Mobieco

Publicidade

MANN-FILTER tem filtro de óleo para eixos elétricos de camiões Mercedes-Benz


Data: 19 de Julho, 2022

A MANN-FILTER desenvolveu um filtro de óleo para os eixos elétricos dos camiões eActros 300 e eActros 400, permitindo assegurar a lubrificação e a refrigeração daquele sistema.

A MANN-FILTER lançou o novo filtro de óleo W 7071 para os novos camiões elétricos eActros 300 e eActros 400 da Mercedes-Benz. 

Apesar de não terem caixas de velocidades convencionais, os camiões elétricos continuam a dispor de um sistema de transmissão que no caso do Mercedes-Benz eActros consiste num eixo elétrico (e-axle).

Aquele sistema compacto faz movimentar diretamente o eixo do veículo, uma que vez que  esta unidade integra o motor elétrico, a eletrónica de potência e a transmissão.

Como todos os componentes da transmissão estão incorporados no eixo, um só circuito de óleo é suficiente para cumprir as funções de refrigeração e lubrificação. 

Separação de partículas

Segundo a MANN-FILTER, esta vantagem constitui um desafio, já que o contacto do óleo com os componentes mecânicos e eletrónicos, as partículas de metal e os dentes da transmissão podem acabar no eixo elétrico, causando danos.

Assim, para funcionamento adequado do eixo elétrico aquelas partículas devem ser retiradas de forma eficiente. Tal como sucede com muitas transmissões convencionais é necessária a separação das partículas com recurso a um filtro.

LEIA TAMBÉM
Mercedes-Benz eActros. Camião elétrico começa a ser produzido no outono

Para cumprir as novas exigências da mobilidade elétrica, a MANN+HUMMEL desenvolveu uma nova gama de filtros de óleo de transmissão para proporcionar a refrigeração e a lubrificação do eixo elétrico.   

Novo lubrificante

O filtro de óleo de transmissão MANN-FILTER W 7071 está equipado com o novo lubrificante MULTIGRADE O-eM 50, concebido para cumprir os requisitos de lubrificação e refrigeração dos eixos elétricos. 

Além disso, aquele lubrificante sintético reduz a perda de carga em aproximadamente 50% em comparação com um lubrificante convencional, com a vantagem adicional da válvula de derivação abrir menos vezes e por períodos mais curtos.

Aquela baixa pressão também se traduz em menores requisitos de energia para todo o sistema com o consequente melhoria na autonomia das baterias. 

Outra vantagem consiste numa maior resistência química, permitindo prolongar os intervalos de manutenção, segundo as especificações do fabricante do veículo.