Renault Clio E-Tech 140 RS Line. A olhar o futuro

Texto: Francisco Cruz
Data: 21 de Maio, 2021

Utilitário já com mais de 25 anos no mercado, o incontornável Renault Clio não desiste, ainda assim, de apontar ao Futuro. Depois de uma nova geração, a modernidade, no modelo, afirma-se, agora, através de uma interessante motorização híbrida suave (E-Tech) a gasolina de 140 cv.

Até aqui limitada às motorizações ditas tradicionais, a gasolina e a Diesel, a Renault responde agora aos ditames de um mercado cada vez mais exigente em termos de emissões, juntando às propostas exclusivamente elétricas, como o Zoe, as motorizações híbridas e híbridas plug-in. Às quais o construtor decidiu atribuir a sua nova “etiqueta ambiental”, E-Tech.

No caso específico e particularmente difícil dos utilitários, segmento que até há bem pouco era um feudo quase exclusivo da Toyota e do seu Yaris, a marca francesa avança com o incontornável Clio, o qual recorre a um esquema híbrido série-paralelo, beneficiado com tecnologias importadas da Fórmula 1. Com reflexo, inclusivamente, naquela que a verdadeira revolução neste Clio E-Tech – a caixa de velocidades de carretos direitos.

INTERIOR

Mas, quanto ao sistema propulsor, já lá vamos. Antes disso, importará recordar aquilo que faz deste modelo francês um verdadeiro sucesso de vendas no mercado nacional: a consensualidade. Predicado que começa por fazer-se sentir nas linhas exteriores, com a versão RS Line a acrescentar um toque de distinção através das aplicações metalizadas e das bonitas (mas opcionais) jantes de 17″, e que se prolonga para o habitáculo, onde a aplicação da mesma estratégia, tenta elevar a impressão de qualidade num ambiente de linhas direitas onde também não falta o toque de cor.

LEIA TAMBÉM
E-Tech. Eis os novos modelos híbridos da Renault

Confortável para os ocupantes e agradável no ambiente que proporciona, o Clio mantém as boas impressões também em aspectos como a posição de condução, de fácil regulação e boa visibilidade para o exterior, além de a proporcionar fácil acesso à generalidade dos comandos. Com particular destaque para o generoso ecrã táctil concebido à imagem de um tablet e que, tal como estes, mostra-se intuitivo na utilização.

Quanto aos passageiro dos bancos traseiros, certamente agradecerão o espaço convincente nos lugares traseiros, inclusive, para três adultos, para os quais não falta sequer um bom acesso. Ou até mesmo uma bagageira que, embora com um acesso um pouco alto, ainda consegue oferecer 254 litros de capacidade, a par de um portão com nova e funcional pega interior.

MECÂNICA

Passando ao outro extremo da carroçaria, um quatro cilindros 1,6 litros de ciclo Atkinson, a debitar 92 cv, e a que se juntam dois motores elétricos: um de 49 cv, com funções de motor e gerador, e um outro de apenas 20 cv, destinado apenas e só a gerar energia. Todos juntos, a garantirem uma potência combinada de 140 cv.

A gerir o funcionamento em série, paralelo ou numa mistura de ambos, uma inovadora transmissão de carretos direitos, montada no espaço de uma caixa EDC, e a oferecer quatro relações para o motor térmico, mais duas para o motor elétrico principal. E que, por serem independentes entre si, conseguem oferecer um total de 15 combinações de propulsão distintas, desde puro elétrico a totalmente térmico…. e sem qualquer embraiagem.

Finalmente, a fornecer energia, uma pequena bateria de 1,2 kWh e 230V que não oferece quaisquer tipo de problemas em termos de arrumação, além de contribuir para que o Clio não só arranque sempre em modo elétrico, mas até faça cinco ou seis quilómetros sem gastar pinga de combustível…

TECNOLOGIA

Revelando uma proximidade, cada vez maior, neste domínio, dos irmãos maiores, a verdade é que não faltam ao Clio, também, argumentos tecnológicos, a começar, pelo generoso e ainda mais atraente ecrã táctil de 9,3″ (opcional, por 300€) que serve de acesso ao conhecido sistema de info-entretenimento Easy Link, ou então, oelo carregador de telemóvel por indução. Sem esquecer a presença de sistemas de ajuda à condução e à segurança, como a travagem de emergência ativa, regulador/limitador de velocidade, sensores de chuva e luminosidade, ajuda ao estacionamento dianteiro e traseiro, câmara de marcha-atrás, ou do sistema de assistência na condução em autoestrada e trânsito… opcional.

