Renovado Hyundai i20 já tem preços e data de chegada

Texto: Nuno Fatela
Data: 5 Junho, 2018

Segunda proposta da marca com mais vendas na Europa, o modelo para o segmento B foi agora renovado e deixa de contar com o Diesel na gama. Os preços do Hyundai i20 vão começar num patamar ligeiramente inferior ao atual, partindo dos 15700€, e a comercialização arranca no início de julho. Para quem deseje a variante de inspiração off-road i20 Active será preciso esperar até ao outono, num momento em que também chegam os motores a gasolina turbo, os mais potentes da gama.

A Turbo está em Frankfurt para descobrir o renovado Hyundai i20, uma atualização ao modelo que a marca lançou em 2015 e que, demonstrando o seu peso cada vez maior no mercado europeu, superou em 2017 pela primeira a barreira das 100.000 unidades vendidas anualmente. E uma das explicações do fabricante coreano é que, ao analisar de forma lógica os concorrentes no segmento B (uma faixa muito competitiva e onde este coreano rivaliza com o Renault Clio, o Peugeot 208, o Volkswagen Polo, o Opel Astra, o Ford Fiesta e outros “pesos-pesados”), a marca conclui que a oferta do Hyundai i20 supera a dos adversários. Daí que tenha sido escolhido como mote para o lançamento deste restyling a expressão “Follow your Brain”.

Os equipamentos e preços do Hyundai i20

Para tal a marca revelou que os preços do Hyundai i20 desceram agora 500€ em comparação à geração lançada em 2015. Com a entrada em comercialização marcada para o início de julho, o modelo surge num patamar inicial de 15784€ (mais despesas de legalização e transporte e também o Ecovalor) para o nível de equipamento Comfort e o motor a gasolina 1.2 MPi de 75cv. Este valor contempla já equipamentos como as jantes de liga leve com 15”, os vidros escurecidos, faróis de nevoeiro, câmara traseira, display audio de 7” e ar condicionado manual.

Acima deste surge o equipamento Style com o motor 1.2 MPi de 84cv. Neste caso, os preços do Hyundai i20 arrancam nos 18237€(com as mesmas condições acima referidas), e juntam-e à oferta as jantes de liga leve com 16”, os sensores traseiros, óticas de dupla projeção com LEDS, sensores de chuva e de luz, a recolha elétrica dos espelhos, o volante multifunções em pele, o IDS (Idle Stop&Go, o sistema de paragem e arranque da marca) e o Smart Sense. Esta última designação engloba os quatro sistemas de assistência ao condutor que se apresentam como um trunfo da renovada gama, e que são a ajuda à manutenção em faixa, alerta e travagem de emergência para evitar colisões, monitorização da atenção e ainda a comutação automática da iluminação.

O Tucson junta-se à festa

Uma das apostas da marca para a fase de lançamento passa pela campanha Flexmobility. Trata-se de uma oferta que permite fazer uma entrada inicial de 4800€ e posteriormente pagar apenas 195€ por mês, num prazo de 48 meses, para guiar o Hyundai i20. Esta proposta, que está disponível durante o primeiro mês no mercado (até final de julho), inclui ainda a manutenção, assistência, danos próprios, pneus, assistência em viagem e viatura de substituição, e tem por base uma distância máxima de 60000km percorridos durante os quatro anos. Mas junta ainda mais um elemento, que passa pela possibilidade do proprietário do i20 poder durante quinze dias ficar ao volante do Hyundai Tucson, para, indica a marca, fazer uma entrada com outro estilo nos” momentos mais especiais”.

Mais novidades em outubro

Agendada para outubro ficou a entrada em comercialização do outro motor da gama. Trata-se do 1.0 T-GDi, disponível com 100cv e 120cv, o que significa que os Diesel deixam de marcar presença na oferta. Também para essa data está previsto o lançamento da variante de inspiração off-road ‘Active. Mas ainda não são conhecidos os preços do Hyundai i20 que tem uma distância ao solo superior em 20mm, proteções da carroçaria e outros elementos claramente inspirados nos SUV.

