Land Rover Discovery P300e S R-Dynamic. Risco calculado

Texto: Francisco Cruz
Data: 8 de Setembro, 2021

Modelo de cariz mais familiar na gama Land Rover, o Discovery reforça esse mesmo posicionamento, com a adopção de uma motorização eletrificada – P300e -, a prometer melhores consumos. Uma solução que poderia ser visto como um risco, até pelos custos óbvios que comporta…

Já hoje em dia o único modelo na oferta da marca britânica a propor, de série, sete lugares – as soluções restantes são, no fundo, adaptações… -, o Land Rover Discovery é, também por esse motivo, um dos modelos, , comercializados pelo construtor de Whitley, melhor concebidos para as famílias mais numerosas.

Procurando manter esse posicionamento e, ao mesmo tempo, contribuir para aquele que é um dos objectivos primordiais da Land Rover para os próximos anos, a diminuição das emissões dos seus veículos, o Discovery acaba de receber a sua primeira motorização híbrida, promessa de menores consumos e emissões. E, tudo isto, com uma estética exterior atraente e bem conseguida, fruto da renovação sofrida há cerca de dois anos, mas que em nada denuncia a opção… ambiental. A não ser e no caso dos mais atentos, a designação ‘P300e’ que exibe no portão da bagageira, a par, talvez – mas, só, talvez… -, da porta de carregamento externo para as baterias, localizada no lado esquerdo.

Foto: Turbo

Afinal, existe outra, exactamente igual, no lado direito, mas a garantir o acesso ao bocal do depósito de combustível…

LEIA TAMBÉM
Devido a exigências distintas. Defender e Discovery vão deixar de partilhar MLA

INTERIOR

O mesmo acontece, de resto, no interior do habitáculo, com esta versão híbrida plug-in a exibir as mesmas linhas, soluções estéticas e até equipamentos das restantes versões. À excepção e no caso do painel de instrumentos 100% digital e sistema multimédia, a contar com alguns grafismos específicos da componente elétrica, além de um sistema de modos de condução específico.

Foto: Turbo

Quanto ao resto, nenhumas alterações, com o Discovery PHEV a manter a mesma qualidade de construção e de materiais sem reparos, uma posição de condução ligeiramente alta – e com volante exageradamente grande… – mas muito confortável, a que só falta uma melhor visibilidade traseira – lacuna compensada com a presença da câmara traseira. Tudo isto, a somar a uma habitabilidade generosa… para cinco ocupantes – devido à necessidade de instalação de motor elétrico, acomodado sobre o eixo traseiro (as baterias estão entre eixos…), o Discovery acabou tendo de perder a última fila de bancos. Mantendo, ainda assim, uma segunda fila de três lugares ajustável longitudinalmente…

Quanto à bagageira, com portão de accionamento elétrico e amplo acesso, a mesma capacidade de carga elevada, a anunciar 780 litros, mas que o fácil e prático rebatimento das costas dos bancos traseiros – tanto pode ser através de alavancas nos próprios bancos, como pressionando os botões na lateral direita da bagageira – permite elevar até aos 1.574 litros. O que, reconheça-se, é muito!…

Foto: Turbo

MECÂNICA

No entanto, alteração verdadeiramente importante, e para melhor, é, sem dúvida, a mecânica híbrida plug-in que marca este Discovery. E que, começando num inesperado três cilindros 1.5 Turbo a gasolina da família Ingenium, a debitar 200 cv exclusivamente para as rodas dianteiras, conta, depois, com o apoio de um motor elétrico. Que, alimentado por uma bateria com 15 kWh, assegura mais 109 cv de potência no eixo traseiro, além das vantagens, em termos de tracção e segurança, decorrentes do efeito de tracção integral permanente.

Com a entrega de potência a ser gerida por uma nova caixa automática de oito velocidades e com patilhas no volante, o P300e soma, assim, uma potência máxima combinada de 309 cv, além de um binário máximo de 540 Nm. Números com os quais anuncia uma capacidade de aceleração dos 0 aos 100 km/h em apenas 6,6 segundos – valor digno de registo, tratando-se de um conjunto com mais de duas toneladas! -, a par de uma velocidade máxima de 209 km/h.

