BMW 220D COUPÉ 190cv

Texto: Marco António / Fotografia: José Bispo
Data: 25 Novembro, 2017

O BMW 220d Coupé está mais potente ao receber o motor 2 litros com mais 6 CV que na anterior versão. Mais potente e também mais económico.

Se antigamente mais potência significava menos economia, actualmente não é bem assim e por isso é normal encontrarmos motores mais potentes sem que isso pressuponha mais encargos para o consumo e para as emissões. É o que acontece com esta versão mais musculada do conhecido motor de 2 litros da BMW, que tem vindo a ganhar cada vez mais poder, leia-se potência e mais genica nas rotações intermédias, que são as mais utilizadas no dia a dia.

O segredo deve-se não só a uma boa gestão mas também a outros fatores, como uma pressão de sobrealimentação mais alta e uma programação mais eficiente da caixa automática de 8 velocidades (uma opção que inflaciona 2100 euros o preço mas que recomendamos) que assim consegue que o binário máximo de 400 Nm, disponível desde muito cedo (1750 rpm), explore toda a potência disponível até esta atingir os 190 CV às 4000 rpm. Essa é uma das razões porque o índice de elasticidade cresceu, com a vantagem dessa caraterística ter beneficiado as recuperações em relação à anterior versão de 184 CV. Ao demorar apenas 7,9 segundos para ir dos 40 Km/h até aos 120 Km/h, o 220d coupé é não só mais agradável de utilizar como mais económico e, consequentemente, mais amigo do ambiente.

Ainda que nunca tivéssemos conseguido a média de 3,8 l/100 Km a que corresponde um nível de emissões de 99 g/Km é fácil gastar pouco, mesmo quando exploramos a vertente mais desportiva deste modelo que, como sabemos, utiliza a mesma plataforma do Série 1, do qual herda também a mesma estrutura da suspensão à frente e atrás, podendo regular-se ou ser rebaixada conforme a opção escolhida, sem que isso penalize demasiado o conforto.

Um dos pontos mais fortes deste modelo é a sua dinâmica, com destaque para a tração traseira, onde os pneus são mais largos que à frente. Também a direção muito direta interpreta com rigor as trajetórias, o que desperta uma grande vontade de andar depressa sem que as reações do 220d Coupé causem surpresas desagradáveis. A tendência para o trem traseiro gerar alguma deriva é facilmente controlada pela direção ou pela intervenção eficaz das ajudas ativas, principalmente do controlo de tração, já que o controlo de estabilidade está afinado para entrar muito mais tarde. Entre os seus concorrentes apenas o Toyota GT 86 proporciona o mesmo prazer desportivo, ainda que o carro japonês não tenha no seu portfólio nenhum diesel, ao contrário do Peugeot RCZ e do VW Siroco.

VEREDITO

O que mais nos surpreende nos motores da BMW é a sua enorme eficiência energética. Ainda que os consumos reais andem longe dos anunciados, a diferença é menor que na maioria dos rivais. Isto sem prejudicar as prestações e o comportamento.


Ensaio publicado na Revista Turbo 406, de julho de 2015

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.

Esta metodologia não foi aplicada a este ensaio. Todo o texto encontra-se no capítulo inicial.