rotunda

Publicidade

Como circular em rotundas: 3 regras fundamentais

Texto: Redação
Data: 9 de Dezembro, 2021

Rotundas. Todos os condutores já circularam milhares de vezes por elas. E, com um cada vez maior número destas infra-estruturas a aparecerem nas nossas estradas, nunca é demais recordar as regras que nos ajudam a circular em rotundas, de forma correta, segura e respeitável.

Grande parte dos condutores, principalmente aqueles que já têm carta há alguns anos, tendem a tornar a tarefa, que é conduzir, em algo quase automático.

Esta espécie de automatismo, acaba, de resto e não raras vezes, por tornar-se particularmente notório, nas rotundas. O que, em conjunto com a maior afluência e interceção de tráfego, torna estes pontos, locais de especial sinistralidade.

LEIA TAMBÉM
Road Edge Detection. E se o seu Ford detetasse beiras da estrada perigosas?

É, assim, com essa situação em mente, que decidimos recordar a todos os automobilistas como devem circular nas rotundas, respeitando 3 regras fundamentais :

Prioridades

A DGT, a autoridade espanhola equivalente ao nosso IMT, partilhou na sua página do Twitter esta infografia, que ilustra eficazmente como se deve circular em rotundas

Antes de tudo, começamos por frisar aquilo que deverá ser do conhecimento de todos os condutores, mas que nunca é demais reforçar: quem circula dentro de uma rotunda, tem sempre prioridade sobre os restantes veículos. Sejam eles quais forem, sem excepções. Ou, quanto muito, apenas uma: os veículos prioritários, como ambulâncias, carros dos bombeiros e da polícia.

Apesar de quem já circula numa rotunda beneficiar de prioridade, assegure-se, que ao entrar, dá a entender ao condutor que nela circula, que vai de facto ceder-lhe a passagem.

Circulação pelas vias da rotunda

Infelizmente, existem muito condutores que se esquecem que partilham a estrada com outros, o que os leva também a esquecer-se daquela que é a forma correcta de utilizar as várias vias de uma rotunda.

Um dos pecados mais comuns é a deslocação, a partir da via mais à esquerda, ou seja, mais interior, diretamente para a saída, cortando a passagem a outros condutores.

Na verdade, a forma de proceder é simples: quando se entra numa rotunda, deve-se adotar a via mais à direita, caso queiramos sair na primeira saída. Sendo a excepção a esta prática, os veículos pesados, de tracção animal e velocípedes.

É igualmente permitida a utilização da via exterior, caso se queira sair na segunda saída, ainda que seja de evitar esta manobra.

Assim, o correto é circular utilizando as vias mais à esquerda na rotunda, passando para para as mais à direita, à medida que nos aproximamos da saída pretendida. Acção que, no entanto, só deverá ser iniciada após termos passado a última saída antes daquela que vamos utilizar.

Uso dos piscas é absolutamente imperativo

O uso dos piscas do seu carro, é uma ação absolutamente fundamental, quando está a circular em rotundas. Sendo que, a não utilização dos mesmos, resultará, quase inevitavelmente, no comprometimento da segurança – não só de todos que nelas circulam, como também daqueles que estão preste a fazê-lo.

A falta de utilização dos piscas é um dos erros mais comuns
A falta de utilização dos piscas é um dos erros mais comuns

Existem três situações onde os piscas devem ser utilizados: a primeira, é quando pretendemos utilizar uma das saídas, momento que deverá ser assinalado com pisca e, de preferência, com alguma antecedência.

A segunda situação é quando queremos mudar de via, dentro da própria rotunda. Momento que, tal como acontece, por exemplo, numa auto-estrada de várias vias, deve ser assinalado, antecipadamente, com a luz de mudança de direcção. 

LEIA TAMBÉM
Grupo bloqueia estrada na Califórnia…para fazer ‘burnouts’

A terceira situação é quando, não tendo chegado ainda o momento de sair, pretendemos continuar na rotunda. Intenção que, sobretudo quando a rotunda apenas possui uma via, deve ser assinalada, mantendo o pisca da esquerda accionado.

Este princípio também se aplica, aliás, quando se pretende sair apenas na segunda saída, embora continuemos na via totalmente à direita. Nessa altura, é importante que se mantenha o pisca para a esquerda accionado, como forma de alertar os outros condutores, de que vamos continuar na rotunda.