Chegou o novo Citroën C4 Cactus


Data: 26 Outubro, 2017

O revolucionário modelo, que deu início a um plano de produto marcado por modelos irreverentes da marca francesa, regressa agora mais maduro. O novo Citroën C4 Cactus chega ao mercado no final do primeiro trimestre de 2018

Considerado um dos mais impactantes modelos dos últimos tempos, especialmente graças ao visual conferido pelos seus Airbumps, o Citroën C4 Cactus está de regresso. Com um estilo mais “maduro”, onde se destaca a redução das dimensões das suas icónicas proteções laterais, a berlina faz da combinação entre conforto e tecnologia, ainda que com laivos de irreverência, os principais trunfos. Destaque para a estreia, integrada na estratégia de aumento do conforto em todas as áreas por parte do Double Chévron, da tecnologia dos batentes hidráulicos progressivos nos modelos para o mercado europeu. Com chegada anunciada para o final do primeiro trimestre de 2018, o Citroën C4 Cactus conta com uma gama de sete motorizações com potências compreendidas entre os 82CV e os 130CV.

 

  • Chega no primeiro trimestre de 2018
  • Estreia na Europa da suspensão com batentes hidráulicos progressivos
  • Bancos Advanced Comfort
  • Design com “vento de frescura e originalidade no segmento das berlinas compactas”
  • Motores com potências até 130CV
  • 12 Assistências de Condução
  • 3 Tecnologias de Conetividade
  • 31 Combinações de personalização do Exterior

Novo Citroën C4 Cactus  – Design Exterior

A imagem do irreverente gaulês altera-se com a inclusão de uma nova frente onde vários elementos se conjugam para dar a sensação de maior largura. O principal é a nova assinatura visual que se estende desde os chévrons até às óticas, que tornará o Citroën C4 Cactus facilmente identificável. Os para-choques na cor da carroçaria ganham entradas de ar laterais para maior dinâmica, enquanto na traseira são também as novas luzes a garantirem um caráter singular à berlina.

 

O Cactus apresenta também o que a marca gaulesa anuncia como o “amadurecimento dos Aiurbumps”, com um estilo mais próximo do que se encontra, por exemplo, no novo C3. Assim, eles migram para a secção inferior da carroçaria e cumprem um duplo propósito: garantir proteção e conferir maior estilo. Todas estas alterações resultam num estilo que o fabricante gaulês afirma ser “fresco e diferente, simultaneamente moderno e gratificante, capaz de atrair a grande maioria dos clientes”.

A arquitetura do Citroën C4 Cactus foi otimizada com a utilização da nova arquitetura SF1, que permitiu alcançar uma distância entre eixos de 2,6 metros. Esta mudança permitiu alcançar maior habitabilidade, mas tem também impacto no estilo ao “empurrar” as rodas para mais perto das extremidades da carroçaria. Relativamente às restantes dimensões, são anunciados 4,17m de comprimento, 1,71m de largura e uma altura de 1,48m. Já a bagageira tem uma capacidade de 358L, que se estendem no máximo aos 1170L.

As capacidades de personalização também são outro ponto forte do Citroën C4 Cactus, com 31 combinações para o exterior, nove cores de carroçaria, quatro packs cor e cinco desenhos de jantes.  Para o habitáculo estão disponíveis cinco atmosferas distintas.

 

 

Novo Citroën C4 Cactus  – Design Interior

Como tem vindo a ser notório nos mais recentes modelos da marca francesa, o conforto é uma expressão extremamente importante para a marca, que vem vindo precisamente a implementar nos seus carros as inovações alcançadas pelo programa “Advanced Comfort”. O interior foi formado como um casulo protetor para cinco ocupantes, agraciado tecnologicamente com a digitalização das informações. Isso fica visível pelos ecrãs para o painel de instrumentos mas também o touchscreen de 7’’ para o infotainment (com três opções diferentes).

 

Aquilo que mais contribui para o aumento do conforto a bordo é a inclusão dos novos bancos Advanced Comfort, fabricados com novos materiais, em que se inclui uma espuma específica de alta densidade. O objetivo é precisamente alcançar conforto de acolhimento (pela suavidade), postural (regulações diversas), dinâmico (nova espuma e maior espessura, bem como a napa de alta qualidade, que se combinam para tornar mais agradáveis as grandes viagens), e visual (pelo novo preenchimento).

Post-production : Astuce Productions

O conforto é também potenciado por outras alterações do Citroën C4 Cactus, como o novo design do painel de bordo que aumenta a área para os joelhos. Surgem ainda novos espaços de arrumação e equipamentos como os LEDS do tejadilho, ou o retrovisor central electrocromático. Mas para esta serenidade também contribuem as doze ajudas ao condutor. Aqui incluem-se tecnologias diversas, como a travagem de emergência, recnonhecimento e recomendação de sinais, avisos de coffe break, transposição de faixa e atenção do condutor, vigilância do angulo morto, park assist e câmara de marcha-atrás. Além disso, existe ainda o apoio à motricidade concedido pelo Grip Control.

 

Motores e Suspensão

O Citroën C4 Cactus está disponível com sete motores das famílias PureTech e BlueHDi, com potências compreendidas entre os 82CV e os 130CV. Nos gasolina surgem os Purtetech 82 CVM, Puretech 110 CVM e EAT6, e Puretech 130 (CVM). Entre os diesel, a oferta inclui os BlueHDi 100 EAT6 e CVM, e os BlueHDi 120 EAT6. De referir que as siglas se referem, respetivamente, à caixa automática EAT6 e à transmissão manual de seis velocidades do Grupo PSA.

 

Um dos pontos mais importantes do Citroën C4 Cactus passa pela estreia em solo europeu da suspensão com batentes hidráulicos progressivos, que a marca afirma permitir um conforto ao nível de viagens “em tapetes rolantes”. Esta tecnologia chegou, em primeiro lugar, com o Citröen C5 Aircross no mercado chinês. É indicado que o sistema funciona da seguinte forma:

  • Em situações de compressão e alívio mais ligeiras, a mola e o amortecedor controlam, em conjunto, os movimentos verticais, sem necessidade de ativar os batentes hidráulicos. Mas a sua presença permitiu aos engenheiros oferecer maior liberdade de amortecimento ao veículo, numa espécie de efeito “tapete voador”, dando a sensação de que o carro sobrevoa as deformações da estrada;
  • Em situações de compressão e alívio mais significativas, a mola e o amortecedor trabalham com os batentes superior e inferior de compressão hidráulica, retardando o movimento de uma forma progressiva, evitando, assim, as bruscas pancadas nos seus limites. Ao contrário de um batente mecânico clássico, que absorve a energia mas libertando sempre uma parte dela, o batente hidráulico absorve e dissipa essa energia. Não há, por isso, nenhum efeito de retorno.

 

Com chegada ao mercado prevista para março de 2018, o novo Citroën C4 Cactus é caracterizado como uma berlina, mas não deixa de partilhar elementos com a gama de SUVS e Crossovers do fabricante gaulês. Uma oferta neste segmento composta por modelos como o novo Citroën C3 Aircross e ainda o Citroën C5 Aircross.