Brabus já “quitou” o novo Mercedes G63 AMG

Texto: Nuno Fatela
Data: 1 Outubro, 2018

Porque a tradição (de elevar as performances do Classe G) ainda é o que era para a preparadora alemã, o G63 foi ponto de partida para mais um verdadeiro modelo ‘hardcore’ para aventuras off-road, o Brabus 700 Widestar.

Na Brabus existe uma crença de que quando mais se puder extrair de um motor, melhor. Ao ponto de, como acontece nesta versão bem aditivada do Mercedes G63 AMG, que foi rebatizado como Brabus 700 Widestar, ter de limitar a velocidade aos 240 km/h “para proteger os pneus”. Esta expressão mostra bem o incrível trabalho de preparação que foi feito com o icónico off-roader, em que o maior poder de fogo foi combinado com um visual também mais agressivo.

Motor

O V8 4.0 do G63 foi o ponto de partida para este Brabus 700 Widestar, que apresenta uma potência de 700cv (+115cv) às 6100RPM e um binário máximo de 950Nm (+100Nm) entre as 2500 e as 3500RPM. Para tal foram feitas diversas modificações neste motor de oito cilindros, onde são destacados os novos mapeamentos da injeção e ignição. Recorrendo à caixa de nove velocidades Speedshift TCT, o Brabus 700 Widestar consegue ir até aos 100km/h em 4,3 segundos, valor bem incrível para uma viatura com este peso e formas pouco aerodinâmicas.

 

Design

Mas estas formas pouco aerodinâmicas têm um motivo, que passa por não cortar com os traços icónicos do G-Wagen enquanto se enfatiza a sua natureza mais agressiva. Assim, em comparação ao ponto de partida, o Brabus 700 Widestar tem mais 10cm de largura, obtidos com o alargamento das cavas das rodas, que apresentam com extratores de ar na parte posterior. Este aumento de dimensões que vai dar ainda mais destaque às jantes, que podem alcançar as 23”.

 

Na estética destacam-se também outros elementos, como as modificações nos para-choques, a temível entrada de ar no capot ou o spoiler no final do teto. E, bem ao estilo da preparadora germânica, temos os dois blocos de luz auxiliar no teto. A bordo a escolha será grande, com os futuros proprietários a poderem optar por materiais como lã virgem ou fibra de carbono. A terminar, não podíamos deixar de destacar um detalhe bem curioso e que passa pela mudança do símbolo no Pilar B. Enquanto no Classe G aparece a expressão “Shockl Proved”, recordando o mítico local de provas deste modelo, no 700 Widestar pode ler-se ‘Genuine Conversion’. Genuinamente uma conversão espectacular!

 

Veja também:

A Turbo de visita ao berço do Mercedes Classe G
Mercedes Classe G está mais evoluído, mas com o mesmo apelo de sempre
Novo G63 é um verdadeiro demónio fora de estrada
Veja os testes extremos ao novo G-Wagen

Partilhar