Publicidade

Ferrari. Revelamos-lhe 10 curiosidades que talvez desconheça

Texto: Miguel Policarpo
Data: 21 de Janeiro, 2022

Hoje em dia vulgarmente apontada como a marca automóvel mais valiosa do mundo, a verdade é que não faltam curiosidades ao longo dos já 75 anos de vida da mítica Ferrari. Recordamos-lhe alguns…

1. A cor vermelha não foi uma ideia original da Ferrari

Surpreendentemente, a emblemática cor vermelha que associamos à Ferrari – e que , diga-se de passagem, tão bem fica a qualquer modelo – não foi escolha da marca. Não havia outra opção. Isto porque a Federação Internacional de Automobilismo determinou que, nos primórdios da existência do Grand Prix, todos os carros de corrida italianos teriam de ter a cor vermelha. A pintura “Rosso Scuderia” não é fruto de uma ideia de marketing irreverente, apenas de uma adaptação às forças de circunstância.

Ferrari California T Rosso Scuderia

2. Merchandise Ferrari, um negócio exorbitante

A Ferrari alcançou um prestígio internacional sem limites. O símbolo do cavalinho é a tradução de notoriedade e excelência, características consolidadas pelo marketing da marca. Só em merchandise, artigos alusivos à marca, a Ferrari lucra cerca de 1.5 biliões de dólares por ano, o que se converte em aproximadamente 1.37 mil milhões de euros. Desde roupa a relógios, de óculos de sol a capas para telemóvel e carros de escala de colecção, o catálogo parece infindável. E não são artigos propriamente baratos – a réplica do Ferrari F14T à escala de 1:8 custa 5,400 dólares (4,936 euros). Os óculos de sol ultrapassam os 200 dólares (183 euros). Tudo se conjuga para fortalecer a posição da Ferrari como uma das mais marcas de automóveis mais valiosas do mundo.

Colecção de relógios Ferrari

3. São dois os parques temáticos Ferrari 

Na região do Golfo Pérsico há bastantes fãs da Ferrari. Nas zonas árabes ricas vendem-se mais automóveis da Ferrari do que em qualquer parte do mundo. Em Abu Dhabi abriu o primeiro parque temático Ferrari, o “Ferrari World”, em 2010, com quatro montanhas russas, sendo que uma delas é inspirada nas corridas de F1 e é a que atinge a maior velocidade do mundo –  240 km/h. As pessoas com mais de 21 anos podem conduzir, inclusivamente, nas ruas da Ilha de Yas, onde se localiza o Ferrari World. Enorme sucesso que determinou a abertura, em abril de 2017, do segundo “Ferrari World“, em Tarragona, perto de Barcelona.

Montanha-russa Formula Rossa

4. Pilotos da Ferrari venceram mais de 5.000 corridas profissionais

Os pilotos ao volante de modelos da Ferrari venceram mais de 5.000 corridas profissionais. Desde a primeira conquista em 1947, mais de 5.000 troféus têm o carimbo da Ferrari, incluindo 15 títulos mundiais da Fórmula 1, 16 distinções como melhor construtor da Fórmula 1, 14 conquistas como melhor fabricante de Carros Desportivos, 9 vitórias nas 24 Horas de Le Mans, 8 e 7 triunfos nas corridas de Mille Miglia e Targa Florio, respetivamente. No total, são 238 vitórias para a marca no Grand Prix da Fórmula 1. Às imperiosas máquinas unem-se fabulosos pilotos, demonstrando o poder da Ferrari na engenharia mecânica e no rigor do processo de recrutamento.

Michael Schumacher

5. Inauguração da Ferrari adiada pela Segunda Guerra Mundial

Enzo Ferrari, um homem cheio de ambições e sonhos, saiu dos quadros da Alfa Romeo, onde integrava o departamento de corridas Alfa Corse, para fundar a sua própria marca. Em 1939, quando reuniu condições financeiras e confiança suficiente para partir para a aventura em nome próprio, deparou-se com o contra-tempo imposto pelo início da Segunda Guerra Mundial e adiou a inauguração da Ferrari. O 125 S, primeiro modelo da marca, estreou-se em Março de 1947, dois anos após final da Guerra.

