Opel Combo-e Life Elegance Plus. Multiusos exclusivamente elétrico

Texto: Carlos Moura
Data: 22 de Abril, 2022

Veículo polivalente e multiusos, o Opel Combo Life entrou numa nova fase da sua existência ao ser proposto exclusivamente como elétrico, com uma autonomia de até 280 km. Entre os seus atributos destaque para o espaço a bordo, a funcionalidade e a agradabilidade de condução. A qualidade sofrível dos materiais e o preço elevado estão entre os pontos negativos.

A propósito do Ford Model T, Henry Ford costumava dizer que os clientes podiam escolher qualquer cor da carroçaria, desde que fosse o preto. Um século depois, a Opel adotou uma estratégia semelhante para as versões de passageiros do modelo Combo, denominadas Life, dizendo que é possível escolher qualquer tipo de motorização, desde que seja…elétrica.

Com o objetivo de se tornar numa marca puramente elétrica até 2028, a Opel resolveu descontinuar a oferta de motores de combustão em alguns modelos, começando pelas versões de passageiros de modelos comerciais, casos do Combo Life, Vivaro Combi e Zafira Life, as quais, desde o início de 2022, passaram a ser disponibilizadas exclusivamente com linha motriz elétrica.

O Opel Combo-e Life assume-se como um pequeno monovolume elétrico, que se dirige a jovens famílias com estilos de vida multifacetados, adeptas de uma mobilidade “verde”, e que necessitam de um generoso espaço interior.

Uma das versões disponíveis deste modelo é a de chassis curto (L1), com comprimento exterior de 4,40 metros, cinco verdadeiros lugares e nível de equipamento Elegance Plus, bastante completo.

INTERIOR

A versão de chassis curto do Opel Combo-e Life oferece uma lotação para cinco pessoas, distribuídos em duas filas de bancos (2+3), sendo os assentos traseiros individuais e rebatíveis.

Um dos grandes argumentos desta proposta da marca alemã é indiscutivelmente o espaço no habitáculo, quer para os ocupantes dianteiros, quer para os de trás. O espaço para as pernas é bastante generoso e os bancos laterais traseiros dispõem de fixações Isofix para cadeiras de criança.

LEIA TAMBÉM
Depois do novo Sandero. Dacia renova Duster no visual e transmissão

As portas laterais também são bastante úteis, sobretudo quando se estaciona demasiado perto de um muro ou de um outro veículo. O sistema de abertura é manual, mas os vidros possuem comando elétrico, o que não é muito habitual neste tipo de viaturas.

O espaço no compartimento das bagagens é outro dos grandes trunfos do Combo-Life, pois oferece um volume útil de 600 litros por baixo da tampa da chapeleira, que é bastante superior a muitos SUV de segmentos superiores. O volume útil pode ser ampliado  até aos 2126 litros com o rebatimento dos assentos, que têm uma configuração de 35/30/35. A bagageira é quadrada e a abertura está ao nível do piso.

Menos positivo será o ângulo de abertura do gigantesco portão basculante, que além de ser pesado, só pode ser utilizado se existir algum espaço atrás do veículo. Este constrangimento poderá ser ultrapassado com o recurso ao útil óculo traseiro basculante.

Passando à frente, o painel de bordo do Opel Combo-e Life apresenta uma configuração horizontal para garantir um amplo espaço para os ocupantes dos lugares dianteiros e acesso direto aos comandos do travão de estacionamento elétrico, do botão “Start” ou do ar condicionado.

Os materiais utilizados são robustos e feitos para durar, mas não escondem as suas origens de veículo comercial. Os plásticos utilizados são cinzentos e duros, transmitindo um aspeto de pouca sofisticação. Neste capítulo, as versões mais equipadas dos “irmãos” Citroën ë-Berlingo Multispace e do Peugeot e-Rifter oferecem uns acabamentos mais agradáveis.

Para tornar o ambiente a bordo mais acolhedor, o Combo-e Life pode receber, em opção no Pack Visibilidade, um tejadilho panorâmico, com cortina elétrica, associado a um espaço de arrumação superior que percorre o centro do veículo, equipado com iluminação LED de série. Esta consola superior termina num grande compartimento de arrumação de 36 litros, localizada por cima da chapeleira.

MECÂNICA

O Opel Combo-e Life recebe a mesma linha motriz elétrica já conhecida de outros modelos do Grupo Stellantis, incluindo o motor elétrico com 100 kW (136 cv) de potência e 260 Nm de binário, a caixa de velocidades de relação única e a uma bateria com capacidade de 50 kWh.

