Melhor dia para comprar carro…10 dicas para um bom negócio

Texto: Júlio Santos

 

Descubra aqui por que é que as gestoras de frotas compram carros com 40% de desconto. E como é que você pode fazer (quase) o mesmo.

 

As vendas de automóveis a clientes particulares representam em Portugal menos de 30% do mercado. As empresas asseguram quase 50%, enquanto o rent-a-car é responsável por um pouco mais de 20%.

O que é que isto tem a ver consigo que está a pensar comprar carro novo? Tudo. Um cliente particular é uma espécie de pepita de ouro quando entra numa concessão. Porque é raro? Sim. Mas sobretudo porque o cliente particular (você) é o único que paga a totalidade (ou perto disso) do preço anunciado.

O mercado das chamadas vendas profissionais está incrivelmente “esmagado”: os descontos em relação aos preços anunciados facilmente se aproximam dos (acredite) 40%. Desculpam-se as marcas dizendo que tudo tem a ver com as quantidades. Sim, em parte é verdade. Mas mesmo que as empresas gestoras de frotas (Leaseplan, ALD, Locarent, etc) comprem milhares de carros a cada ano isso não justifica tudo.

A explicação é outra: as fábricas estão a trabalhar com rentabilidades elevadas devido a maior eficiência e a volumes de que não podem prescindir. Ou seja, não estão dispostas, nem preparadas, para quebras de produção ou, ainda menos, aumento de stocks (que tem um elevado custo).

Esta fluidez entre a produção e a venda é crucial neste negócio, porque uma boa parte da margem à saída da fábrica (pode ultrapassar os 40%) é consumida por diversos elementos da cadeia de custos, onde o marketing vem tendo um peso crescente dado, precisamente, o seu papel no aumento da competitividade e, assim, na manutenção do equilíbrio entre a capacidade de produção e de escoamento do produto. E é aqui que entra o elemento “desconto de grandes volumes”.

Uma variável que, no entanto, não se cola no caso dos particulares. O que significa que, bem vistas as coisas, são estes que, em grande medida, pagam as políticas de desconto praticadas para as vendas profissionais. Tem dúvidas? Pense só na dificuldade que tem quando tenta obter um desconto superior a 6 ou 8 por cento. E faz sentido tanta dificuldade, tanta encenação, tanto choradinho do “é impossível”, quando para o mesmo carro, adquirido por uma empresa, a conversa começa com descontos de 25-30%?

Claro que não lhe estamos a dizer que lhe vai ser possível conseguir este patamar de desconto – não encare, sequer, essa possibilidade. O que lhe garantimos é que, com alguns procedimentos, é provável que os “impossíveis” 6-8% possam superar os 10%.

Veja a galeria de imagens com 15 carros com margem para negociar

Alfa Romeo Giulietta 1.6 JTD – Custa (tabela) 27 mil € mas a margem para negociar é ampla
Audi Q3 2.0 TDI – Sucesso do Q2 e do Q5 torna a vida difícil ao Q3. Preço ronda os 39 mil euros mas…
Audi A6 2.0 TDI – Mercedes E e BMW Série 5 renovaram-se. Vida mais difícil para o A6. Oportunidade para ter um excelente carro
BMW 320d – O lançamento do Série 5 e a renovação do Série 4 ainda criou maiores dificuldades ao Série 3
BMW 520d – Em junho chega a nova Série 5 Touring. Aí está uma oportunidade imperdível se não precisa do último modelo
Ford Fiesta 1.0 Ecoboost – A chegada no Verão, da nova geração Fiesta está a esmagar os preços do Fiesta atual
Hyundai Tucson 2.0 – A Hyundai quer aumentar a sua presença em Portugal. O Tucson é uma das armas dessa aposta
Kia Ceed 1.6 CRDI – A idade cria dificuldades e a oportunidade para comprar um bom carro por um preço excelente
Mercedes Classe B 180d – As as dificuldades avolumam-se à medida que a idade avança. A qualidade mantém-se. Uma boa oportunidade
Mercedes CLS – Será em breve substituído mas mantém intactas as qualidades que definem um produto de prestígio
Nissan Qashqai 1.6 DCi – Evoluiu muito da primeira para atual geração. Agora que se renova (julho) é possível fazer um bom negócio
Opel Insignia 1.6 CDTI – Em final de vida (o novo chega em julho) aí está uma boa margem para negociar um bom carro
Peugeot 308 – Um excelente produto que será renovado no Verão. Uma boa oportunidade para realizar um bom negócio
Renault Talisman 1.6 DCI – Este excelente “generalista” não tem vida fácil… o que lhe dá uma margem para negociar
Volvo V60 2.0 D3 – O sucesso dos 90 (S, V e XC) está a criar dificuldades à restante gama. Os V e S60 envelheceram depressa de mais

 

 

Dicas para um bom negócio

1 – Saiba que é difícil negociar bem um modelo acabado de lançar alvo de grande procura.

2 – Pelo contrário um modelo a meio do ciclo de vida (três ou mais anos após o lançamento) pode ser uma oportunidade. Mais ainda se estiver à beira de restyling.

3 – Nos sites de usados “sinta” a pressão que existe sobre o modelo que quer. Veja se há muitos “Quilómetro Zero” à venda. Faça a mesma pesquisa no site da marca.

4 – Peça uma primeira proposta por email. Defina um leque amplo de hipóteses em termos de equipamentos. Não, ainda, uma versão definitiva.

5 – Avalie se lhe propõem um modelo “em stock”. Um carro em stock durante muito tempo significa dinheiro “parado”. Algo que ninguém quer

6 – Empurrado para um modelo em stock? É a sua grande chance de negociar. Peça o impossível. No meio fecha o negócio.

7 – Vá à concessão após o dia 24-25. A pressão do vendedor para alcançar o objetivo do mês está a crescer.

8 – Não feche negócio nesse dia. Lá para o dia 27-28 a concessão está em aperto (por parte do importador) para não falhar o objetivo do mês. É a sua grande oportunidade!

9 – O pronto pagamento raramente ajuda. As marcas têm “financeiras” próprias. O que não ganham no carro querem ganhar crédito. Faça contas e veja o que lhe convém a si.

10 – Compare bem as condições de financiamento propostas pelo seu banco e pela financeira da marca.

 

Partilhar