Primeira Vitória da Ferrari

6. Apenas dois modelos do primeiro Ferrari foram produzidos

Apesar do sucesso do primeiro modelo da Ferrari, o referido 125 S, apenas duas unidades do automóvel foram produzidas. Conduzido por Franco Cortese, o 125 S estreou-se no Circuito de Piacenza, no que Enzo Ferrari mais tarde descreveu como “uma promessa falhada” – uma falha na bomba de combustível ditou o afastamento prematuro de Franco Cortese da pista enquanto o piloto se encontrava na liderança da corrida. Ao início turbulento sucedeu-se uma brilhante campanha no Grand Prix de Roma, em 1947, ea conquista de 6 de 13 corridas nesse mesmo ano. Infelizmente as 2 unidades deste modelo foram desmanteladas pela Ferrari para aproveitar peças para os outros modelos subsequentes da marca.

Ferrari 125 S

7. Enzo Ferrari manteve-se perto da sua cidade natal

Natural de Modena, Italia, Enzo Ferrari não se afastou das suas origens. Viajou pelo mundo com a sua equipa de corridas e por questões relacionadas com o negócio da Ferrari mas viveu toda a sua vida entre Modena e Maranello. A primeira fábrica da Ferrari era em Modena e a sede da Ferrari atual tem a morada nesta cidade, onde também se encontra um museu da marca. A Ferrari impulsionou o turismo nestas cidades, encontrando-se turistas provenientes de todo o mundo para visitar estas atrações da il cavallino rampante.

Museu Enzo Ferrari em Modena

8. Fiat controlou a Ferrari

Outrora um negócio de família, em 1969 Enzo Ferrari vendeu 50 % da companhia à fabricante italiana Fiat, numa transação que concedeu à Ferrari o capital na altura necessário para a marca. Pouco antes de falecer, em 1988 Enzo Ferrari e o filho, Piero Ferrari, venderam uma percentagem ainda maior, pelo que a família passou a ser proprietária de apenas 10% da Ferrari.

Enzo Ferrari com Luca di Montezemolo e Niki Lauda.
(provável fotomontagem)

9. Símbolo é homenagem a piloto de guerra

Conta-se a história de que o símbolo da Ferrari, o cavalo negro empinado num fundo amarelo acompanhado com as letras S F de Scuderia Ferrari, remonta ao símbolo utilizado pelo Conde Francesco Baracca, um às da força aérea italiana que morreu ainda jovem em combate na Primeira-Guerra Mundial. Enzo Ferrari conheceu o Conde e a Condessa Baracca, os pais de Francesco, que sugeriram a Enzo que utilizasse o símbolo do seu filho, um cavalo empinado alusivo ao regimento da Cavalaria – na altura as forças aéreas italianas não tinham uma administração independente – tal como Francesco Baracca imprimia na lateral dos seus aviões. Enzo completou o símbolo com um escudo amarelo no fundo, em tributo à sua cidade natal, Modena.

Símbolo Ferrari

10. Todos os elementos de um Ferrari podem ser personalizados

Qualquer elemento de um Ferrari pode ser personalizado de acordo com os gostos do cliente. O programa “Tailor Made” permite ao comprador personalizar a sua viatura, num processo que ocorre na fábrica de Maranello, em Itália. Dos adornos do interior aos acessórios e ao piso dos pneus – a escolha é do consumidor. Finalizado o processo de personalização, o cliente espera até um prazo de 2 anos para a chegada da sua viatura. Celebridades como o guitarrista Eric Clapton e o golfista Ian Poulter aderiram ao programa e criaram um Ferrari 100% aos seus gostos.

Apresentação Tailor Made

Veja a galeria alusiva aos 70 anos Ferrari: