BMW 630D GRAN TURISMO

Texto: Ricardo Machado / Fotografia: José Bispo
Data: 4 Agosto, 2018

Espaço e conforto do Série 7 servidos numa carroçaria mais ligeira. É este o segredo do novo 630d Gran Turismo, uma berlina luxuosa tão agradável de desfrutar ao volante ou no banco de trás.

Já sabíamos que a BMW apresenta o novo Série 6 Gran Turismo como um cruzamento entre a dinâmica do Série 5 e o espaço do Série 7. Do que não estávamos à espera era que o resultado final tivesse qualquer coisa de X… A associação não é imediata. O perfil de coupé abrevia os mais de cinco metros de comprimento, enquanto os flancos musculados aligeiram uma carroçaria volumosa. É preciso ocupar o lugar atrás do volante para se perceber. Pode ser sugestão provocada pela avalanche de crossovers que varre o mercado, mas há qualquer coisa de SUV na posição de condução alta. Depois estaciona-se ao lado dos principais concorrentes, Audi A7 Sportback e Mercedes CLS, e lá volta o X a fazer todo o sentido. O que não tem nada de errado. Especialmente quando se tem um interior que saiu nitidamente ao Série 7.

Assente sobre uma arquitetura híbrida – secção dianteira do Série 7, central do Série 5 e traseira com suspensão pneumática, até agora exclusiva carrinha Série 5 – o Série 6 GT partilha a distância entre eixos e a largura com o Série 7. Uma solução que se traduz num elevado nível de conforto e muito espaço para as pernas na fila traseira. Juntar o espaço do Série 7com o equipamento do Série 5, não é tão fácil como possa parecer. Obriga a soluções de compromisso, como o alargar da base dos pilares A, levando-os ao encontro do tablier do Série 5, nitidamente mais estreito.

Suspensão pneumática

Foi precisamente para preencher o espaço criado com a promoção do Série 6 a Série 8, que a BMW criou este Série 6 GT. Substitui o mal-amado Série 5 GT, como uma alternativa mais luxuosa e espaçosa à gama 5, com um preço substancialmente inferior ao Série 7. Como tal, ao espaço generoso junta uma bagageira com 610 litros de capacidade, mais 40l que a carrinha Série 5, assente sobre um eixo traseiro com suspensão pneumática autonivelante. Estender o conforto do amortecimento a ar ao eixo dianteiro, como a nossa unidade fazia, custa 2020€.

Apenas um exemplo das inúmeras opções de personalização presentes no 630d GT das imagens, suficientes para inflacionar o preço dos 86 500€ base até aos 124 480€. Um posicionamento exclusivo que não se coaduna com motores diesel de quatro cilindros. Por isso, o Série 6 Gran Turismo conta apenas com o bloco de seis cilindros, três litros e 265 CV. A caixa automática Steptronic de oito velocidades é de série, mas a programação desportiva custa 260€. Um extra, na nossa opinião, desnecessário.

Com mais de cinco metros de comprimento e 1,54 metros de altura, o Série 6 GT de desportivo tem… a imagem? A construção híbrida permite retirar 115 kg ao modelo que substitui, mas continua a ser mais pesado que o Série 7, cuja utilização de carbono permite ao 730d ser 70 kg mais leve. Pesado e com um centro de gravidade elevado, o 630d GT não é particularmente entusiasmante de conduzir. Tem um modo Sport para agilizar a resposta do acelerador, da caixa e da direção, enquanto o amortecimento fica mais firme. Há menos movimentos de carroçaria e o motor brilha no regime médio, mas torna-se ruidoso e, apesar da velocidade da direção, o eixo dianteiro não chega a ser interativo.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Passe para o capítulo seguinte, 'Ao volante'.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Passe para o capítulo seguinte, 'Ao volante'.

Conforto total

Não é de todo essa a ambição do 630d GT ou a expectativa do cliente. Este sabe que o bom comportamento dinâmico está no Série 5. Aqui procura-se conforto. Talvez por isso, em vez de um modo Sport Plus, temos um modo Comfort Plus. Não há lombas, empedrado ou juntas de dilatação que perturbem o ambiente. É o modo que melhor assenta ao Série 6 Gran Turismo. A caixa trabalha com máxima fluidez, o motor mal se ouve e só as bandas sonoras mais altas conseguem vencer a barreira da suspensão pneumática e fazer-se sentir no habitáculo. Se a direção fosse mais comunicativa perdia-se a sensação de tapete voador.

Esta é válida para ambas as filas. Atrás perde-se o posicionamento elevado face aos lugares dianteiros, plenamente compensado pelo ganho em espaço para as pernas e pela maior altura ao solo. O ajuste elétrico da inclinação das costas, parte do pack BMW Line Luxury (3210€), e o sintonizador de TV (1190€) ajudam a descontrair durante os engarrafamentos mais longos. Da suave iluminação interior à qualidade dos materiais, passando pela montagem irrepreensível, todo o interior convida à descontração. Um leque completo de ajudas à condução simplifica a vida ao condutor, que pode inclusivamente estacionar o 630d GT a partir do exterior, graças à chave BMW com display (300€) e ao assistente de estacionamento Plus (540€).

 

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Passe para o capítulo seguinte, 'Ao detalhe'.

Grande e confortável, o 630d Gran Turismo acaba por ser mais uma alternativa ao Série 7, cujo 730d custa 115 930€, do que um real concorrente do Audi A7 Sportback, à espera de renovação, ou do novo Mercedes CLS. Uma proposta diferente que merece ser explorada tanto a partir do banco de trás como do da frente. O maior problema dos engarrafamentos passa a ser o consumo, com os 9,3 l/100 km em circuito urbano a empurrarem a média ponderada para os 7,5 l/100 km. E então?

 

Ensaio publicado originalmente na Revista Turbo Nº 437