AO VOLANTE

Disponível não somente com um modo Eco, que o faz dar primazia à propulsão elétrica, mas também com um modo Sport, promessa de maior ímpeto na aceleração graças à conjugação dos dois sistemas propulsores, o Renault Clio E-Tech revela-se um utilitário cada vez mais refinado, bem insonorizado e ágil na condução citadina. Embora com a mais-valia elétrica a desaparecer mais depressa do que seria desejável. Para regressar, em seguida, após alguns quilómetros (até porque não possui carregamento externo), durante os quais não deixa de notar-se a falta dos 49 cv garantidos pelo principal dos motores elétricos.

Quanto aos consumos, uma boa surpresa, graças a uma média de 4,8 l/100 km, e que até poderia ser mais baixa, não fora a média, em termos de velocidade, também ela de bom nível – 40, 6 km/h.

VEREDICTO

De olhar permanentemente no futuro, o Renault Clio parece determinado a não permitir que os anos passem por si. Ainda para mais, com esta nova e mais moderna motorização Mild Hybrid, uma óptima aquisição para ajudar a garantir, quem sabe, se calhar, mais 25 anos de vida…

 

Gostámos Gostámos

Estética exterior

Valendo-se de linhas atraentes e consensuais, a que soma alguns pormenores de classe, o Clio continua a somar qualidade

Ecrã táctil de 9,3 polegadas

Generoso nas dimensões e a sobressair do tablier, o novo ecrã táctil exibido pelo Clio cativa ao olhar… e na utilização. Só é pena ser pago à parte…

Espaço no banco traseiro

Marcado pelas já tradicionais dimensões compactas, o Clio não deixa de oferecer boas quotas de habitabilidade nos lugares traseiros

Não Gostámos Não Gostámos

Sem pneu sobressalente

Por mais tempo que passe, continuamos sem nos conseguirmos habituar: será que custa assim tanto oferecer pneu sobressalente de série?

Autonomia do sistema elétrico

Embora tratando-se de um “mero” Mild Hybrid”, um pouco mais do que 5 km de autonomia elétrica, seria sempre muito bem-vindo…

Excesso de opcionais

É bonito, tem vários pormenores que cativam, mas também é verdade que não lhe faltavam opcionais…


Renault Clio E-Tech RS Line

Preço 27.950,00

Motor 4 cil. 1.598 cc Injecção Indirecta a gasolina
Potência 140 cv
Binário 144 Nm
Transmissão Automática de 4 velocidades
Peso 1313 kg
Comp./Larg./Alt. 4,05/1,79/1,44
Dist. entre eixos 2,58
Mala 254 l

Desempenho 9,9 0-100 km/h; 180 km/h Vel. Máx.
Consumo 4,4 (4,8) l/100 km
Emissões CO2 99 g/Km

Equipamento
Série: Sistema de assistência à travagem de urgência, Alerta de distância de segurança, Alerta de excesso de velocidade, Sistema de assistência na transposição involuntária de via, Sistema de travagem de emergência ativa com deteção de peões e ciclistas, Controlo eletrónico de estabilidade e Sistema de ajuda ao arranque em subida, Regulador e limitador de velocidade, Modo ECO, Chamada de emergência Renault, Sensores de chuva e luminosidade, Sistema de ajuda ao estacionamento dianteiro e traseiro, Câmara de marcha-atrás, Ar condicionado automático, Carregador de telemóvel por indução, Ecrã TFT 7″, EASY LINK 7″ (com navegação), Sistema MULTI-SENSE com iluminação de ambiente interior (8 cores à escolha), Cartão Renault mãos-Livres, Vidros laterais traseiros sobreescurecidos, personalização exterior e interior RS Line, e Kit de enchimento de pneus