Mobieco

Publicidade

Nissan. Especialistas apontam caminhos para uma mobilidade inteligente

Texto: Carlos Moura
Data: 11 de Maio, 2022

A Nissan voltou a reunir vários especialistas que apontaram caminhos para uma mobilidade inteligente e sustentável. A descarbonização foi o grande tema da sexta edição do Fórum da Mobilidade Inteligente, realizado em Lisboa. 

A Nissan organizou a sexta edição do Fórum da Mobilidade Inteligente que decorreu no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa. 

Os trabalhos foram divididos em três sessões – Condução Inteligente, Energia Inteligente e Integração Inteligente – que contaram com as intervenções de 14 oradores que tiveram a oportunidade de transmitirem aos presentes, quer fisica, quer remotamente, as visões sobre o caminho para a descarbonização.

“Esta edição do Fórum Nissan da Mobilidade Inteligente teve um nível muito elevado”, afirmou Antonio Melica, diretor-geral da Nissan Portugal, em declarações à Turbo. “Através deste espaço procuramos identificar o trabalho que ainda temos de desenvolver para ultrapassar alguns desafios relativos à mobilidade elétrica. O objetivo passa pelo envolvimento de todas as entidades para melhorar a vida das pessoas, com uma mobilidade mais inteligente, sustentável”, sublinha o responsável. 

Neutralidade Carbónica até 2050

A sexta edição do Fórum Nissan da Mobilidade Inteligente teve como tema principal a descarbonização e o rumo que a Nissan seguir. “É necessário desafiar as convenções e pensar fora da caixa”,  refere Antonio Melica. “Depois temos de fazer acontecer as coisas”, salienta o diretor-geral da Nissan, marca que tem objetivos ambiciosos na área da mobilidade elétrica. 

“Temos o objetivo de longo prazo de neutralidade carbónica até 2050. Para o atingirmos temos de ter visões de prazo mais curto. Foi por isso que lançamos o plano “Ambição 2030” que está focado na aceleração do processo de eletrificação da nossa gama. Consideramos que a eletrificação é a solução não só para os veículos, mas também para tornar as nossas fábricas neutrais em termos de carbono, assim como todo o ciclo de produção”, refere Antonio Melica.

Para o mercado europeu, a Nissan está a procurar acelerar o processo de eletrificação e assumir a liderança nesta área na Europa. “Até 2030 pretendemos lançar 30 veículos eletrificados, começando já em 2022 com o Ariya e o Townstar EV”, refere o diretor-geral da Nissan Portugal.

Visão abrangente

Após a sessão de abertura pelo diretor-geral da Nissan Portugal, Antonio Melica, os trabalhos da sexta edição do Fórum Nissan da Mobilidade arrancaram com o primeiro painel subordinado ao tema Condução Inteligente, onde foram debatidos temas como a descarbonização do automóvel, o impacto na mobilidade das novas tecnologias de comunicação e o panorama de evolução da mobilidade, na perspetiva dos utilizadores.

Para transmitir as suas perspetivas do futuro, estiveram “em palco” Donato Vitella (diretor de Estratégia e Planeamento Avançados de Produto da Nissan Europa), Gustavo Barreto (chief commercial officer do Grupo Ageas Portugal) e Henrique Sanchez (presidente da UVE – Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos), Daniela Simões (chief executive officer da Miio).

LEIA TAMBÉM
Nissan Fórum para a Mobilidade Inteligente 2020. A força de uma visão

Donatto Vitella adiantou alguns planos da Nissan que passam pela eletrificação de toda a gama até 2023 e o fim do investimento em novos motores de combustão. “75% das vendas serão de veículos eletrificados em 2026 e de 100% em 2030″, adiantou diretor de Estratégia e Planeamento Avançados de Produto da Nissan Europa.

Por sua vez, o chief commercial officer do Grupo Ageas Portugal, Gustavo Barreto, adiantou que a sinistralidade com veículos elétricos é menor do que dos seus congéneres de combustão, mas a quilometragem também é inferior, embora o risco possa ser mais elevado devido à sua utilização predominantemente em ambiente urbano.

Além disso também já existem coberturas específicas conta o furto do cabo de carregamento ou danos provocados a terceiros pelos cabos de carregamento.

Transição energética

Após a primeira pausa, s trabalhos prosseguiram com a intervenção António Coutinho, presidente da EDP Inovação, acerca “Os Desafios da Transição Energética”, que antecedeu o segundo painel do dia, dedicado ao tema “Energia Inteligente”. 

A produção e a utilização da energia são um elemento decisivo para a transição ambiental necessária, como resposta à emergência climática a nível global. Neste painel foram abordadas questões como o panorama das energias renováveis, o contexto da gestão, regulação, disponibilidade e desafios das redes de energia em Portugal, e a aplicação de novas tecnologias de utilização da energia ligadas diretamente à mobilidade, como o V2G. 

Aquele segundo painel contou as participações de Alexandre Fernandes (administrador executivo da ENSE – Entidade Nacional para o Setor Energético E.P.E.), António Sá da Costa (presidente da European Renewable Energies Federation), Gisela Mendes (coordenadora de Sistemas Inteligentes de Energia na EDP NEW) e Luís Tiago Ferreira (diretor de Inovação em Mobilidade & Eficiência Energética na E-REDES).

A forma como os automóveis interagem e se ligam com as pessoas e as infraestruturas esteve em destaque no terceiro painel, sobre a Integração Inteligente, e contaou com a presença dos oradores Andy Marsh (vice-presidente de Engenharia da Nissan Europa), Teresa Ponce de Leão, (presidente da APVE – Associação Portuguesa do Veículo Elétrico), Alexandre Videira (administrador da Mobi.E) e Paulo Ferreira dos Santos (chief executive officer da Ubirider).