Também por saber está o montante que será pedido pelas duas opções com níveis de potência mais elevados na gama. Mas foi confirmado que a aposta irá incidir, claramente, sobre o 1.0 Turbo de 100cv, estando a motorização de 120cv disponível mediante encomenda. Para mais tarde também esperamos poder indicar qual o plano previsto para a versão de três portas, o i20 Coupé.

As novidades

Em termos estéticos a marca apostou por não alterar profundamente um visual que merece elogios, dado o perfil dinâmico e elegante que ostenta o Hyundai i20. Uma aposta em linhas emocionais que recebe agora novos atributos tecnológicos, como a iluminação LED na retaguarda, e uma maior eficiência aerodinâmica, algo para que contribui na dianteira o novo para-choques, com a grelha ‘Cascade’ e entradas de ar laterais que ajudam a canalizar o ar para as cavas das rodas.

Destaque ainda para as jantes, todas com novo desenho, e ainda as possibilidades de personalização, para que contribuem as nove cores no exterior, uma paleta que ganha o Tomato Red e o Champion Blue (das fotogalerias), e ainda os quatro interiores à escolha. A bordo deste modelo, cuja bagageira tem 326L de capacidade, as mudanças são bastante subtis, mas foi confirmado que para Portugal apenas o ecrã de infotainment de maiores dimensões, com sete polegadas, está disponível.

Na mecânica há que destacar a transmissão automática de sete velocidades e dupla embraiagem que foi desenvolvida pela própria Hyundai. Ela contempla um modo sport, que retarda as passagens de caixa, para um feeling mais desportivo, mas como está disponível apenas com os motores 1.0 TGDi apenas faz a entrada em cena também em outubro. A alternativa inicial passa, portanto, pelas caixas manuais de cinco velocidades disponibilizadas para os motores 1.2 MPi. De referir que todos os motores cumprem já as normas Euro6

Ao volante

Curiosamente, apenas foi possível testar a opção com menor peso para solo nacional nesta primeira experiência em Frankfurt com o renovado Hyundai i20. Há que dizer, como na mecânica surgem apenas ligeiras alterações na direção (tornando-a mais direta e com melhor resposta) e no amortecimento, esta aposta da marca coreana permanece fiel a si própria. O que não pode ser entendido como uma crítica, já que o i20 de 120cv é bastante agradável de guiar, com uma resposta bastante agradável do propulsor quando solicitado e uma boa capacidade para filtrar as irregularidades da estrada. Neste último ponto há, no entanto, que referir a maior eficácia que sentimos com o i20 5 portas em comparação com o i20 Active.

 

A grande surpresa acabou por ser, no entanto, a nova caixa automática de sete velocidades. Conseguindo um rolamento muito silencioso (há que referir que insonorização merece elogios, permitindo conversar calmamente sem ter que elevar a voz), pode-se dizer que praticamente não existem solavancos nas passagens de caixa. A exceção é, obviamente, quando se opta pelo modo Sport (que pode ser controlado como uma caixa sequencial, movendo a manete para cima ou para baixo) e se deixa as rotações subirem ao máximo antes da própria caixa reagir. Mas, pela suavidade que confere ao modelo, esta nova transmissão merece nova positiva.

Como vamos deixar os restantes pormenores (como os consumos) para quando ler, a partir de meados de junho, a Turbo 442, ressalvamos apenas mais um ponto. Embora cada vez mais os clientes estejam a fugir do preço acrescido dos sistemas de navegação, há que deixar bastantes elogios ao software instalado pela Hyundai no i20. Além de não ter comandos vocais confusos e que dizem para mudar de rota praticamente quando está no traço contínuo, o grafismo com as setas e a indicação de qual a via que deve seguir são muito claras. O que, para quem viaje muito e por vezes se sinta perdido e frustrado com as indicações que recebe dos sistemas de navegação, pode ser um ponto a favor no momento da escolha.

Partilhar