Fabricantes adiam lançamentos para aumentar rentabilidade

Texto: Nuno Fatela
Data: 17 Abril, 2018

A constatação das datas de renovação dos modelos mais comercializados em solo europeu serviu de base para esta acusação da parte da Transport & Environment, que diz que os fabricantes adiam os lançamentos de modelos com menor impacto ambiental

Com a data final para o cumprimento das atuais metas de emissões apenas estabelecido para 2020-2021, a organização ambientalista europeia Transport&Environment veio acusar os fabricantes automóveis de estarem a adiar o lançamento de novos modelos para aumentar os lucros. Esta conclusão teve por base a análise das datas de renovação ou lançamento de novas gerações dos modelos mais comercializados no mercado continental. Do Top-50 de vendas, apenas seis foram renovados em 2017, mas estão previstas evoluções para 21 desses modelos entre 2019 e 2020. Após esta  futura ofensiva, apenas a Fiat, Hyundai-Kia e Honda vão ficar em risco de ser multadas por exceder as metas estabelecidas para o final da década.

 

Além do aumento da eficiência nas propostas a lançar, destaque também para a introdução de motorizações alternativas. Até porque, acusa a organização ambiental num estudo, “pelo limitado lançamento de tecnologias para aumentar a eficiência nos veículos com motores de combustão, a maioria dos fabricantes vão precisar de aumentar a venda de viaturas com -50g/km de emissões de CO2”. Para essa ofensiva também contribui o ‘problema’ causado pelos SUV, que ajudaram a um aumento do peso médio dos carros em 124kg entre 2010 e 2016, o que significa, isoladamente, mais 10g/km de CO2. O aumento da potência dos automóveis em 28%, para o mesmo período, é outro fator que teve impacto nas emissões.

 

Fonte: Euractiv

Partilhar