Motor Rotativo como extensor de autonomia?

Texto: Nuno Fatela

As dimensões compactas e a suavidade de funcionamento podem significar uma nova vida para os motores com o ciclo Wankel, segundo revelam patentes da Mazda.

 

Se o impressionante RX Vision Concept de 2015 não confirmou o possível regresso dos motores rotativos que foram abandonados pela Mazda após o RX-8, o fabricante nipónico pode agora dar uma nova vida a estes propulsores como extensores de autonomia. É isso que indicam patentes registadas pela marca nos Estados Unidos, e que apresentam duas abordagens distintas.

 

A imagem revela uma ideia similar à implementada no BMW i3 com extensor de autonomia, mas recorrendo a um motor com o ciclo Wankel para alimentar o gerador, estando ainda contemplado no desenho o espaço das baterias. Uma segunda patente regista um sistema de start&stop para este motor, que desliga automaticamente o motor. É tida em atenção a forma de encerramento do motor com eficaz vedação das câmaras, para evitar a entrada inadequada de combustível, que constitui um dos principais entraves à utilização deste motores. Apresenta ainda a possibilidade de utilizar uma faisca para queimar o combustível que possa ter permanecido dentro da câmara de combustão, de forma a potenciar a eficiência e minimizar as emissões.

 

A utilização deste motor rotativo como extensor de autonomia pode revelar-se sem dúvida uma opção interessante, já que estes propulsores são conhecidos pela sua suavidade e silêncio. Estsas características poderiam minimizar as passagens entre momentos apenas com recurso à eletricidade e quando o motor de combustão entra também em funcionamento, tornando a condução mais agradável nestes momentos.

 

Partilhar