Quanto às emissões, o fabricante diz poderem ser de 44 g/km, graças a um consumo combinado de 2,0 l/100 km – valor, segundo a nossa experiência, demasiado optimista, ainda que os 5,5 l/100 km feitos por nós não sejam um valor nada mau, não senhor…

Foto: Turbo

Igualmente a marcar a diferença, o já referido sistema de modos de condução específico desta versão PHEV, com as suas três opções de funcionamento: HYBRID, o modo que o sistema adopta por definição e que recorre a motor de combustão e motor elétrico; EV, ou o recurso exclusivo ao motor elétrico, com uma velocidade máxima limitada a 135 km/h; e SAVE, ou o modo que permite preservar nas baterias a energia existente, para utilização posterior.

Ainda sobre a utilização com recurso exclusivo ao motor elétrico, a promessa de uma autonomia de 64 quilómetros, com as baterias no máximo da capacidade. “Feito” que, apesar dos dois carregamentos realizados, nós nunca conseguimos alcançar, tendo mesmo ficado com a certeza de que, mais de 50 km – no nosso caso, não conseguimos mais do que 42 km… -, só mesmo a roçar o milagre!…

Quanto a carregamentos, o anúncio feito pela marca britânica de que será possível carregar até 80% das baterias, numa tomada de corrente contínua com potências até 32 kW, em apenas cerca de 30 minutos. Com o processo a subir para 1h24m, se recorrermos a uma wallbox com uma potência máxima de 7 kW, e a chegar mesmo às 6h42 minutos, no caso de optarmos por uma mera tomada doméstica.

Foto: Turbo

TECNOLOGIA

Idêntica à das restantes versões com motores apenas de combustão, é a oferta de equipamento e tecnologias, neste Discovery P300e. O qual, ao poder beneficiar dos mesmos níveis de equipamento dos restantes – Sport, Sport R-Dynamic e Sport Black -, acaba beneficiando dos mesmos atributos.

Assim e envergando – como era o caso – o nível de equipamento intermédio, mais o pack ‘S’, a garantia de tecnologias como a travagem de emergência, o controlo de velocidade de cruzeiro com limitador de velocidade adaptativo, a assistência à manutenção na faixa de rodagem e o reconhecimento de sinais de trânsito. Isto, sem esquecer os sistemas mais direccionados para o fora de estrada e accionáveis através de comandos na consola central, como acontece com o All Terrain Progress Control, do Terrain Response, do Hill Launch Assist, do Controlo de Descida de Declives e do Sensor de Passagem a Vau, ou ainda do Controlo de Estabilidade em Inclinação (RSC) e da Assistência à Estabilidade do Atrelado (TSA). Ou até mesmo dos dos sensores de estacionamento atrás e à frente.

Foto: Turbo

Também presente, um ecrã táctil de 10″, parte do sistema de infoentretenimento Pivi Pro, a que só falta ser um tudo-nada mais reactivo, assim como o painel de instrumentos 100% digital, com head-up display de fácil leitura… mas ambos opcionais e pagos à parte.

AO VOLANTE

Finalmente e quanto aos atributos deste Discovery P300e em estrada, impressões muito positivas, não apenas fruto da mais-valia que é o sistema propulsor híbrido plug-in, a esconder na perfeição o facto de ter na base um pequeno tricilíndrico  que só quando a bateria acaba se faz ouvir de forma mais notória, mas também em resultado do trabalho da suspensão, no que ao conforto diz respeito. Já que, em termos de eficácia, quer o peso generoso do conjunto, quer a personalidade mais permissiva da suspensão, fazem-se notar…

Ainda assim e mesmo com a direcção a mostrar-se, igualmente, um pouco lenta, a garantia de que todo o conjunto está lá para facilitar a vida ao condutor, inclusive, quando por fora de estrada. Onde, recorrendo às vantagens da tracção integral permanente, apenas a menor altura ao solo (172 mm, contra 212 mm dos irmãos com motores apenas de combustão) pode aconselhar alguns cuidados. E, isto, mesmo com a presença do já conhecido sistema Terrain Response 2, garantia de disponibilização de modos de condução específicos para praticamente todos os pisos – relva, gravilha, neve, lama, sulcos, areia… Mas que, ainda assim, não consegue resolver tudo.

No entanto e a favor deste Discovery, joga o facto de, embora pertencendo a uma família com pedigree no offroad, não estarmos nas mãos de um ‘puro & duro’, mas de um SUV com mais aptidões do que a grande maioria dos modelos do género. E, quando assim é, reconheça-se que pouco há a apontar…

VEREDICTO

Sem a imagem estatutária de um Range Rover, a não ser a decorrente da Casa a que a pertence, e, ainda para mais, sem o argumento dos sete lugares, a verdade é que este Land Rover Discovery P300e, poderia ser um risco… mas não é.

