VW T-Cross chega em Abril

Texto: Nuno Fatela
Data: 13 Março, 2019

O VW T-Cross, o mais pequeno SUV da marca alemã, tem lançamento em Portugal previsto já para a primeira quinzena de abril. Vai estar disponível com o motor de três cilindros e 1.0 litros a gasolina, com versões de 95 e 115 cv e preços a partir de 18 800 euros

Os SUV de pequenas dimensões estão na moda e o novo VW T-Cross tem todas as condições para triunfar. A carroçaria de 4,1 metros de comprimento possui linhas que apelam ao lado aventureiro destes produtos, com destaque para a altura ao solo, as proteções plásticas da carroçaria e alguns detalhes que lhe acrescentam uma aparência muito jovem e desportiva.

O SUV da gama Polo é 12 centímetros mais curto que o T-Roc fabricado em Palmela, mas graças a uma distância entre eixos ampla e ao acréscimo de 14 centímetros na altura face ao Polo oferece uma habitabilidade generosa; em qualquer dos cinco lugares temos uma sensação de espaço que nunca deixa adivinhar que a base é a do citadino da VW. Para o bem e… para o mal pois, infelizmente, a necessidade de conter custos levou a VW a poupar nos materiais. À decoração jovem, com detalhes bem conseguidos como o tablier que pode receber aplicações de diferentes cores, contrapõe-se uma abundância de plásticos duros, pouco agradáveis ao tato e que se riscam com facilidade, a revestir o tablier, as molduras dos bancos e os pilares.

 

A nota menos conseguida num interior com níveis de conforto de referência e espaço amplo para até cinco pessoas e bagagem (385 a 485 litros de capacidade, extensíveis até 1281 litros). Ainda assim, pensamos que a VW poderia ter ido mais longe potenciando a modularidade, através de soluções como a possibilidade de os bancos traseiros reclinarem ligeiramente, embora eles se possam deslocar em calhas para permitir otimizar o espaço para pessoas ou bagagem, consoante as situações. Esta possibilidade, que não existe no T-Cross, seria tão mais bem-vinda quanto é certo que estamos perante um modelo que irá ser utilizado por um público jovem, que pratica desportos que, por vezes requer o transporte de objetos volumosos.

Um público jovem que além do arranjo do interior vai apreciar o equipamento que compromete o T-Cross com a era digital. É o caso da possibilidade de replicarmos no “display” central as principais funcionalidades do nosso smartphone, seja para acesso às nossas músicas preferidas ou ao sistema de navegação, ou para interagirmos com o nosso T-Cross através da app Volkswagen Connect (de série) que nos dá informações como a localização do carro, ou o nível de eficiência energética da condução que estamos a praticar.

 

De referir, ainda que também do lado da segurança e apoio à condução o T-Cross conta com todos os dispositivos mais recentes. De série, todas as versões (Base, Life e Style) oferecem o Front Assist, com deteção de peões e travagem automática de emergência, bem como assistente de manutenção de faixa de rodagem. Em opção, ou de série nas versões mais equipadas, podemos ainda dispor do avisador de presença de outro veículo no ângulo morto, assistente de estacionamento, avisador de trafego cruzado em manobras de marcha-atrás e cruise control adaptativo, a que se junta o volante multifunções, as jantes de 17 polegadas e o ar condicionado automático (este três últimos itens são de série na versão Style). Quanto ao cockpit digital é opcional em todas as versões (380 €).

Motores estão no espírito

Para dar “alma” a um corpo jovem, a VW escolheu, para já, as versões de 95 e 115 cv do motor 1.0 TSI. Trata-se do bem conhecido bloco de três cilindros a gasolina que beneficia de soluções tecnológicas muito avançadas, como a injeção direta e a sobrealimentação (turbo). Para mais tarde está prevista a adição de uma versão revista do 1.6 TDI que, no entanto, pouca expressão terá nas vendas.

 

As duas motorizações já disponíveis caracterizam-se pelos baixos consumos anunciados (4,9 L/100 km, em trajeto misto, segundo norma WLPT), embora o desempenho seja diferente. A versão de 95 cv, alcança os 180 km/h e acelera de 0-100 km/ em 11,5 segundos, enquanto a mais potente anuncia 193 km/h e precisa de 10,2 segundos para chegar aos 100 km/h. Comum às duas é a boa resposta, com primeiro a surpreender pela forma como recupera o ritmo ideal, sem necessidade de recurso exagerado à caixa de velocidades.

O T-Cross faz tudo sem esforço, o que explica os consumos reduzidos. O motor parece rolar sempre com uma dose suplementar de disponibilidade, pelo que o ruído é também mínimo,  sobretudo tendo em conta o que é hábito nos motores de três cilindros. No caso da versão de 95 cv está disponível exclusivamente com caixa manual de cinco velocidades, enquanto a motorização de 115 cv tem acoplada uma caixa de seis velocidades e pode receber, em opção (1700€) a caixa DSG (automática) de sete relações que torna a condução ainda mais agradável e eficiente.

 

O novo VW T-Cross chega a Portugal em Abril. A versão base conta exclusivamente com a motorização de 95 cv e custa 18 771 euros. Já a Life vê o preço subir para 21 131€, ou para 22 264 euros se utilizar o motor de 115 cv. Nestes preços está já incluída a garantia de cinco anos ou 90 mil quilómetros.

 

Veja também:

T-Roc R estreia no Salão de Genebra
Passat europeu também é apresentado no certame helvétivco
Golf GTI TVR já acelera em Portimão
Grupo VW ainda mais ambicioso na eletrificação
Buggy VW dos anos 60 regressa eletrificado

 

Partilhar