Mercedes, Audi e BMW podem ganhar companhia na sua empresa de mapas

Texto: Nuno Fatela
Data: 5 Janeiro, 2018

Os compatriotas da Bosch e da Continental ponderam adquirir uma quota da Here, a antiga divisão de mapas da Nokia que foi adquirida pelo triunvirato premium germânico em 2015.

Os mapas digitais são um dos negócios com grande importância atual no sector automóvel, dada as necessidades dos sistemas de navegação. Mas eles vão ganhar um papel ainda mais essencial no futuro, graças à anunciada chegada da condução autónoma e a necessidade destes softwares terem informações precisas sobre a localização do automóvel. Daí que empresas como a Here, antigo consórcio de mapas da Nokia que foi adquirido pela Mercedes, Audi e BMW em 2015, por 2,8 mil milhões de euros, desperte interesse. Como o apetite agora demonstrado pelos gigantes germânicos da Bosch e da Continental, pois cada uma delas pretende adquirir 5% do capital da empresa.

 

Para a Bosch este é um investimento estratégico (como foi o acordo recente com a Tom-Tom), pelo seu desejo de entrar no negócio dos mapas para outras áreas além do sector automóvel. Isso mesmo será demonstrado brevemente, na CES 2018, com o projeto de cidade inteligente da empresa, em que pessoas, carros, casas e infraestruturas estão conectados. A vontade de entrar no capital da Here foi já confirmado pelo Presidente do gigante germânico, Volkmar Denner, ao afirmar que “a Bosch vai para além dos carros. A indústria 4.0, casas inteligentes e cidades inteligentes são áreas de negócio que estão a crescer rapidamente para nós, e nas quais a expansão de serviços de captação de dados vai resultar em sinergias com a Here”.

Já a Continental destacou como este negócio pode ser importante para as soluções que oferece relacionadas com a condução autónoma. Algo fulcral, pois os softwares e componentes eletrónicos para carros têm vindo a assumir-se como um importante impulso económico para a empresa.

 

Para os fabricantes este pode ser também um negócio importante, especialmente se tivermos em conta as intenções da Bosch. Isto porque um dos desejos que têm vindo a ser expressado em muitos dos concepts mais recentes passa por tornar no carro como uma extensão do próprio condutor. O que torna a ligação do carro à casa como um verdadeiro trunfo. Além disso, a ligação entre viaturas e infraestruturas (V2I) é considerada, a par dos protocolos de comunicação entre veículos (V2V) como uma área essencial para alcançar os benefícios preconizados pela condução autónoma.

Partilhar