Publicidade

Califórnia pondera banir motores de combustão

Texto: Miguel Policarpo
Data: 27 de Setembro, 2017

O estado norte-americano da Califórnia pondera proibir a venda de veículos com motores de combustão interna, e pode ser já até 2030. Uma decisão drástica que visa contribuir para o objetivo a que o estado se propôs: reduzir as emissões de dióxido de carbono em 80% por volta de 2050. 

Proibir a venda de motores de combustão interna é uma decisão difícil de impor, principalmente numa região como a Califórnia: este estado norte-americano regista elevadas vendas anuais de automóveis novos. O ano passado, a Califórnia ultrapassou os 2 milhões de unidades comercializadas. No entanto, as viaturas com motores de combustão podem ser mesmo banidas e já em 2030, de acordo com as intenções do Governador Jerry Brown, apoiado por Mary Nichols, diretora do organismo California Air Resources Board.

Medidas similares foram anunciadas por países como a Alemanha, a China, a França e o Reino-Unido, apertando o cerco aos motores de combustão. Na Califórnia, mesmo considerando o prosperidade da indústria automóvel – que seria sempre um entrave a decisões como a que foi proposta – o governo parece determinado em atingir os objetivos a que se propôs, o de reduzir as emissões de dióxido de carbono em 80% por volta de 2050. No lado dos fabricantes, as emissões do CO2 poderão valer multas pesadas.

Leia também: Motores a gasolina obrigados a ter filtros de partículas

Mary Nichols revelou ao meio bloomberg ter recebido mensagens de Jerry Brown a questionar porque é que a Califórnia ainda não tinha procedido da mesma forma que a China, referindo-se ao plano deste país de proibir os motores a combustão gradualmente, substituídos por elétricos. E gradualmente deverá ser a forma a tomar também pelo Governo da Califórnia, uma vez que Nichols indicou que “há pessoas, incluindo pessoas que trabalham para mim, que acreditam que conseguiríamos parar a venda de carros com motores de combustão por volta de 2030. Outras dizem em 2035. E ainda em 2040”, disse a responsável, acrescentando que “é muito difícil prever uma data com precisão, mas não está fora de questão”.

Datas à parte, este é mais um exemplo de como os motores de combustão poderão ter os dias contados. Pelo menos é essa, aparentemente, a intenção de responsáveis de diferentes governos. Este é um esforço internacional, conforme a China deixou claro.


Fonte: AutomotiveNews