Publicidade

Software e serviços são apostas estratégicas da Bosch

Texto: Carlos Moura
Data: 28 de Junho, 2024

O negócio da Bosch com software e serviços deverá gerar vendas na ordem dos mil milhões de euros até final da década, sendo esta uma das apostas estratégicas da multinacional alemã. A era da mobilidade definida por software já não é uma miragem, mas uma realidade.

A Bosch anunciou uma forte aposta na expansão do seu negócio com software e serviços, o qual deverá gerar vendas na ordem dos mil milhões de euros até final da década. O presidente do conselho de administração da multinacional alemã Stefan Hartung relembra que “há já bastante tempo que a Bosch é uma empresa de software”.

Em declarações durante o Bosch Tech Day 2024, realizado em Renningen, na Alemanha, o responsável referiu que “a nossa ampla experiência em diversas áreas permite-nos incorporar linhas de código diretamente nos nossos produtos. O software dos nossos produtos é uma tecnologia inventada para melhorar a vida dos nossos clientes”.

Stefan Hartung e Markus Heyn, CEO e presidente do setor de negócios da Mobilidade da Bosch, respetivamente

O software da Bosch já pode ser encontrado em muitas áreas, incluindo as linhas de produção de grandes empresas industriais, muitas oficinas de reparação de automóveis e equipamentos médicos. Este software alerta os condutores sobre veículos na contramão, protege bens valiosos, controla a tecnologia de edifícios e já funcionou no espaço, na ISS. No total trabalham na Bosch 48 000 pessoas como programadas de software, dessas 42 000 estão dedicadas apenas ao setor de negócios da Mobilidade. 

Revolução na indústria automóvel 

“O avanço triunfante do software revolucionará fundamentalmente a indústria automóvel”, afirma Stefan Hartung. “No futuro, os carros serão integrados de forma contínua no mundo digital. Como resultado, serão mais do que qualquer outra coisa – atualizáveis”, acrescenta Markus Heyn, membro do conselho de administração da Bosch e presidente do setor de negócios da Mobilidade.

Os automóveis vão receber novas funções não ao visitar uma oficina de reparações, mas, sim, através de atualizações de software “over the air”. Segundo Markus Heyn, “a tecnologia Bosch fará com que os automóveis envelheçam mais devagar.” E isto não se aplica apenas os carros. Camiões, motocicletas e e-bikes também vão receber novas funções de segurança e conveniência via atualização. 

Desde o lançamento do sistema inteligente para e-bikes no final de 2021, a Bosch lançou aproximadamente 70 novas funcionalidades e modificações através da aplicação eBike Flow – a partir de uma ferramenta de alarme e rastreamento a novos modos de condução.

Mobilidade definida por software

Na área automóvel, a nova tendência já chegou, sendo conhecida genericamente como veículo definido por software. O software está a tornar-se cada vez mais o ponto de partida para projetar e desenvolver novos modelos de veículos. 

De acordo com um estudo recente da McKinsey, o mercado global de software e eletrónica automóvel irá atingir os 462 mil milhões de dólares até 2030. A partir de 2023, a participação de software em veículos vai triplicar. 

A Bosch ambiciona fazer parte desse mercado em crescimento e continuar a ser a parceira preferida das construtoras automóveis em todo o mundo. “Estamos no início da era do veículo definido por software“, diz Markus Heyn. 

“Para a Bosch, isso é uma boa notícia, porque podemos fazer as duas coisas: hardware e software. Somos uma das poucas empresas totalmente proficientes na interação entre eletrónica automóvel e a cloud,”  

Com soluções de software e serviços como o Vehicle Health, por exemplo, a Bosch ajuda os operadores de frotas a evitar quebras de veículos e a aumentar a eficiência. Especificamente para empresas de logística, a plataforma digital Bosch L.OS facilita a digitalização e simplifica toda a cadeia de operações. 

Arquitetura em mudança

A Bosch acredita que a mobilidade definida por software estará intrinsecamente relacionada com uma arquitetura de veículo em mudança.Assim, a arquitetura de TI e eletrónica específica de domínio deu lugar a uma arquitetura centralizada e de domínio cruzado, com apenas alguns computadores e sensores que são, no entanto, muito poderosos. 

Atualmente, há cerca de cem unidades de controlo de vários fabricantes a funcionar num automóvel. Num futuro veículo definido por software, as funções de controlo serão executadas por menos de uma dúzia de computadores de veículo. 

LEIA TAMBÉM
Com um só chip. Bosch simplifica hardware no automóvel

Para conseguir isso, funções específicas de domínio terão de ser combinadas em computadores de veículo modernos. Neste contexto, a Bosch e a Qualcomm apresentaram em conjunto, no início deste ano, um novo computador de veículo. Pela primeira vez, um computador de veículo combina funções de infotainment e assistência ao condutor. 

Para os construtores automóveis, isso significa não apenas uma redução no espaço de instalação, cabos e peso, mas também, e mais importante, custos mais baixos. Só no que diz respeito às unidades de controlo, a economia alcançada pela fusão de infotainment e assistência ao condutor pode chegar a 30%. 

Com computadores de veículo avançados em geral, a Bosch já está no caminho do sucesso: nos últimos três anos, a empresa gerou vendas de cerca de 4 mil milhões de euros com estes dispositivos.