Publicidade

Elétricos eliminam necessidade de limites de velocidade nas autoestradas alemãs

Texto: Carlos Moura
Data: 25 de Janeiro, 2023

Em Portugal, a caça à multa é apontada como a solução para a sinistralidade rodoviária, mas na Alemanha não é bem assim, com o ministro dos Transportes germânico a afirmar que os veículos elétricos eliminam a necessidade de impor limites de velocidade nas autoestradas daquele país.

Nos últimos anos, a velocidade máxima de alguns velocidades aumentou para níveis bastante elevada, levando algumas entidades a pedirem a imposição de limites de velocidade nas autoestradas alemãs nos troços onde essas restrições não são aplicadas. Contudo, o ministro alemão dos Transportes, Volker Wissing, veio por água na fervura, sugerindo que não está previsto a introdução qualquer novo limite nos tempos mais próximos.

“A ideia passa pela responsabilidade individual dos cidadãos, desde que não ponham os outros. O Estado deveria parar aqui”, afirmou Volker Wissing, à imprensa alemã. “O elevado preço da energia já está a levar muita gente a conduzir mais devagar. E com os automóveis elétricos, as pessoas não irão conduzir tão depressa para poupar a carga da bateria”.

Volker Wissing é ministro de um governo de coligação que foi eleito em outubro de 2021. Um dos partidos da coligação era a favor dos limites de velocidade, levantando questões se aquela seria uma das prioridades políticas. Algumas notícias sugeriam que o apoio popular aos limites de velocidade era o mais elevado de sempre e mesmo o então piloto de Fórmula 1 Sebastian Vettel pronunciou-se a favor dos limites.

Com os elevados preços da energia devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, a questão do limite de velocidade voltou a ser levantada. No entanto, Volker Wissing afastou esses rumores e falou mesmo em fazer mais autoestradas para ajudar a minimizar o congestionamento, apesar da objeção de outros no seio do governo germânico.

Mais tráfego rodoviário 

“Na Alemanha, não só o número de automóveis, mas também o transporte rodoviário tem aumentado constantemente ao longo dos anos”, referiu Volker Wissing. “Contudo, isto não foi acompanhado pela ferrovia ou pela rodovia”.

O aumento da rede de autoestradas vai contra os objetivos ambientais dos outros partidos alemães, levando a uma fricção no executivo de Berlim. Volker Wissing aponta para o veículos elétricos e o aumento do parque circulante.

LEIA TAMBÉM
PHEV ficam sem apoios. Alemanha vai reduzir subsídios à compra de EV

“Em 2023 haverá mais 50 milhões de toneladas para transportar”, justifica o governante. “Isto pode não agradar a todos: vai haver mais tráfego nas estradas alemãs e teremos de lidar com isso. Caso contrário, a economia irá paralisar e perderemos empregos”.