Publicidade

Reaproveitando peças. Volvo poupou 4.500 toneladas em matérias primas

Texto: Redação
Data: 19 de Agosto, 2021

Iniciativa que visa, igualmente, ganhos ambientais, a Volvo Cars acaba de anunciar uma poupança, em termos de matérias primas, na ordem das 400 toneladas, graças ao seu programa de reaproveitamento de peças. E, isto, só em 2020.

Denominado Volvo Cars Exchange System, este programa tem como finalidade restaurar peças Volvo genuínas, limitando, assim, o impacto ambiental decorrente do consumo não apenas de mais matérias primas, como o aço ou o alumínio, mas também da energia utilizada no seu fabrico.

De resto e segundo avança o fabricante automóvel de Gotemburgo, só em 2022, este programa foi capaz de garantir uma redução de 400 toneladas de matérias primas, 271 das quais relacionadas com o aço e, 126 toneladas, de alumínio.

A fábrica de Torslanda é a primeira da Volvo Cars neutral do ponto de vista climático
A fábrica de Torslanda é a primeira da Volvo Cars neutral do ponto de vista climático

Ao mesmo tempo que deixou de produzir essas peças, a Volvo Cars evitou, ainda, a emissão de 4.116 toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera, em resultado da energia gasta.

A justificar, igualmente, a opção pelo restauro, em detrimento do fabrico de uma peça nova, o facto da recuperação de peças usadas, para aquelas que são as especificações originais, exigir menos 85% de matérias primas. Além de consumir até menos 80% de energia, na produção.

LEIA TAMBÉM
Nova versão plug-in. Volvo lança XC40 T4 Recharge em Portugal

Para os menos familiarizados com este programa, a Volvo Cars recorda que começou a reaproveitar e recuperar peças utilizadas nos seus automóveis, ainda na década de 40 do século passado. Tendo começado pelas caixas de velocidades, em 1945, na sequência da escassez de matérias-primas, fruto do período do pós-guerra.

Contudo, a iniciativa rapidamente se tornou prática instituída, sendo que, hoje em dia e segundo também garante a marca sueca, todas as peças que não estejam danificadas ou gastas, são “meticulosamente restauradas de acordo com os mesmos padrões de qualidade das originais”.

De resto, hoje em dia, o Volvo Cars Exchange System oferece uma extensa gama de peças restauradas, abrangendo modelos até 15 anos, nas quais se incluem caixas de velocidades, injetores e até mesmo componentes eletrónicos – tudo restaurado de acordo com as especificações originais da Volvo Cars, garante o fabricante.