Lousã e Aldeias do Xisto: Recomeçar (ao volante do VW Tiguan Allspace)

Texto: Júlio Santos
Data: 19 Março, 2018

Há uma canção de Sérgio Godinho que se interroga sobre a força de acreditar quando tudo parece perdido. É esse querer interior inexplicável, essa vontade de retomar a normalidade perdida, que imediatamente reconhecemos neste regresso à Região Centro e às zonas devastadas pelos incêndios do ano passado com o VW Tiguan Allspace. Não hesite. Vá, ou volte às Aldeias do Xisto. Tudo está a recomeçar.

A primavera tem um lado de reinício, esperança e renovação, que as palavras só em parte conseguem traduzir. É algo que sentimos à medida que os campos se vestem, outra vez, de tonalidades que tínhamos esquecido mas que nos sabe bem recordar. É assim todos os anos, por todo o lado, mas voltar à Região Centro, às zonas devastadas pelos incêndios, foi, desta vez, especial. Há feridas profundas, algumas das quais permanecerão abertas para sempre, mas há, visivelmente, desejo de recomeço, que se sente um pouco por todo o lado. Na natureza e nas pessoas.

Regressar à Lousã e às Aldeias do Xisto, comportava riscos que valeu a pena correr. Os receios iniciais depressa deram lugar a um certo alívio por vermos quase integralmente preservado tudo aquilo que define o fascínio de uma região que merece ser descoberta e, depois, redescoberta, pela sua beleza e capacidade de reinventar aquilo que tem de único.

Uma caraterística que não tardamos a reconhecer, também, no novo VW Tiguan Allspace. Toma como ponto de partida aquele que é um dos melhores SUV no mercado mas a designação Allspace e os 22 centímetros a mais, definem uma nova personalidade. Novas aptidões familiares traduzidas na terceira fila de bancos onde dois adolescentes viajam em pleno conforto.

O Volkswagen Tiguan Allspace foi protagonista nesta nossa Viagem Turbo

E uma bagageira que pode superar os 1700 litros de capacidade para transportar a “tralha” de toda a família ou equipamentos de desporto, como duas bicicletas de montanha para descobrirmos os trilhos da Serra da Lousã, paraíso do BTT e da caminhada. Uma ainda maior versatilidade, associada à mesma aptidão para mostrar-nos paisagens que só um SUV consegue proporcionar-nos, graças à maior altura e à tração integral 4Motion (selecionável em função das necessidades) que permite ao VW Tiguan Allspace enfrentar com igual eficácia longos trajetos em autoestrada e os trilhos de montanha mais desafiantes. E, não menos importante, as mesmas caraterísticas de segurança, conforto e economia que recordamos ainda antes de a “aventura” começar.

ONDE O TEMPO PAROU

SUBLIME – Além de paisagens inesquecíveis, a Serra da Lousã oferece um conjunto vasto de possibilidades e experiências aos amantes dos desportos de natureza, como a caminhada e o BTT. Ao redor, não deixe de visitar locais como Coja, Arganil ou Avô

Desde Lisboa, como a partir do Porto, são duas horas de viagem por autoestrada, com boas indicações, até chegarmos à Lousã. Para os miúdos (e não só) é importante prever uma paragem de duas horas em Miranda do Corvo, para uma visita ao Parque Biológico que aloja espécies, como lobos, ursos, javalis e veados, num ambiente que recria muito bem o habitat natural. A visita custa 6€ e ali mesmo ao lado não deixe de conhecer o Centro de Artesanato onde pode tomar contacto com alguns ofícios já esquecidos, como a cestaria ou a olaria.

 

No centro de Miranda do Corvo vai descobrir a indicação para a primeira das Aldeias do Xisto que deve visitar: Gondramaz, que Miguel Torga refere no seu diário, salientando o isolamento e a dificuldade para aqui chegar, a pobreza mas também a tranquilidade que adivinhamos ainda ao longe e que se torna ainda mais cativante à medida que nos embrenhamos nas ruas estreitas de casas em pedra, muito bem recuperadas, que nalguns casos podem ser alugadas para estadias de fim-de-semana.