Foto: Turbo

Além de manter a excelente capacidade na bagageira e uma óptima habitabilidade nos cinco lugares que restam, acrescenta consumos atraentes, a par da possibilidade de circular de forma mais ecológica. Mesmo que durante menos quilómetros que o prometido…

 

Gostámos Gostámos

Consumos

São mais de duas toneladas de carro, com tracção às quatro rodas, além de uma aerodinâmica que não é propriamente referencial. E se a isto juntarmos uma família de quatro, mais bagagens, e alguns passeios fora do alcatrão, os 5,5 ,l/100 km só podem mesmo deixar-nos contentes!

Habitabilidade

Ok, perdeu a terceira fila de bancos, ficou mais limitado em termos de lotação, talvez já não dê para levar os avós – maternos ou paternos, tanto faz… -, mas a verdade é que, pelo menos para os cinco ocupantes admitidos, não falta espaço… e conforto!

Bagageira

Bastante espaço para os ocupantes, não tem de significar, necessariamente, concessões em termos de capacidade da bagageira. Aliás, comprova-o este Discovery, com a também elevada versatilidade que exibe no espaço para bagagens !

Não Gostámos Não Gostámos

Terceira fila

Embora, em muitas famílias, raramente utilizada, a verdade é que a terceira fila de bancos era um dos argumentos que distinguia este Discovery, face aos restantes. Argumento que, no entanto e em caso de preferência pelo motor PHEV, acaba perdendo…

Desempenho dinâmico
É grande, pesado, sendo que, não é de agora, que faz do conforto uma das suas principais preocupações. Mas, ainda assim, não devia ser à custa de um desempenho dinâmico pouco cativante…

Autonomia Elétrica

Já não basta anunciar uma autonomia elétrica oficial que não consegue ser referencial, face àquilo que alguns rivais já fazem, como e ainda por cima, não consegue cumprir o prometido, ficando, mesmo, muito aquém, dos 62 quilómetros anunciados.  E em se quer se pode dizer que seja culpa da condução…


Land Rover Discovery P300e S R-Dynamic

Preço 59.405,24€ (a partir de)
Motor Gasolina, 1498 cc, Turbo + Motor Elétrico com bateria de 15 kWh
Potência Combinada 309 cv às 5500 rpm
Binário Combinado 540 Nm às 2000-2500 rpm
Transmissão Integral, Auto. 8 vel.
Peso 2168 kg
Comp./Larg./Alt. 4,59/1,89/1,72 m
Dist. entre eixos 2,74 m
Mala 780 – 1574
 l
Desempenho 6,6s 0-100 km/h; 209 km/h Vel. Máx.
Consumo WLTP 2,0 (5,5*) kWh/100 km
Emissões CO2 WLTP 36 g/Km
Bateria/capacidade Iões de lítio, 15 kWh
Tempos de carga 30 MIN (0-80% 32 kW CC), 1h24 (7 kW)

* Medições Turbo

Equipamento
Série: Faróis automáticos, Limpa-para-brisas com sensor de chuva, Espelhos aquecidos com ajuste e recolha elétrica, iluminação de aproximação e antiencandeamento automático no lado do condutor, Indicadores de Direção Traseiros Animados, Ar Condicionado Automático de Duas Zonas com grelhas de ventilação na segunda fila, Pedais metálicos brilhantes, Patilhas de seleção de velocidades Satin Chrome, Rádio Digital (DAB), Android Auto e Apple CarPlay, Ecrã Táctil de 10”, Pivi Pro (Connected), Manómetros Analógicos com Ecrã Central TFT, Sistema de Monitorização da Pressão dos pneus (TPMS), Câmara Traseira, Reconhecimento de sinais de trânsito e limitador de velocidade adaptativo, Travagem de Emergência, Assistência à manutenção da faixa, Monitor da Condição do condutor, Controlo de Velocidade de Cruzeiro e Limitador de Velocidade, Sensores de Estacionamento Dianteiros e Traseiros, Terrain Response 2, Controlo de Descida de Declives (HDC), Controlo Dinâmico de Estabilidade (DSC), Controlo de Tração Eletrónico (ETC), Controlo de Estabilidade da Inclinação (RSC), Travão de Estacionamento Elétrico (EPB), Travagem Assistida de Emergência, Distribuição Eletrónica da Força de Travagem (EBD), Assistência à Estabilidade do Atrelado (TSA), Transmissão Eficiente.