Novas casas só com carregadores para veículos elétricos no Reino Unido

Texto: Miguel Policarpo
Data: 16 Julho, 2018

O Governo do Reino Unido anunciou que vai ser obrigatório que as novas casas incorporem carregadores para veículos elétricos. A medida visa melhorar as condições para os utilizadores de automóveis de emissões 0 e impulsionar as vendas destas viaturas.

As infraestruturas de carregamento de automóveis elétricos continuam a ser um problema, de forma geral, em todos os países. O Governo do Reino Unido procura resolver esta questão, aumentando de forma exponencial os pontos de carregamento. Como? Cada nova casa terá de ser equipada com carregadores para veículos elétricos. A medida faz parte da iniciativa ‘Road to Zero’, que procura terminar com a venda de automóveis com motores Diesel e a gasolina por volta de 2040.

Atualmente, há cerca de 167 000 viaturas plug-in nas estradas do Reino Unido e apenas 16 000 pontos de carregamento, escreve o Jalopnik. Considerando estes dados, é necessário assegurar que os utilizadores de veículos elétricos têm locais disponíveis carregarem os seus automóveis. Também as instalações de iluminação pública terão dispositivos para carregamento dos veículos estacionados. A longo prazo, desta forma, a própria rede de iluminação será alterada.

O Governo do Reino Unido alocará um fundo adicional de 400 milhões de libras para os fabricantes de postos de carregamento e para as empresas que os instalam. O programa “Automated and Eletric Vehicles Bill” procura garantir que existam estações para carga nas estações de serviço de autoestradas e outros postos de combustível.

Recorde-se que o Reino Unido é dos países que tem reunido melhores condições para um impulso dos elétricos na Europa. O grupo constituído pela Alemanha, França, Holanda e Reino Unido detem 76% dos cerca de 100,000 postos de carregamento localizados no continente europeu. Tornar obrigatória a existência de carregadores para veículos elétricos nas novas habitações contribuirá para consolidar estes esforços.

Leia também: Carregamentos do Leaf causam polémica no Reino Unido

Partilhar