A marca anuncia uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em 11,2 segundos e uma velocidade máxima limitada eletronicamente a 130 km/h. O Combo-e Life dispõe de um sistema de travagem regenerativa, com duas configurações, para aumentar a eficiência de todo o conjunto, embora em condições reais de utilização os resultados não sejam muito palpáveis. O sistema poderá conservar a autonomia, mas os ganhos de autonomia são insignificantes, ao contrário de outros veículos elétricos.

A bateria está alojada sob o piso, entre os eixos, para não comprometer a utilização do habitáculo, contribuindo ainda para reduzir o centro de gravidade, beneficiando a estabilidade em situações de ventos laterais e em curva.

O Combo-e Life é compatível com uma ampla variedade de infraestruturas e opções de recarregamento, que vão da “wall box” ao carregamento rápido, passando pela ligação a tomada doméstica, se necessário.

Utilizando um posto de carga rápida DC (corrente contínua) de 100 kW, o carregamento da bateria de 50 kWh, até aos 80% da sua capacidade, demora apenas cerca de 30 minutos. O Combo-e Life pode ser equipado com um potente carregador de bordo trifásico de 11 kW ou um monofásico de 7,4 kW.

TECNOLOGIA

A oferta tecnológica do Opel Combo-e Life é bastante completa, como já vem sendo habitual nos elétricos. O ecrã tátil de 8” do sistema de infoentretenimento Multimedia conta com um menú específico energia, que dá acesso às especificações elétricas, designadamente o fluxo de energia, apresentando, em tempo real, o funcionamento da cadeia de tração com o modo de condução ativo, o motor elétrico e o nível de carga da bateria, incluindo as estatísticas de consumo, ou a ativação do carregamento diferido ou do pré-condicionamento térmico.

A entrada sem chave, o rádio com sistema de navegação Navi 5.0 IntellLink o estacionamento semi-automático com câmara traseira e o head-up display estão disponíveis no pack opcional Innovation Plus.

 

O painel de instrumentos também é digital, com dez polegadas, e inclui alguns parâmetros específicos relacionados com o nível de carga da bateria e a autonomia, que são de fácil leitura.

As configurações do ecrã podem ser personalizadas pelo condutor através do volante multifunções: navegação, informação sobre o fluxo de energia ou ajudas à condução.

A oferta tecnológica do Opel Combo-e Life também se estende ao domínio dos sistemas de assistência à segurança, estando disponíveis neste modelo o alerta de ângulo morto, o reconhecimento de sinais de trânsito, o alerta de manutenção na faixa de rodagem, o assistente de estacionamento ou o alerta de colisão dianteira com deteção de peões e travagem automática de emergência.

AO VOLANTE

Quem gosta de uma posição de condução elevada atrás do volante não fica desapontado com o Opel Combo-e Life, já a altura do banco garante um bom domínio da estrada e do meio envolvente. O reverso da medalha é uma maior altura ao solo, designadamente ao nível do eixo dianteiro, com reflexo ao nível do custo de utilização em autoestrada. Para beneficiar da taxa de Classe 1 é necessário aderir à Via Verde.

A posição de condução direita e o amplo espaço vidrado dá a sensação de se estar num comercial, mas, por outro lado, facilita a visibilidade em todas as direções. Os bancos também não oferecem um grande apoio lateral em curva.

Apesar de partilhar o motor elétrico de 100 kW (136 cv) e a bateria de 50 kWh com o Corsa-e, as prestações do Combo-e Life são inferiores devido ao formato da carroçaria e ao maior peso. Mesmo assim ainda consegue acelerar dos 0 aos 100 km/h em 11,7 segundos e consegue ser mais rápido do que o “extinto” Combo Life de combustão, graças à disponibilidade imediata de binário no arranque e ao facto de não existirem mudanças de caixa, pois é de relação única.

O motor elétrico assegura a tração em função do modo de condução selecionado – Normal, Eco e Power – ativado através do seletor associado ao comando específico ë-Toggle, localizado na consola central.

A partir do seletor de condução localizado na consola central é igualmente possível aceder aos dois modos de travagem regenerativa. O modo D (Drive) proporciona um comportamento semelhante a um veículo com motor térmico, enquanto o modo B (Brake) foi concebido para oferecer um maior nível de regeneração sempre que se levanta o pé do acelerador. No Combo-e Life este efeito de regeneração não é tão eficaz e eficiente como noutros modelos, sendo mínimos os ganhos de autonomia.

A bateria de iões de lítio de 50 kWh proporciona uma autonomia de até 280 quilómetros, que até é realista porque a regeneração de energia tem uma influência favorável neste capítulo, sendo mesmo possível ver, nalgumas ocasiões, o valor a aumentar. O consumo médio durante o ensaio foi de 16,8 kWh/100 km, abaixo dos 19,8 kWh anunciados pela marca em ciclo WLTP. Para um preço do kWh de 0,1854 euros (sem taxas nem taxinhas), isto representa um gasto de 3,11 euros por cada cem quilómetros percorridos.

