Participações às seguradoras vão cair 25% por causa dos ADAS

Texto: Nuno Fatela
Data: 10 Outubro, 2018

Os sistemas avançados de assistência ao condutor (ADAS) vão ser responsáveis por uma descida de 25% nas participações de sinistros às seguradoras até 2035

Cada vez mais estão a ser introduzidos novos apoios para os condutores, em parte pelo desejo dos fabricantes reforçarem a proteção dos seus clientes e também porque a própria legislação e exigência dos testes de segurança o obrigam. Agora a Associação de Companhias Seguradoras da Alemanha revelou qual será o impacto no seu negócio da progressiva introdução destas tecnologias.

Até 2035 as participações por sinistros vão cair 25%, numa descida que vai sendo progressivamente maior à medida que estes novos automóveis vão substituindo nas estradas os modelos mais artigos. Outro dado importante deste estudo, revelado no ‘Best of Belron’, tem a ver com o impacto distinto dos vários ADAS, podendo saber qual será a importância deles nesta queda das participações às seguradoras na fotogaleria seguinte.

Até 2035 as participações às seguradoras vão cair 25%, graças à introdução de novos sistemas avançados de assistência ao condutor (ADAS)
A queda será progressiva. Até 2021 estará nos 5%, e depois sobe para 10% em 2025, atinge os 15% em 2028 e cifra-se em 20% no ano de 2031.
O impacto dos vários apoios ao condutor será distinto, com dois deles a destacarem-se.
A travagem de emergência, que evita embates com outras viaturas e com peões, representa 40% da descida.
Além disso, este sistema de apoio que evita colisões também vai ajudar a baixar as estatísticas de lesões cervicais causadas por acidentes de automóvel
Também 40% será alcançado pelos sistemas de ajuda ao estacionamento.
Os sistemas de manutenção em faixa e para ajudar a mudar de via quando se está em autoestrada representam mais 10%.
Os sistemas de reconhecimento de peões e o cruise control adaptativo vão ajudar aos outros 10% na descida das participações
Para o funcionamento dos ADAS revela-se essencial a introdução nos automóveis de sensores e câmaras, bem como dos softwares para lerem as informações que estes captam

 

Veja também:

Utilização de cadaveres já foi “banal” nos testes de segurança
Suzuki com o pior resultado nos últimos testes do EuroNcap
Estes vídeos mostram comomo evoluiu a segurança dos automóveis
Estes foram os melhores carros nas avaliações EuroNcap do último ano
E aqui estão os modelos mais seguros de 2016
SUV são mais perigosos que outros automóveis em situações de atropelamento

Partilhar