Publicidade

Lamborghini comemora os 50 anos sobre o nascimento do Urraco

Texto: Redação
Data: 13 de Outubro, 2020

A Lamborghini está em festa. Não, não se trata de um novo modelo, mas a celebração dos 50 anos da criação do Urraco, o icónico coupé 2+2 que a marca de Sant’Agata Bolognese deu a conhecer no Salão Automóvel de Turim de 1970, e que, de certa forma, foi o Pai dos mais recentes modelos de dez cilindros, como o Gallardo ou o atual Huracán.

Modelo que se rapidamente destacou pelas soluções técnicas inovadoras para a época, o Lamborghini Urraco foi um desportivo com motor V8 montado em posição central traseira e suspensões independentes, com estruturas MacPherson tanto à frente como atrás. Solução que constituiu, logo aí, uma estreia, para um automóvel de produção.

Desenvolvido tecnicamente sob a liderança do engenheiro e então director técnico da Lamborghini, Paolo Stanzani, o Urraco anunciava uma potência de 220 cv às 7800 rpm, a qual lhe permitia atingir uma velocidade máxima de 245 km/h. Prestações, diga-se, conseguidas através de mais uma das várias soluções técnicas inovadoras que ostentava: um motor de 8 cilindros com distribuição por um único veio de excêntricos à cabeça por bancada.

A juntar a esta solução, uma cabeça de cilindros com câmara do tipo Heron, com secção interior plana e a câmara de combustão inserida numa depressão na parte superior do pistão. Combinação tornava possível a utilização de uma taxa de compressão mais elevada sem aumentar os custos.

Outra novidade para a Lamborghini eram os quatro carburadores Weber de duplo corpo do tipo 40 IDF1.

Um desejo do próprio Ferruccio Lamborghini

Desenhado por Marcello Gandini, que à altura era o principal desenhador da Carrozzeria Bertone, o Urraco trazia, de resto, inovações também na produção, ao assumir-se, desde as fase iniciais do projecto, como um modelo bastante menos artesanal que as restantes propostas da marca.

LEIA TAMBÉM
Em apenas nove anos. Lamborghini celebra fabrico do Aventador 10 000

Com apenas 4,25 m de comprimento e resultado daquilo que terá sido uma vontade expressa de Ferruccio Lamborghini, o qual queria expandir a produção da empresa, nomeadamente, lançando um modelo que fosse acessível a um público mais vasto, ainda que limitado, o Urraco apresentava, ainda, um interior não menos inovador. Desde logo, devido à configuração do painel frontal, do posicionamento dos instrumentos e do volante côncavo.

Produzido ao longo de 9 anos

Lançado com a denominação P250 Urraco, com o ‘P’ a simbolizar a colocação traseira (“posteriori”) do motor e o 250 a significar a cilindrada (2,5 litros), o Lamborghini Urraco começou por ser produzido entre 1970 e 1976. Sendo que, dois anos antes do fim, em 1974, a marca apresentou, mais uma vez no Salão de Turim, o P200 – versão com apenas 1.994 cc. de cilindrada e 182 cv de potência, destinada ao mercado italiano, onde foi comercializado entre 1975 e 1977.

A última versão, equipada com um V8 de 2.996 cc. e 265 cv, chamou-se P300 e foi apresentada também em 1974, tendo sido comercializada entre 1975 e 1979.

Desaparecido em 1979, o conceito testado com êxito e trazido para o mercado pelo Urraco, acabou levando aos subsequentes modelos de oito cilindros, e, já mais recentemente,  aos modelos de dez cilindros, como o Gallardo ou o atual Huracán.