Publicidade

PSA, Opel e Fiat atingidas. Escassez de chips obriga Stellantis a parar fábricas

Texto: Francisco Cruz
Data: 31 de Agosto, 2021

O caso começa a ganhar contornos muito preocupantes: depois de vários outros construtores automóveis, também o grupo Stellantis acaba de ser obrigado a interromper a produção nas fábricas da PSA, Opel e Fiat, na Europa. Motivo? A escassez de semicondutores, vulgo, chips.

A notícia é avançada pela Automotive News Europe, acrescentando que a produção da Stellantis permanecerá parada, durante esta semana, na fábrica da PSA em Rennes, França, assim como na fábrica de comerciais ligeiros SevelSud, da Fiat, em Itália, devido a problemas no fornecimento de chips.

Segundo as informações prestadas, à publicação, por um porta-voz da Stellantis, a fábrica de Rennes, onde são fabricados modelos Peugeot e Citroën, sofreu já interrupções, na produção, durante a última semana, o mesmo acontecendo com a fábrica da Sochaux, também em França, e a fábrica da Opel em Eisenach, Alemanha.

A falta de chips obrigou a Stellantis a interromper a produção em várias fábricas
A falta de chips obrigou a Stellantis a interromper a produção em várias fábricas

Entretanto, a linha de produção de Sochaux acabou por não reiniciar a produção esta segunda-feira, enquanto Eisenach manter-se-á parada esta segunda e terça-feira, acrescenta o mesmo porta-voz.

Recorde-se que, com o aumento do peso tecnológico nos automóveis, o sector acabou por entrar em competição directa com a indústria de electrónica, no consumo de semicondutores, ou chips. E que já havia sofrido fortemente no fornecimento, em resultado da pandemia de COVID-19.

LEIA TAMBÉM
Alerta do CEO da Renault. Falta de chips vai estender-se até 2022

Fruto desta situação, construtores automóveis como a Toyota, a Volvo, a Renault, a Mercedes-Benz ou a Volkswagen – neste caso, também na fábrica da Autoeuropa -, foram já obrigados, a exemplo da Stellantis, a reduzir significativamente as suas capacidades de produção, por falta de chips.

Aliás, alguns responsáveis destes marcas, já assumiram que o problema poderá prolongar-se para 2022, condicionando a satisfação das encomendas feitas por clientes.