Publicidade

Culpa das emissões! E se o novo Toyota GR86 vier com motor de três cilindros?

Texto: Carlos Moura
Data: 12 de Setembro, 2022

A Toyota está a trabalhar num motor de três cilindros para o GR86, semelhante ao já disponível no GR Yaris e GR Corolla. O motivo até é bom: conseguir baixar as emissões e manter no ativo os seus desportivos.

O motor de três cilindros do GR Yaris e GR Corolla também poderá ser utilizado no Toyota GR86, segundo confirmou o engenheiro-chefe da Toyota Gazoo Racing, Naoyuki Sakamoto, à publicação Carbuzz.

Segundo o responsável, aquele bloco de três cilindros foi montado em algumas unidades do GR86 para fins de desenvolvimento. Ao contrário do que se poderia pensar, a Toyota não está a pensar lançar uma versão turbo do GR86, mas, sim, porque está a ser estudada a aplicação de combustíveis sintéticos naquele motor.

Toyota GR86 poderá receber um motor de três cilindros e 1,6 litros

Não obstante, a adaptação do motor turbo de três cilindros ao Toyota GR86 sugere que este desportivo poderá vir a usá-lo no futuro e já adaptado a combustíveis sintéticos.

Naoyuki Sakamoto sublinhou que não “existem planos concretos, mas admitimos usar este motor no GR86 num futuro não muito longínquo”.

Novo três cilindros é mesmo hipótese

Assim, o Toyota GR86 equipado com motor 1.6 de três cilindros com 305 cv e 370 Nm poderá vir a ser uma opção plausível neste desportivo mesmo antes da aplicação de combustíveis sintéticos.

O trabalho interno da Toyota tem o objetivo de manter veículos de combustão no ativo após a entrada em vigor de uma legislação tão rígida em termos de baixos limites de emissões que só possa ser cumprida por veículos elétricos. Tudo indica que a Toyota está a olhar para a gasolina sintética para manter a sua gama de automóveis desportivos.

LEIA TAMBÉM
Toyota GR ganha reforços. GR86 e GR Supra com caixa manual ainda mais radicais

Nesta fase, a Toyota pretende utilizar estes automóveis experimentais em circuito, designadamente na série Super Taikyu no Japão. Naoyuki Sakamot considera que a competição é o local indicado para testar este tipo de tecnologias e onde há mais liberdade para as desenvolver e depois introduzi-las nos veículos de série.