Publicidade

Ford Mustang Bullit regressa em espetacular encontro com a história

Texto: Nuno Fatela
Data: 15 de Janeiro, 2018

O modelo presta tributo a um dos momentos que mais marcou a sua história, e que foi a mítica perseguição pelas ruas de San Francisco com Steve McQueen ao volante. O Ford Mustang Bullit regressa como uma edição especial e encontra-se com o antepassado que esteve desaparecido durante 50 anos.

O filme Bullit, com Steve McQueen como protagonista, é uma das obras que fica para a história. Considerado como a mais espetacular cena automóvel dos anos 60, e também aquela que estabeleceu os cânones para uma verdadeira perseguição a alta velocidade na sétima arte, ele tem como momento alto os loucos dez minutos em que o herói persegue a toda a velocidade pelas ruas de São Francisco dois assassinos profissionais. O carro utilizado era um Mustang, e esse momento é agora celebrado através de uma edição especial para o mítico modelo americano.

O mais espetacular da revelação do Ford Mustang Bullit reside precisamente no encontro com a história, já que a sua revelação, no Salão de Detroit, serve para o reencontro com o seu antepassado. No filme Bullit foram utilizados dois exemplares, um deles conduzido por McQeen. O outro foi utilizado nas acrobacias do filme e posteriormente enviado para a sucata, ressurgindo em Baja no último ano. Mas o carro do herói tinha desaparecido após ter sido vendido pela Warner Bros no final das gravações. Agora foi descoberto e volta agora à ribalta após 50 anos, partilhando o palco do Salão de Detroit com a nova série especial que lhe presta tributo.

A assinalar esse momento, Molly McQueen, neta do mítico ator, surge agora no filme de apresentação do Ford Mustang Bullit. Nesta obra ela conduz o carro até ao evento realizado na Motor Town americana, aproveitando as elevadas performances para ganhar o corrida pelo último lugar no evento a um Dodge Charger.

Essas excelsas capacidades ficam a cargo do bloco V8 5.0L de 475CV e 569Nm, que permitem atingir uma velocidade máxima de 262km/h. O modelo tem ainda uma transmissão manual, que acolhe uma manete redonda no topo da alavanca da caixa de velocidades em tributo ao original. Entre as mudanças está ainda o sistema de escape de performance, com válvulas ativas e o coletor do GT350, que termina com as ponteiras em tom Black Nitro Plate. A inclusão dos GT Premium e Performance Packages culminam os upgrades.

Em termos estéticos é logo de ressalvar a semelhança com o original, graças à inclusão de um tom Dark Highland Green onde brilham ainda mais os elementos cromados, numa imagem exterior que inclui ainda a grelha preta e o sistema de travagem com acabamentos a vermelho, escondido atrás das jantes de 19’’. Além disso, a única referência exterior à edição especial Ford Mustang Bullit é o logotipo redondo que surge na retaguarda.

Se no exterior é o lado clássico que sobressai, ligando-se ao original, no interior é a modernidade tecnológica que sai valorizada. Por isso, a maior novidade é o painel de instrumentos digital com LCD de 12’’, que conta com um grafismo de boas vindas específico no Ford Mustang Bullit. Outro destaque é vai para os bancos Recaro com pele negra e costuras a verde. Eles integram a reduzida lista de opcionais do Ford Mustang Bullit, que conta também com a suspensão semiativa MagneRide e o Eletronics Package com navegação, bancos e retrovisores com função memória, deteção de objetos no ângulo morto e ainda um sistema de som mais potente.