 cv de potência, embora arrancando sempre de forma silenciosa e com recurso apenas ao sistema elétrico.

De resto, o C5 X promete a possibilidade de circular até 50 quilómetros, desde que a velocidades até 135 km/h, sem uma gota de combustível, o que, assegura a Citroën, é suficiente para, numa utilização citadina, “passar uma semana sem recorrer ao motor de combustão interna”. Embora sem revelar, pelo menos para já, aspectos como o tipo e capacidade das baterias utilizadas, as restantes autonomias, ou até mesmo as possibilidades e tempos de carregamento.

A terminar, a Citroën anuncia, ainda, que o C5 X tem lançamento agendado para o segundo semestre de 2021, embora e para já, ainda sem data concreta, definida.