Elétrico Renault ZOE CR carrega quase 300 km numa hora

Texto: António Amorim
Data: 16 Fevereiro, 2018

A Renault acaba de lançar em Portugal uma nova versão alternativa do seu carro elétrico puro Zoe, capaz de aceitar carga rápida (43 kW) e assim recarregar 80 por cento da bateria (até 300 km de autonomia) em apenas 65 minutos.

 

Esta alternativa permite um ganho de meia hora face ao Zoe 40 já existente e que se manterá em comercialização. Ainda assim, se o posto de recarga for de 22 kW ou inferior, as vantagens do Zoe CR esbatem-se.

 

O novo Zoe 40 CR será especialmente atrativo para empresas frotistas que tenham a possibilidade de ter os seus próprios carregadores rápidos, ou para particulares que façam viagens mais longas onde possam encontrar carregadores destes no itinerário. Uma situação que tende a descomplicar-se, já que a rede de postos de recarga nacional está a aumentar a grande velocidade.

 

Até ao final deste ano a rede pública Mobi.e passará dos atuais 42 para 700 postos de recarga rápida e acelerada no Continente.

 

As diferenças técnicas entre os Renault Zoe 40 e Zoe 40 CR limitam-se ao motor, de 88 cv no CR em vez de 92 cv, e ao software de gestão energética. A bateria é a mesma.

 

Existe também um acréscimo de 700 € no preço, que se situa nos 18 820 € para particulares e nos 15 460 € para empresas, no caso do nível de equipamento base e na modalidade de aluguer da bateria. Para quem preferir comprar o “pacote” completo, a bateria soma 11 210 € ao preço final, que sobe assim para os 27 995 € por carro (23 195 € empresas). Estes preços já incluem o incentivo do Estado de 2250 € por veículo.

 

O Renault Zoe tem uma garantia igual à dos restantes modelos da gama Renault, de 5 anos ou 100 mil quilómetros, somando-se-lhe oito anos de garantia para a bateria até que esta aguente 60 por cento da carga, assumindo a marca a substituição apenas quando esta aceitar menos carga do que isso.

 

Nos casos em que a bateria é alugada o proprietário do Zoe terá de pagar uma mensalidade mínima de 69€ (até 7500 km por ano), com a vantagem de nunca mais se preocupar com a sua durabilidade, já que a marca garante, a título vitalício, a sua substituição abaixo dos 75 por cento de capacidade de recarga ou qualquer outro tipo de avaria.

 

Convém ainda esclarecer que, uma vez comprado na modalidade de aluguer da bateria, o carro nunca mais poderá alterar este “estatuto” ao longo de toda a sua vida útil, passando-se o mesmo com a modalidade de aquisição total.

 

A grande vantagem de um Zoe está nos custos de utilização associados ao consumo. Se o utilizador tiver uma tarifa bi-horária e carregar o carro durante a noite, poderá ter despesas de apenas 1,4 € aos 100 km. A Renault assegura, no entanto, que o custo nunca ultrapassa os 2,4 €/100 km.

 

Sendo um elétrico puro, o Renault Zoe também não paga Imposto de Circulação (IUC), não paga estacionamento na cidade de Lisboa, não paga tributação autónoma (caso seja adquirido por empresas) e, no que diz respeito à manutenção, a marca afirma que as revisões ficam sempre entre os 30 € e os 50 €.

 

Em cerca de dois anos a autonomia do Renault Zoe duplicou e as vendas têm vindo a crescer de forma significativa. Só em 2017 a Renault vendeu em Portugal quase 800 unidades deste modelo, especialmente a empresas.

 

A Renault está neste momento a oferecer a wallbox de recarga a 7,4 kW na compra de um Zoe.

Partilhar