Mercedes-AMG GT 4 Portas é a estrela maior de Genebra

Texto: Nuno Fatela
Data: 6 Março, 2018

“Mais espaço, mais potência e mais arrepios na espinha”. Esta é a forma escolhida pela Mercedes para apresentar o Mercedes-AMG GT 4 Portas, um genial modelo focado numa combinação entre performance e conforto que pode surgir com motores V8 ou um propulsor de seis cilindros em linha.

Uma das mais aguardadas novidades do Salão de Genebra foi já apresentada, com a revelação do Mercedes-AMG GT 4 Portas. Este modelo procura alargar a usabilidade do coupé de duas portas homónimo e chega aos concessionários no Verão de 2018. Para tal não se limitou a aumentar o número de portas e passageiros que consegue transportar (quatro ou cinco ocupantes), recorrendo a uma combinação entre conforto e dinâmica longitudinal e lateral superiores, uma silhueta que combina as proporções clássicas com um estilo marcadamente desportivo e ainda muitas possibilidades de individualização.

Um dos objetivos foi manter intactos os traços identitários da gama AMG-GT, com a marca a optar pelo capot baixo e a frente marcada pelo estilo ‘Shark Nose’, juntamente com as linhas descendentes do teto na secção posterior. Mas isto sem prejudicar a forma como se acomodam os ocupantes dos lugares traseiros, pois o modelo foi desenvolvido a pensar não apenas nos circuitos mas igualmente numa utilização quotidiana.

 

Três motores entre 435cv e 685cv

A gama do Mercedes-AMG GT 4 Portas contempla dois motores V8 4.0L e um seis cilindros de três litros. Este último com a designação AMG 53 4MATIC+ é um microhíbrido que alia aos 435cv do motor de combustão um motor de arranque/alternador EQ com sistema de 48 volts, que oferece um boost instantâneo de 22cv e 250Nm. Ele equipa uma transmissão automática 9G TCT, que lhe permite acelerar até aos 100km/h em apenas 4,5 segundos e atingir um máximo de 285km/h.

O motor V8 4.0L conta com dois turbos colocados entre as bancadas de cilindros, uma opção que a marca garante oferecer dimensões mais compactas e uma resposta mais rápida na sobrealimentação. Existem duas versões disponíveis para este bloco, com o AMG 63 4MATIC+ a debitar 585cv (tal como o coupé AMG GT-R), conseguindo atingir os 100km/h em 3,4 segundos e uma velocidade máxima.

Mas o topo das performances apenas é alcançado com o Mercedes-AMG GT 4 Portas 63 S 4MATIC+, que oferece impressionantes 639cv e 900Nm. Ele consegue chegar aos 100km/h em somente 3,2 segundos e a sua velocidade máxima está situada nos 315 km/h. Destaque ainda para a existência, tanto nesta versão como no outro V8, de uma função Race Start na caixa 9G MCT. O motor do modelo de 639cv conta ainda com apoios de motor ativos, que aumentam o conforto de rolamento mas garantem sempre a rigidez necessária para as características de condução. Uma última referência para a existência do sistema de desativação de quatro cilindros que funciona no modo Comfort entre as 1000RPM e as 3250RPM, sendo a utilização desta tecnologia indicada ao condutor através de informação própria no painel de instrumentos.

 

Tecnologias e Aerodinâmica para potenciar performances

Um dos destaques do Mercedes-AMG GT 4 Portas está na introdução da aerodinâmica ativa, de um eixo traseiro direcional e controlo de estabilidade específicos. Todos eles trabalham em conjunto com o sistema de tração 4MATIC+ e foram pensados para potenciar ao máximo o lado dinâmico deste coupé desportivo de quatro portas.

 

A própria estrutura foi desenvolvida a pensar nesse mesmo fim, pelo que foram utilizados métodos e técnicas de análise oriundas do mundo da competição para obter a máxima rigidez. A marca explica que a zona central de rigidez extrema foi pensada para que o condutor receba o máximo feedback do carro e garantir a exigida precisão da direção, enquanto as extremidades em fibra de carbono contribuem para suportar melhor os efeitos da aceleração em curva.

A suspensão do Mercedes-AMG GT 4 Portas com motor de seis cilindros recorre ao amortecimento adaptativo, enquanto para as versões mais potentes a escolha recaiu sobre a pneumática AMG Ride Control+. Também esta opção, em conjunto com as vias mais largas e configuração para pneus de maiores dimensões, e ainda o funcionamento independente entre rodas e amortecedores foram pensados para retirar o máximo potencial do desportivo germânico em curva. Foram ainda destacados os reforços no diferencial traseiro, para minorar os ruídos e vibrações, e ainda a opção por uma barra estabilizadora tubular (como no AMG GT-R), que vem retirar peso à traseira deste modelo.

Outro dos trunfos deste carro reside no sistema 4MATIC+, com controlo eletromecânico da embraiagem. Isto permite uma ligação do eixo traseiro ao dianteiro que é impercétivel ao condutor , para que este não sinta a passagem entre a tração traseira e integral. Foi também ele que permitiu a introdução de um Modo Drift, de origem no AMG 63S e opcional nos restantes, que pode ser ativado com o programa de condução Race e significa tanto a desativação do ESP como a utilização manual da transmissão através das patilhas no volante.

