Engenheiros da Mercedes mascaram-se para “espiar” carrinha DHL

Texto: Nuno Fatela
Data: 28 Agosto, 2018

Já tinha sido noticiada a forma como a marca havia procurado saber mais informações sobre o Tesla Model X, e, aparentemente, a moda pegou. Agora, diz o Der Spiegel, a ideia passou por levar engenheiros da Mercedes “mascarados” de serviço de enfermagem de forma a saber mais do projeto da carrinha elétrica da DHL

Saber quais os pontos fortes e fracos do inimigo é uma parte fulcral da arte da guerra, e aparentemente os engenheiros da Mercedes não poupam esforços neste campo para saber quais as intenções dos rivais. Depois de ter sido recentemente noticiado que funcionários da marca alugaram e, para conhecer mais detalhes sobre o Tesla Model X, fizeram um uso abusivo do carro  (num caso que até levou a uma queixa em tribunal), agora a equipa de “espionagem” foi ainda mais criativa para conseguir analisar a carrinha elétrica StreetScooter DHL. Porque, aproveitando uma fase de desenvolvimento em que as viaturas ficaram disponíveis para testes com potenciais clientes, mascarou-se de serviço de cuidados de enfermagem (verificando a putativa capacidade para transportar doentes para o hospital) de forma a investigar esta viatura.

 

O caso até poderia ter passado despercebido não fosse o facto da Mercedes ter decidido dar uma morada falsa… a um serviço de correios. Mas a DHL ficou com a “pulga atrás da orelha” pois o endereço indicado pelo suposto serviço de cuidados de enfermagem correspondia apenas a uma ‘mailbox company’ (habitualmente empresas falsas e apenas com um apartado postal como morada). Daí que tenham decidido localizar por GPS a carrinha, descobrindo que ela se encontrava em Estugarda, na fábrica da Daimler, tendo sido mesmo captada a rodar na pista de testes do fabricante germânico. Por isso, a própria Streetscooter foi ao local e exigiu a devolução da viatura.

Meia-hora depois, os proprietários da viatura ficaram novamente com ele na sua posse. Entretanto, a Daimler veio explicar a situação, indicando que, como a viatura estava prevista para venda a terceiros, não fez nada ilegal e que era justa a investigação que realizaram. No entanto, recusaram-se a dar explicações sobre o motivo para que tenham optado por camuflar estes testes como um serviço para transportar clientes para hospitais. Curiosamente, o Der Spiegel ainda deixa mais um detalhe sobre esta história, recordando que apesar de ter criticado o trabalho e viatura da Streetscooter antes de a ter visto (como fez também o Grupo VW), não deve ter achado o projeto assim tão mau pois quis mesmo dar uma volta à carrinha elétrica da DHL.

 

Fonte: DerSpiegel, via Autoblog

Partilhar