Novo McLaren GT – Um Gran Turismo à moda da McLaren

Texto: Nuno Fatela
Data: 15 Maio, 2019

Promete conciliar as altas performances dos modelos de Woking com uma usabilidade que lhe permite ser conduzido no quotidiano ou então partir à descoberta das mais espetaculares estradas do mundo, com todo o requinte e velocidade. O McLaren GT começa a chegar aos clientes no final de 2019

Acabada de celebrar a produção de 20.000 automóveis ao longo da sua história, a McLaren expande agora o portefólio com o seu primeiro GT puro, um modelo que se junta às gamas Sport, Super e Ultimate. Sabendo que nem todos gostam de andar de superdesportivo todos os dias (vá-se lá perceber os motivos…), a marca cria uma proposta diferente que, apesar de se manter fiel ao seu ADN, promete ser muito mais confortável e fácil de guiar no dia-a-dia, mesmo em ambiente urbano.

Exemplo da usabilidade do McLaren GT é a sua bagageira. Aos 420L da bagageira junta-se um segundo compartimento de 150l na dianteira. Isto garante um total de 570l de arrumação e, usando a habitual unidade de medida “premium”, surge a promesse de caber um saco de golfe (ou dois esquis) a bordo do novo modelo da marca. Continuando a falar sobre os requintes do modelo, destaque para o recurso a uma combinação entre exclusividade e desportivismo nos materiais, aliando a nappa ou a alcantara a opcionais como a caxemira.

Fabricado com a habitual Monocell II em fibra de carbono dos modelos da McLaren, o GT distingue-se imediatamente pelo comprimento de 4683 mm (2675mm entre eixos), mais do que qualquer proposta das gamas Super e Sport, alongando as formas do seu cockpit desenhado como uma ‘gota de água’. Pelo uso da fibra de carbono, o McLaren GT acusa somente 1530kg na balança, o que significa menos 130kg que o rival mais próximo, anuncia o fabricante britânico. A sua distribuição será numa relação de 42,5% na frente e 57,5% na retaguarda.

Um gentleman na cidade… uma fera em estrada aberta

O McLaren GT assume uma dupla personalidade como provavelmente nunca antes de viu num outro modelo da marca. Porque não está pensado apenas para elevar acima dos 180 os batimentos cardíacos por minuto. Ele quer andar dentro de cidade com todo o civismo, contando para tal com soluções como um ângulo de ataque de 10º, facilitando as manobras. E ainda uma suspensão pneumática com triângulos duplos que, aliada à altura de 110mm ao solo e à opção entre os modos Comfort, Sport e Track,  traz mais conforto dentro do perímetro urbano (habitualmente mais sinuoso e esburacado). Com vista a esse refinamento nas viagens, surge o sistema Proactive Damping Control, desenvolvido a partir das tecnologias do 720S, que analisa a estrada a cada dois milésimos de segundo.

Mas ninguém compra um McLaren para andar só a pisar ovos. O que se quer pisar, e com toda a força, é o pedal do lado direito para ver a velocidade subir vertiginosamente. Neste caso, o resultado será um sprint até aos 100 km/h en 3,2 segundos e uma velocidade máxima de 326 km/h. Um prazer que tem origem no bloco V8 4.0l twinturbo de 620 cv (7500 rpm) e 630 Nm (5500 às 6500 rpm), em combinação com a caixa automática de sete velocidades SSG. O resultado promete ser uma entusiasmante condução em estrada aberta, por exemplo quando quiser seguir num ritmo “bem rasgadinho” nas Autobahn…

Falta portanto, a parte mais dolorosa do McLaren GT. Falamos do preço. Ainda só foram revelados os preços para solo britânico, mas fica imediatamente comprovada a exclusividade deste carro. Já disponível para encomenda, mas com entregas agendadas apenas para o final do ano, o Gran Turismo da marca  de Woking está avaliado em 163.000£ (187.700€).

 

Veja também:

ARTE e CIÊNCIA – McLaren Speedtail (Turbo Premium)
Os melhores desportivos de 2018
720S Spider é o McLaren descapotável mais eficaz de sempre
McLaren P1 vs Porsche 911 GT2 RS em Portimão. Quem é mais forte?
McLaren Senna GTR: ainda mais competitivo
McLaren 600 LT Spider: o céu é o limite

Partilhar