Infiniti QX50 estreia taxa de compressão variável

Texto: Nuno Fatela
Data: 24 Novembro, 2017

Este é o primeiro modelo de produção a equipar um motor com taxa de compressão variável. Com apresentação marcada para Los Angeles, no início de dezembro, o Infiniti QX50 consegue assim aliar a potência de um gasolina à eficiência e binário de um diesel.

A nova aposta da Infiniti, marca de luxo da Nissan, será revelada no Salão de Los Angeles. Mas se o estilo exterior é apelativo e interessante, a maior novidade está sob o capot. Isto porque o novo Infiniti QX50 faz a estreia, entre os modelos de produção, do motor com taxa de compressão variável (uma tecnologia já antevista pela marca). Ao conseguir alterar este ratio, dando primazia às performances ou à eficiência, o modelo consegue oferecer os altos níveis de potência de um gasolina mas também ter consumos ao nível dos diesel.

Esta tecnologia tem por base um sistema articulado que aumenta e baixa o alcance dos pistões, sendo esta a razão para a mudança da taxa de compressão. Quando o ratio é elevado (no máximo são 14:1) é a eficiência que sai beneficiada, e quando ela é mais baixa (mínimo do 8:1) os ganhos são ao nível do binário e da potência.

O resultado neste motor com taxa de compressão variável são 268CV e 350Nm extraídos de um bloco de 2.0L, com o nome de VC-T turbo. Os consumos anunciados são de 8,7L/100km, o que até pode parecer pouco apelativo se olharmos para os números com pouca atenção. Mas falamos de um motor já com potência assinalável que está a puxar um SUV bastante pesado e que, nas versões com duas rodas motrizes, aumenta a eficiência em 35% comparativamente ao anterior V6 a gasolina. Quando surge nos Infiniti QX50 de tração integral, o motor com taxa de compressão variável melhora os consumos em 30%.


Também a Mazda investiga a alteração da taxa de compressão como forma de aumentar a eficiência dos motores. Isso ficou mostrado em Tóquio com o novo SkyActiv-X do Kai concept, o modelo que anuncia o novo Mazda3


Outras novidades em destaque no novo Infiniti QX50 são a introdução de uma nova plataforma, a utilização das tecnologias ProPilot (já nos mais recentes Nissan lançados em Portugal, como o Qashqai e o Leaf) e o que a marca afirma ser a combinação de “um design exterior poderoso e um interior manufaturado”. No que se refere à imagem exterior isso fica já comprovado, sendo o QX50 um fiel representante da filosofia “Powerful Elegance”, com a postura marcada pela grande distância ao solo, habitual nos SUVS, e linhas vincadas que enfatizam a aerodinâmica.

Estas grandes dimensões serão também importantes para garantir generosas áreas a bordo, além de uma bagageira com 895L que se alargam até aos 1699L. Ou, utilizando a unidade de medida habitual entre os fabricantes premium, o suficiente para transportar três sacos de golfe.

Partilhar