Referência para a direção, bastante leve para facilitar as manobras em ambiente urbana e precisa para as estradas mais sinuosas. A instalação das baterias no piso entre os eixos garante um centro de gravidade mais baixo, mas mesmo assim ainda se sente algum adornar da carroçaria nas curvas mais rápidas devido à maior altura do veículo.

VEREDICTO

Quem pretender um veículo elétrico espaçoso e funcional pode encontrar no Opel Combo-e Life uma solução para satisfazer as necessidades de mobilidade. O preço não será o seu melhor argumento, com a versão Enjoy a ser proposta a partir de 39.080 euros, podendo chegar aos 42.506 euros da unidade ensaiada com a inclusão de opcionais como o Pack Innovation Plus (fecho centralizado de portas com controlo remoto, entrada sem chave, rádio – Navi 5.0 IntelliLink, estacionamento semi-automático com câmara, head up display), a consola de tejadilho de grandes dimensões ou o carregador de bordo de 11 kW. Além disso, a qualidade dos materiais utilizados a bordo também não disfarça as origens de veículo comercial.

Por outro lado, a autonomia de 280 quilómetros é suficiente para a maioria das utilizações habituais e mesmo para deslocações em férias, já que espaço não falta a bordo, desde que se planeie o itinerário cuidadosamente para os carregamentos e esperar que o posto pretendido esteja em funcionamento ou leia o cartão do utilizador.

 

Gostámos Gostámos

Espaço Interior

A habitabilidade é indiscutivelmente um dos pontos fortes do Combo-e, graças aos cinco bancos individuais, ao espaço para as pernas, para os ombros e para a cabeça. O tecto panorâmico reforça essa sensação e o bem-estar a bordo.

Óculo traseiro

Muito útil para arrumar objetos pequenos no compartimento das bagagens é o sistema de abertura do óculo traseiro, cujo funcionamento também é simples. Assim evita-se abrir o portão traseiro, que além de ser pesado também exige espaço atrás do veículo.

Bagageira

Para arrumar equipamentos de desporto ou um carrinho de bebé, a bagageira do Combo-e Life oferece quase 600 litros por baixo da chapeleira. Se ainda não for necessário é possível rebater os bancos traseiros e obter um volume útil superior ao do furgão!

Não Gostámos Não Gostámos

Preço

O CEO da Stellantis, Carlos Tavares, costuma dizer que os carros estão caros. O preço deste Combo Life elétrico vem dar razão ao gestor português. Os 42.506 euros, com opções, deste mini-MPV de segmento B parece ser um valor claramente excessivo.

Materiais

Onde não há volta a dar quanto às origens de veículo comercial são os materiais utilizados a bordo. Tudo foi pensado em função da robustez, resistência e durabilidade. Os plásticos são duros e escuros, estando ausente qualquer toque de sofisticação.

Travagem regenerativa

O sistema travagem regenerativa possui duas configurações, sendo a teoricamente mais eficiente selecionada com recurso ao botão junto ao seletor de condução. Só que os resultados obtidos pelo modo B não convencem, já que os ganhos são marginais.

Opel Combo-e Life Elegance Plus L1H1

Preço 42.506 € (com opcionais)
Motor Elétrico
Potência 100 kW (136 cv)
Binário 260 Nm
Transmissão Auto, 1 vel.
Peso 1567 kg
Comp./Larg./Alt. 4,44/1,85/1,84 m
Dist. entre eixos 2,79 m
Mala 597 – 2126 l
Desempenho 11,2 0-100 km/h; 130 km/h Vel. Máx.
Consumo 19,8 (16,2) kWh/100 km
Emissões CO2 0 g/Km
Bateria/Capacidade 50 kWh
Tempo de carga 30 m (80%) a 15h00

 

Equipamento
Série: Duas portas laterais deslizantes, airbag condutor & passageiro & laterais & tejadilho, banco de passageiro rebatível, três bancos traseiros rebatíveis de forma individual, vidros de comando elétrico com função de um só toque, painel digital de informações ao condutor com ecrã a cores de 10”, sistema de infoentretenimento Multimedia com ecrã tátil a cores de 8”,  Opel Connect (serviço de assistência), câmara Traseira panorâmica com visão a 180º, retrovisor interior anti-encandeamento, espelhos retrovisores laterais rebatíveis e aquecidos eletricamente, travão de mão elétrico, volante de couro aquecido, ar condicionado automático ECC – Controlo Eletrónico de climatização, Bi-Zona – Faróis de halogénio e luzes de circulação diurna em LED, faróis de nevoeiro, janelas escurecidas, portão traseiro integral com vidro basculante e escurecido (Pack Visibilidade), proteção lateral da cor da carroçaria, calhas no tejadilho, kit de reparação de pneu.