Publicidade

Catalisador. Saiba o que é e como funciona

Texto: Carlos Moura
Data: 21 de Maio, 2024

O catalisador tem a tarefa de evitar que muitos gases poluentes sejam lançados para a atmosfera. Saiba o que é este componente e como funciona.

O catalisador de um veículo ou conversor catalítico é elemento localizado na saída dos gases de escape que tem a tarefa de limpar os gases poluentes antes de serem lançados para a atmosfera. 

O catalisador não é propriamente uma tecnologia muito recente, tendo sido desenvolvida para diminuir o impacto das emissões dos veículos com motor de combustão. Este componente é obrigatório em todos os automóveis novos vendidos na União Europeia desde 1993 para cumprir a primeira diretiva comunitária de anti-poluição, Euro 1.

O catalisador assegura a sua função de filtragem dos gases através da realização de uma reação química entre gases a altas temperaturas. O catalisador transforma os hidrocarburantes (HC) em vapor de água e o monóxido de carbono (CO) e dióxido de carbono (CO2).

Temperaturas de 400º a 700º C

O catalisador é uma peça fundamental e nos motores diesel é cada vez associado a um sistema de redução catalítica (SCR) para uma depuração ainda mais eficiente dos gases com injeção de AdBlue, uma solução à base de ureia.

Quando os gases do escape chegam ao catalisador são submetidos a um processo denominado catálise, onde se aceleram as reações químicas que os descompõem, fazendo com que percam boa parte da sua capacidade contaminante, antes de serem expelidos.

O catalisador está localizado no interior de uma cavidade de aço inoxidável, constituída por muitas mini-células catalíticas e é por elas que passam os gases de escape. Será de referir que as células são extremamente finas e atomizadas; se fossem esticadas teriam uma extensão equivalente a vários campos de futebol.

LEIA TAMBÉM
Sete conselhos para prolongar a vida dos pneus

O catalisador está colocado entre o tubo de escape e o silenciador traseiro, sendo normalmente feito de platina e paládio. Para que possa funcionar corretamente exige uma elevada temperatura, entre os 400º e os 700ºC.

Como é fabricado com materiais de qualidade e elevado valor, os catalisadores são caros e também são um alvo dos ladrões, que se dedicam a roubar estes componentes, os quais podem custar, novos, entre 300 e 600 euros.

Causas de avarias

À semelhança de outros componentes, o conversor catalítico também está sujeito a avarias. A causa principal está relacionada com a afinação do motor e com a própria manutenção. 

Se o motor não fizer bem a mistura ou esta não estiver bem regulada, o combustível pode chegar ao catalisador sem queimar. Para o evitar é recomendável a revisão regular ao consumo de óleo do motor. Se gastar muito óleo poderá produzir-se uma obstrução por excesso de partículas no motor.

O arranque irregular do carro pode também afetar a vida útil do catalisador. Ações como pegar de empurrão ou arrancar de forma repentina são prejudiciais a este componente. O catalisador também pode ser afetado se o veículo circular com demasiada frequência na reserva de combustível. Isto acaba por administrar o combustível ao catalisador de forma irregular.

Tudo isto contribui para que o combustível chegue sem queimar ao monolito, o que pode provocar a sua degradação. Para evitar que a gasolina ou ou gasóleo cheguem sem queimar há também que vigiar componentes como as velas de ignição, o filtro de ar ou a sonda lambda, que está encarregue de regular a mistura dependendo do rendimento do motor. As revisões periódicas do veículo servem para encontrar este tipo de problemas que podem passar despercebidos a quem não é especialista.

Há também que ter cuidado com os golpes na chapa, já que podem também danificar o catalisador. Se o carro tem uma mossa na parte inferior, é preciso prestar atenção e fazer a revisão a fundo.

Sintomas de avaria

Pela sua localização, o catalisador não é visível, sendo difícil de verificar se este componente tem alguma anomalia. Contudo, os sintomas de funcionamento defeituoso são fáceis de detetar, já que o motor começa a falhar e a ficar instável, quer ao ralenti, quer em aceleração. Como os catalisadores não são todos iguais, o seu comportamento varia de acordo com o modelo e a marca.

Outros sintomas poderão ser um cheiro estranho no tubo de escape ou sons metálicos na parte inferior do carro. Se isto acontecer, é possível que a parte cerâmica do componente se tenha desprendido.

A avaria também poderá ter origem numa obstrução, que geralmente é provocada pela saturação de resíduos no interior. Se isso acontecer, o carro perde força e, na pior das hipóteses, nem sequer arranca.

A maioria dos catalisadores pode ser reparada antes de se optar pela aquisição de um novo. O trabalho deverá ser efetuado por um profissional especializado, pois trata-se de uma peça complicada e que está colocada num local de acesso difícil.