Falando dos programas de condução do Mercedes-AMG GT 4 Portas, eles são o Slippery, o Comfort, o Sport, o Sport+ e o Race, além do individual. Já a agilidade do desportivo varia entre os modos Basic, Advanced, Master e Pro. Eles vão alterar “parâmetros relevantes” como resposta do motor, suspensão, tração e controlo de estabilidade. A marca alemã destaca principalmente o Master com o programa Race. Ele foi pensado para extrair o máximo potencial desta bomba em circuito ao garantir resposta mais rápida dos pedais, transmissão, eixo traseiro direcional e diferencial autoblocante no eixo traseiro.

 

A direção elétrica variável é outro dos elementos que pode ser adaptado, existindo os modos de atuação Comfort, Sport e Sport+ e as afinações individuais. Ele beneficia a agilidade, tal como o eixo traseiro direcional, em que as rodas traseiras se movem em sentido oposto às da frente abaixo dos 100km/h e seguem o mesmo trajeto a velocidades superiores.

Um último destaque na mecânica para o sistema de travagem de alta performance da AMG, com pinças de seis pistões na dianteira e flutuantes atrás. Esta é uma das formas de distinguir os dois Mercedes-AMG GT 4 Portas com motor V8, pois no mais potente as pinças são amarelas e na versão de 585cv estão pintadas a vermelho. Esta solução consta dos opcionais do motor de seis cilindros, em que apresenta uma pintura de tons bronze. Estas cores podem ver-se atrás das jantes aerodinâmicas com tamanhos entre 19’’ e 21’’, que são de 10 raios para os modelos mais frugais e apresentam apenas cinco raios no modelo de 639cv.

 

Estética Gran Turismo com tecnologias de ponta

O exterior do Mercedes-AMG GT 4 Portas mantém traços como o capot longo, a grelha e o sistema Multibeam LED do coupé de duas portas. Também vai buscar ao irmão “mais pequeno” o estilo Shark Nose para a dianteira, ficando as diferenças mais notórias reservadas para a secção posterior. Mesmo mantendo o para-brisas e linha do tejadilho inclinadas, a introdução de duas portas adicionais oferece traços distintos a uma imagem que na traseira é caracterizada pelo difusor (mais extenso nos V8) e as duplas saídas de escape.

 

Destaque aqui para a utilização da aerodinâmica ativa, que além de ter impacto no visual também melhora as performances. Esta solução foi testada tanto em túneis de vento como nas estradas, e tem como principais elementos os ‘Air Panel’ da parte inferior da dianteira e o spoiler ativo na retaguarda. O seu comportamento altera-se consoante o modo de condução e visam obter “a combinação ótima entre máxima potência e mínima resistência à deslocação do ar”.

Pode ainda juntar-se nesta busca pela perfeição a rasgar o vento o Aerodynamics Package. Ele inclui um splitter mais largo, novo difusor na traseira e um aerofólio fixo (opcionalmente em fibra de carbono). Também contempla ajustes manuais para a asa tridimensional, num conjunto de adições que, sem reduzir a eficácia aerodinâmica, ajuda a criar mais carga descendente na secção posterior.

No interior merece destaque a componente digital, com um sistema operacional totalmente pensado para uma atmosfera Gran Turismo. Por isso a Mercedes coloca em foco os contrastes entre o painel de instrumentos e os acabamentos. O modelo de seis cilindros poderá contar, opcionalmente, com os dois ecrãs digitais de 12,3’’ que equipam de origem os V8, em que as informações podem surgir nos modos Classic, Sport e Supersport. Tal como no MBUX do novo Classe A, também aqui existem controlos táteis no volante para navegar entre as várias informações da instrumentação digital, com os dados de performance a surgirem em foco no Supersport.

Destaque aqui para o volante de performance opcional, que coloca à disposição controlos específicos do lado direito para escolher os modos de condução. A escolha das várias possibilidades surge confirmada no ecrã TCT do lado esquerdo deste volante.

 

Referência ainda para os comandos capacitivos, que permitem dar ordens gestuais ao sistema de infotainment. Este é outro dos elementos em destaque num automóvel que pode surgir em versões para quatro ou cinco passageiros e cuja bagageira tem 395L e um compartimento-extra sob o piso da mala com mais 60L. Mas, para as viagens mais longas e com mais bagagem, podem-se rebater os bancos traseiros e contar com um total de 1324L.

 

Sinta-se como o Lewis Hamilton

Foi ainda apresentado um AMG TRack Pace,  que surge de origem nas versões de quatro ocupantes e visa oferecer aos condutores a possibilidade de se “sentir como o Lewis Hamilton”. Além de analisar mais de oitenta parâmetros, ele tem ainda a análise dos registos obtidos pela telemetria facilitado pelas diferentes cores utilizadas. E, com informações sobre pedais, acelerações, direção e até o ângulo de drift, é seguramente a garantia de momentos bem passados e constante melhoria da capacidade do condutor quando ele levar o Mercedes-AMG GT 4 Portas ao circuito…

 

Partilhar