Publicidade

Não há igual! Ford Mustang continua a ser o desportivo mais vendido no mundo

Texto: Redação
Data: 13 de Abril, 2021

É caso para dizer que não há volta a dar: representante máximo e mais reconhecido dos chamados ‘muscle cars’ americanos, o Ford Mustang acaba de sagrar-se, mais uma vez, o desportivo mais vendido em todo o mundo!

Prestes a celebrar o seu 57.º aniversário, o icónico Ford Mustang está aí, literalmente, para as curvas, e pronto para continuar a encantar adeptos e clientes, em todo o mundo.

De acordo com números avançados pela própria Ford, o Mustang vendeu, em 2020, um total de 80.577 unidades, em todo o mundo. Resultado que fazem deste modelo, não somente o desportivo mais vendido em todo o mundo, pelo segundo ano consecutivo, como também o coupé desportivo mais vendido globalmente, neste caso, pelo sexto ano consecutivo!

Ford Mustang Mach 1

Segundo a empresa analista de mercados IHS Markit, o Ford Mustang conseguiu, no ano passado, 15,1% de quota do mercado mundial de coupés desportivos, depois de, em 2019, ter atingidos os 14,8% de share. Números que demonstram que, mesmo já com mais de meio século de existência, o ‘Pony Car’ ainda vende.

LEIA TAMBÉM
Ford Mustang Mach-e. A concorrência que se cuide

De resto e falando sobre os mercados, destaque para a forma como o modelo tem coleccionado corações na Europa, onde, por exemplo, na Hungria, o crescimento da procura, face a 2019, atingiu os 68,8%.

Já na Holanda, o crescimento atingiu os 38,5%, ao passo que na nórdica Dinamarca, região do globo muito conectada com os veículos elétricos – coisa que, diga-se, o Mustang não é! -, o crescimento na procura chegou ao 12,5%. Fazendo deste último mercado o terceiro melhor, para o modelo, no Velho Continente.

Três gerações Mustang

Pelo contrário, no mercado do qual é originário, os EUA, o Ford Mustang registou uma queda de 15,7% face a 2019, ao vender apenas 61.090 unidades, a maioria, no Texas – 8.600 veículos.

Aliás, mesmo a nível mundial, é incontornável a queda nas vendas do modelo, tendo perdido 4,4% no primeiro trimestre de 2021, face ao mesmo período de 2019.