Publicidade

Questões de tesouraria. Bugatti atrasa produção de modelo mais acessível

Texto: David Espanca
Data: 21 de Julho, 2020

A Bugatti vai adiar o debate sobre a produção de um segundo modelo, mais acessível, também como forma de centrar a sua atenção numa mais eficaz gestão de tesouraria. Pelo menos, durante o resto deste ano.

Para o presidente da Bugatti, Stephan Winkelmann, tanto a imagem, como o reconhecimento, que o emblema de Molsheim possui hoje em dia, ajudariam, certamente, a lançar outro modelo, mais prático e mais acessível do que o seu hiper-carro Chiron. O qual custa qualquer coisa como 2,52 milhões de euros.

No entanto, o responsável também é da opinião que, mesmo os clientes muito ricos, podem não estar dispostos a gastar mais dinheiro em mais um hiper-carro, em momentos como o que vivemos atualmente.

“Por enquanto, precisamos de deixar essa questão de lado. Dadas as condições económicas predominantes, a nossa maior prioridade é a liquidez”, disse Stephan Winkelmann à Autonews Europe.

Um segundo potencial modelo iria aumentar a produção anual da construtora francesa para cerca de 900 unidades
Um segundo potencial modelo iria aumentar a produção anual da construtora francesa para cerca de 900 unidades

Em novembro, o chefe da Bugatti tinha adiantado que, um possível segundo modelo, passaria por um veículo elétrico, um “grand tourer” ou um “crossover”.

Esta nova proposta teria capacidade para até quatro pessoas e um preço entre os 500 mil e um milhão de euros.

Ainda assim, não seria um SUV puro, nem um sedã, já que, os bancos traseiros, teriam de ser, pelo menos, grandes o suficiente, para acomodar crianças.

“Queremos fazer algo diferente”

“Não vamos entrar na tendência generalizada dos SUV, queremos fazer algo diferente”, disse um responsável da empresa. “Mas o carro também não será um sedã”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM
Bugatti revela quatro exemplares do Divo personalizados

Um segundo modelo iria, também, fazer disparar a produção anual da construtora francesa, atualmente fixada em 100 unidades, para cerca de 900 unidades. O que exigiria um investimento considerável, no que diz respeito a recursos humanos e capacidade produtiva extra.

No ano passado, a Bugatti registou volumes recordes de produção, receita e vendas, além de uma margem operacional de dois dígitos, revelou Stephan Winkelmann, sem entrar em detalhes.