Publicidade

É a despedida… ou mais ou menos. McLaren vende sede de Woking

Texto: Francisco Cruz
Data: 21 de Abril, 2021

Sediada em Woking desde 2004, a McLaren acaba de tomar uma decisão difícil, mas necessária: vendeu a sua sede à empresa de investimentos GNL. Ainda assim, manter-se-á nas instalações, por mais 20 anos.

A notícia é avançada pela também britânica Autocar, acrescentando que, a decisão, representa uma encaixe de 170 milhões de libras esterlinas, qualquer coisa como 197 milhões de euros, para o fabricante automóvel.

Ainda assim e embora desfazendo-se das instalações, que contemplam o McLaren Technology e os centros de Produção e Tought Leaderships, a marca britânica manter-se-á como arrendatária.

A decisão de venda de uma infraestrutura que já foi considerada de vanguarda, com soluções então inovadoras, como os tectos com auto-limpeza, além de vários lagos, destinados a arrefecer e dar um ar de tranquilidade à paisagem, decorreu de uma necessidade de, tanto o fabricante automóvel, como a escuderia de F1, encaixarem dinheiro fresco, que lhe permita fortalecer as finanças, fortemente abaladas pela pandemia de Covid-19.

De resto, a McLaren já havia anunciado, inclusivamente, a interrupção da produção, ao mesmo tempo que as vendas mundiais despencavam. Sendo que, até mesmo o início da temporada de F1 de 2020, acabou sendo adiado por vários meses.

LEIA TAMBÉM
McLaren Artura. Primeiro híbrido de produção em série chega com 670 cv

Resultado, igualmente, da pandemia, a McLaren foi obrigada a dispensar, em maio último, cerca de 1200 trabalhadores dos departamentos Applied, Automotive e Racing, cortando, assim, em mais de um quarto, a sua força trabalhadora.

A terminar, salientar, ainda, que as 170 milhões de libras conseguidas com a venda das instalações de Woking, acabaram, ainda assim, por ficar aquém daquilo que o fabricante pedia, e que rondava as 200 milhões libras, perto de 232 milhões de euros.