 

O tempo parece que parou; a comunhão com a natureza é de tal forma perfeita que a partilha das emoções é feita quase em surdina. Tudo convida à contemplação de uma paisagem que nos enche a alma. Os muitos que se aventuram de bicicleta, serra acima, garantem, até, que, ali chegados, toda a fadiga desaparece. Resta-nos acreditar, pois a bordo do VW Tiguan Allspace, a viagem decorre de forma tranquila e em pleno conforto.

 

PEDRA PRECIOSA

DIVERSIDADE – Este passeio à região Centro tem como primeira paragem obrigatória o Centro Biológico, em Miranda do Corvo. Uma reserva natural onde encontramos, em habitat natural, espécies diversas, como o lobo, o lince ibérico, o javali e até um urso. Ali perto não deixe de visitar o centro de artesanato

O motor TDI de 2.0 litros com 150cv e a caixa de velocidades automática parece terem sido feitos “um para o outro”, o que explica os baixos consumos (menos de sete litros aos cem quilómetros, mesmo considerando os exigentes trajetos em serra) e a plena disponibilidade em todos os regimes. Uma disponibilidade que nos recorda a forma como somos acolhidos nestas aldeias, verdadeiros tesouros (mesmo que o xisto não integre a lista das pedras preciosas) bem preservados no coração da Serra da Lousã, como é o caso da aldeia de Talasnal.

 

“Empoleirada” sobre um maciço xistoso, parece ser um prolongamento da paisagem. Ao longe, só percebemos que isso não é verdade devido ao facto de estar envolta por um verde luxuriante onde se escondem javalis e veados e onde no verão nos queremos refugiar. Também aqui a recuperação das casas roça o sublime. Também aqui reina a paz, um silêncio profundo apenas cortado pelo som da água que, lá em baixo, rasga o seu caminho até às cascatas próximo do santuário de Nossa Senhora da Piedade, que nos oferecem aquela que é uma das mais belas praias fluviais do País.

Paz, recato, convite à introspeção e, quase sempre, projetos individuais de recuperação do património histórico são apenas algumas das caraterísticas que identificamos em quase todas as Aldeias do Xisto, mas é fundamental reconhecer o esforço que cada uma tem feito para preservar o seu legado individual.

TESOUROS – O xisto não integra a lista das pedras preciosas mas a tonalidade e o ambiente que empresta às aldeias da região Centro faz delas autênticos tesouros de paz e tranquilidade. Apetece-nos sempre regressar às Aldeias do Xisto pois a paisagem é verdadeiramente única. E assim permanece, mesmo depois da devastação do ano passado. Todo o encanto está lá. À sua espera

 

Talvez isso seja ainda mais evidente no Piodão, encravada no fundo da Serra do Açor, que foi capaz de reter um número muito significativo de residentes (cerca de duas centenas). Gente que ama a sua terra, mantendo intacta a sua traça original mas tentando dar-lhe uma vida própria que é capaz de deslumbrar turistas vindos de toda a parte, pela beleza, pela surpresa de cada recanto que parece ter sido desenhado, e por uma gastronomia onde se destacam, naturalmente, o presunto, o queijo, os enchidos, a broa feita de batata e, claro, os pratos à base de carne, servidos em restaurantes confortáveis.

PARA TODOS O aumento do comprimento em 22 centímetros face ao VW Tiguan confere a esta versão Allspace caraterísticas únicas. Mantém intactas as aptidões dinâmicas (mesmo a capacidade de manobra em espaços apertados), e responde às necessidades de uma família alargada. A funcionalidade de um MPV e a versatilidade de um SUV

 

O sobe e desce íngreme das estreitas ruelas do Piodão e, lá em baixo, a lindíssima praia fluvial são autênticos postais capazes de encher cartões de memória daqueles que ali param mas que, como nos dizem, não são capazes de apagar da memória dos que lá vivem as dificuldades criadas pela inexistência de um balcão de banco ou de uma escola (a mais próxima está em Arganil, a quase 40 quilómetros), pelo que não admira que entre a população residente não encontremos praticamente crianças ou jovens, o que faz temer pelo futuro daquela que é, para muitos – justificadamente – a mais bela das aldeias de Portugal.

Artigo publicado originalmente na Revista Turbo 439, de abril de 2018. Já nas bancas!