Novo concept da Citröen pode ser conduzido sem carta

Texto: Filipe Bragança
Data: 19 Fevereiro, 2019

A marca francesa poderá apostar na criação de um “mini-citadino”, 100% eléctrico que possa ser conduzido sem licença. Este amigável modelo é o Citroën Ami One

A Citroën revelou hoje uma das grandes novidades que prepara para o Salão de Genebra. E, curiosamente, esta grande surpresa até é bem pequena no tamanho… Com menos de 1,5 m de altura e com um peso que ronda os 450 kg, este concept encaixa-se na mesma categoria que um quadriciclo. Isto quer dizer que em Portugal ainda necessita da licença adequada, ao passo que em outros países europeus nem isso. Mas comparativamente a esta classe de modelos usados em perímetro urbano, tem a grande vantagem de não emitir poluição.

Com uma velocidade máxima de 45 km/h é pouco provável vermos estes Citroën Ami One a acelerar numa autoestrada, sendo os centros urbanos o seu habitat natural. Ainda assim, a ideia por detrás do concept passa por dar uma resposta aos desafios que os produtores de automóveis super compactos enfrentam. Desta forma a Citroën espera contrariar a nova tendência, que é a escolha pelos SUV cada vez maiores, abandonando totalmente os pequenos citadinos.

O vice-presidente para as áreas de produto e da estratégia da Citröen, Xavier Peugeot afirmou que para ele “o Citroën Ami One não é um carro, mas sim, representa a mobilidade que para alguns não é um objecto”. Xavier Peugeot sublinhou ainda que este veiculo “foi pensado para ser o mais durável possível e compartilhado ao máximo. Desta forma o carro é pensado de forma simples e o menos dispendiosa possível. Ao que tudo indica a marca francesa tem a estratégia traçada para a criação deste tipo de veículos, especializados em prestar serviços citadinos de ‘car sharing’. Desta forma, o double chévron espera ganhar vantagem em relação à concorrência por criar um modelo de raiz com estas características, enquanto os rivais adaptam outras viaturas para estes propósitos.

Veja também:

Os eléctricos que mantêm o apoio do Estado
Os grandes ausentes do Salão de Genebra

 

Partilhar