Mobieco

Publicidade

Ford E-Transit regista mais de 5000 encomendas

Texto: Carlos Moura
Data: 7 de Abril, 2022

Mais de 5000 encomendas da Ford E-Transit na altura em que saíram as primeiras unidades da linha de produção da fábrica da Ford Otosan com destino a clientes de toda a Europa. O comercial elétrico da Ford foi projetado para ser líder na sua categoria.

O primeiro comercial de grandes dimensões da Ford já conta com mais de 5000 unidades encomendadas. Os primeiros veículos E-Transit já saíram da fábrica de Gölcük, da Ford Otosan, em Kocaeli, na Turquia, para entrega a clientes de toda a Europa.

A saída da linha de montagem das primeiras unidades da Ford E-Transit foi assinalada na fábrica de Gölcük com uma cerimónia que contou com a participação de representantes do Governo da Turquia, investidores, funcionários e meios de comunicação social. 

Módulo da bateria para a Ford E-Transit

A Ford E-Transit é a versão elétrica do furgão de mercadorias mais vendido do mundo, numa nova proposta que lidera o lançamento da assinatura Ford Pro na Europa, assim como de uma nova área de negócio que disponibiliza aos clientes um abrangente conjunto de soluções de software, carregamento, manutenção e financiamento, totalmente integradas num portfeólio de veículos eletrificados e com motores a combustão interna.

A missão da Ford Pro é a a melhorar a produtividade e o tempo útil de utilização, gerar custos mais baixos e facilitar o acesso a tudo o que os diferentes operadores necessitam, numa plataforma construída para uma era elétrica e digital. 

Intensamente testada

“A fábrica de Kocaeli, da Ford Otosan, representa o centro de produção do modelo Transit na Europa, pelo que esta celebração da produção da E-Transit marca o início de um próximo capítulo eletrificado da nossa já forte parceria”, afirmou Hans Schep, Diretor-Geral da Ford Pro, Europa. 

“Este é o primeiro passo de um processo de transformação de Kocaeli, visando tornar- se num importante centro de fabrico de veículos comerciais elétricos na Europa,” sublinha o responsável.

A Ford E-Transit foi projetada para permitir a eletrificação das frotas dos operadores, estando disponível em várias versões, cargas úteis, níveis de potência e carroçarias.  A Ford Pro realizou testes intensos para aferir a fiabilidade e durabilidade da E-Transit. 

LEIA TAMBÉM
Ford E-Transit. Já conduzimos os primeiros protótipos

A marca também realizou um conjunto de testes em condições reais em clientes com uma frota de 60 unidades de pré-produção, incluindo algumas transformadas. O programa de testes foi efetuado em países como a França, Alemanha, Itália, Holanda, Noruega e Reino Unido.

Os testes ajudaram a Ford Pro a otimizar os seus produtos e serviços de apoio sempre disponíveis, de modo a gerar uma otimização de eficiência e produtividade para as empresas. 

Investimento de dois mil milhões de euros

Para responder à procura dos novos modelos eletrificados, a Ford Otosan dois mil milhões de euros e a aumentar o número de empregos em cerca de 3.000 vagas, para aumentar a capacidade de produção de veículos, incluindo a futura geração do modelo Transit Custom

A transição para a uma gama totalmente elétrica da Europa vai ser acompanhada pela criação de uma nova joint-venture na Turquia entre a Ford, a SK On Co e a Koç Holding. O objetivo é a implementação de uma das maiores instalações de baterias para veículos elétricos na região europeia, estando a produção aprazada para se iniciar já em meados da década, com uma capacidade anual suscetível de atingir a faixa entre os 30 a 45 Gigawatt/horas. 

A Ford já anunciou que pretende reforçar a posição de liderança como marca de comerciais ligeiros mais vendida na Europa e irá continuar a eletrificar os seus icónicos modelos Transit de acordo com as diferentes necessidades dos clientes. 

Até 2024, a E-Transit ver-se-á acompanhada por mais quatro novos modelos totalmente elétricos na família Transit, à medida que a Ford avança para o seu objetivo de emissões zero em todas as vendas de veículos na Europa e para uma neutralidade carbónica, ao longo de toda a sua estrutura europeia em termos de instalações, logística e fornecedores, a alcançar até ao ano de 2035.